China quer elevar em 40% safra de soja até 2025 para depender menos de importação

O país estabeleceu uma meta de produzir cerca de 23 milhões de toneladas.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Kim Kyung-Hoon/Reuters
Kim Kyung-Hoon/Reuters

A China estabeleceu uma meta de produzir cerca de 23 milhões de toneladas de soja até 2025

Acessibilidade


A China anunciou que pretende aumentar acentuadamente a produção de soja nos próximos quatro anos, em um esforço para aumentar a autossuficiência no fornecimento da oleaginosa, de acordo com um documento oficial divulgado hoje (13).

O país estabeleceu uma meta de produzir cerca de 23 milhões de toneladas de soja até o final de 2025, um aumento de 40% em relação aos atuais níveis de produção de 16,4 milhões de toneladas, disse o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, divulgando seu 14º plano quinquenal de cultivo.

LEIA TAMBÉM: Conselho Internacional de Grãos reduz previsão de safra global de milho com perdas no Brasil e Argentina

Uma expansão da produção de soja e oleaginosas em 2022 foi solicitada durante reunião de política de liderança central no final de dezembro.

A meta para 2025 também ocorre quando a pandemia continua a perturbar as cadeias de suprimentos de produtos agrícolas e as tensões comerciais permanecem entre a China e os EUA, seu segundo maior fornecedor de soja atrás do Brasil.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A China depende do mercado global para 85% de sua demanda de soja, e as origens de importação são altamente concentradas, disse o ministério no documento do plano de cinco anos.

Em 2019, a China havia estabelecido um plano para revitalizar a soja doméstica e, mais tarde, reiterou repetidamente a necessidade de aumentar a produção local, garantir a segurança dos grãos e reduzir a dependência das importações dos Estados Unidos.

A produção de soja na China caiu 16% em 2021 em relação ao ano anterior, já que alguns agricultores abandonaram o cultivo da oleaginosa e se voltaram para culturas mais lucrativas, como o milho.

De acordo com o documento do plano de cinco anos, a China destinará terras especificamente para o cultivo de soja, expandirá os programas de rotação soja-milho e vai se concentrar no aumento do rendimento da oleaginosa durante o período 2021-25.

Pequim também expandirá a área plantada e a produção de outras oleaginosas, incluindo colza e amendoim, para atender à crescente demanda por óleos de cozinha e proteína, de acordo com o documento.

A produção de colza aumentará 29% para 18 milhões de toneladas, enquanto a produção de amendoim atingirá mais de 19 milhões de toneladas, acima das 17,99 milhões de toneladas em 2020, segundo o plano.

A China cortou as importações de colza do principal exportador e produtor Canadá em 2019 em meio a uma relação bilateral acirrada entre Pequim e Ottawa. Os envios continuam limitados.

Pequim pretende produzir 215 milhões de toneladas de arroz, 140 milhões de toneladas de trigo e 277,5 milhões de toneladas de milho até 2025, ligeiramente acima dos níveis de produção em 2020, segundo o documento.

A China importou volumes recordes de grãos, incluindo milho e trigo, nos últimos dois anos, à medida que os preços do cereal doméstico dispararam. No entanto, os embarques de alguns grãos caíram recentemente em meio ao enfraquecimento da demanda.

Compartilhe esta publicação: