Fortes chuvas atingem cafezais no Brasil, mas no geral umidade é benéfica

As chuvas foram mais do que quatro vezes acima do normal no norte de Minas Gerais, o maior produtor de café do país.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Segundo especialistas, o excesso de chuvas nos cafezais brasileiros pode não ser tão maléfica e tem chances de até beneficiar a safra de 2023

Acessibilidade


Fortes chuvas inundaram alguns cafezais e outras safras em determinadas áreas do Brasil, a última das ocorrências climáticas extremas para a agricultura do país, que incluem geadas e secas devastadoras.

As chuvas foram mais do que quatro vezes acima do normal nas regiões ao norte de Minas Gerais, Estado que é o maior produtor de café do Brasil.

VEJA TAMBÉM: Estiagem e as altas temperaturas podem reduzir em 11,3 milhões de tolenadas a safra 2021/22 de soja do Brasil

Mas, ao contrário de outras intempéries, as chuvas extra podem em última análise melhorar as condições hídricas para os cafezais.

O Brasil, maior produtor mundial de café, sofreu sua pior seca em 90 anos no ano passado, seguida pelas geadas mais fortes em décadas. No final de dezembro, as chuvas deixaram mais de 20 vítimas fatais na Bahia, enquanto uma estiagem cortou a safra de soja no Sul.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Eustáquio Gonçalves, que ajuda a administrar 460 hectares de café arábica em Pirapora, no norte de Minas Gerais, disse que as chuvas desde outubro passaram de 1.000 milímetros na área.

“Normalmente recebemos menos do que isso durante todo o ano”, destacou ele.

O excesso de chuva faz com que os frutos do café, ainda verdes nesta época, caiam, reduzindo a produção. Muita umidade também impede tratos culturais ideais, uma vez que as máquinas não podem se mover entre as árvores, levando a uma disseminação mais rápida de doenças e pragas.

Gonçalves estima que a produtividade da fazenda cairá para cerca de 40 sacas de 60 kg por hectare, ante projeções anteriores de 50 sacas.

Em alguns lugares, como Taiobeiras, também no norte de Minas Gerais, plantações inteiras de café foram cobertas pela água que transbordou do rio Pardo, com fazendeiros compartilhando fotos na rede social Instagram.

Nesses casos, safras inteiras poderão ser perdidas.

VEJA TAMBÉM: Falta de chuva também prejudica produção de arroz e leite do Rio Grande do Sul

No entanto, a umidade extra melhorou as condições em outras áreas onde as chuvas estão menos intensas, incluindo na principal região produtora, o Sul de Minas Gerais, segundo o pesquisador José Braz Matiello.

“Chuva excessiva na área de café, não. Pode ter no norte de Minas, pode lavar um pouco mais o adubo, mas os cafés normalmente são plantados em áreas altas dos terrenos. No Sul de Minas, em quase em todos os lugares, não é uma cultura de baixada, que normalmente vai sofrer”, afirmou Matiello.

“No geral, excesso de chuva não é benéfico, mas também não é maléfico”, lembrando que muita precipitação pode levar produtores a reforçar a aplicação de adubo.

Ele acrescentou que as chuvas agora também podem beneficiar a safra de 2023.

Flávio Figueiredo de Rezende, cafeicultor com propriedades em Varginha, no Sul de Minas, concorda.

VEJA TAMBÉM: Hiperautomação no agro: 4 perguntas que vão ajudar na decisão

“As chuvas se intensificaram do final de dezembro em diante… Excessivas até o momento ainda não, com exceção de alguma propriedade”, afirmou ele, ressaltando que a umidade está ajudando lavouras a se recuperar após as geadas, com possível impacto positivo no ano que vem.

José Henrique Mendonça, produtor em Cristais Paulista e presidente do Sindicato Rural de Franca e região, na Alta Mogiana, disse que as chuvas voltaram “com regularidade” e em bons volumes, o que traz perspectivas melhores para a produção em 2023, se as boas condições hídricas se mantiverem até a próxima florada.

Para 2022, disse ele, os efeitos da seca e geadas de 2021 não serão revertidos.

O banco de investimentos Itaú BBA disse ontem (6) que embora as chuvas não aumentem a quantidade de grãos de café para a safra 2022, pois o período de floração já passou, elas ajudariam no desenvolvimento dos frutos, aumentando o tamanho dos grãos.

Frutos maiores significam que os cafeicultores precisarão de menos grãos para encher uma saca, e eles serão de melhor qualidade e, portanto, mais procurados pelos torrefadores.

“As pessoas geralmente superestimam os danos causados ​​pela chuva. Normalmente, ela beneficia mais do que prejudica”, disse o analista de commodities Shawn Hackett.

Compartilhe esta publicação: