Entenda o futuro da energia que passa pelas algas como alimento

A Vaxa Technologies, uma startup de biotecnologia, possui nova abordagem científica para a produção sustentável de microalgas

Christopher Marquis
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Conheça a Vaxa, empresa que está revolucionando a energia na produção de alimentos.

Acessibilidade


À medida que as mudanças climáticas se infiltram em todos os aspectos da cadeia alimentar, incluindo os oceanos, é imperativo buscar fontes alternativas de nutrição para atender às necessidades da população. Um exemplo é o uso de algas em suplementos de ômega-3, em vez de peixe ou óleo de krill, porque isso evita a pesca excessiva e também vai direto na fonte de nutrição (os peixes obtêm seus ômega-3 através do que comem).

Corinna Bellizzi, chefe de marketing e vendas da empresa Vaxa Technologies, uma startup de biotecnologia com sede em Rosh Pina, Israel, e com atuaçaõ global, recentemente falou sobre sua nova abordagem científica para a produção sustentável e ecológica de microalgas e de seu recente lançamento de uma linha de produtos nesse sentido, a  Örlö Nutrition.

LEIA MAIS:  Da ficção à realidade, o que são o boi e o boiadeiro do Pantanal

Ela descreveu como o processo circular negativo de carbono da empresa será a próxima fronteira da produção de alimentos: “Quando a nutrição se tornou insustentável na história do homem, a tecnologia nos permitiu avançar de caçadores-coletores para agricultores. A tecnologia da Vaxa está criando um salto tecnológico semelhante com a nutrição de base oceânica. É a primeira instalação comercial do mundo que integra a produção de energia geotérmica com o cultivo de algas (Energy-to-Food).”

Confira a entrevista:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Forbes: Fale-me um pouco sobre a instalação na Islândia – como funciona, o que cultiva e que tecnologia é utilizada?

Corinna Bellizzi: Desenvolvemos uma plataforma de economia circular para aproveitar o potencial nutricional das microalgas, sem interrupções sazonais. Nossa unidade de produção na Islândia é uma planta de aquacultura interna controlada. Isso significa que somos capazes de fornecer uma excelente fonte de ômega-3 e proteína para peixes e pessoas durante todo o ano, sem inconsistência sazonal ou preocupação com suprimentos, por causa de restrições ambientais, como o agravamento das tempestades e o aquecimento dos oceanos.

Nossa plataforma combina biotecnologia avançada e aprendizado de máquina para criar a primeira instalação do mundo de produção de microalgas fotossintéticas interna, controlada, otimizada e escalável com biossegurança. Nossa tecnologia utiliza energia limpa de uma usina geotérmica e seus fluxos de resíduos (água quente/fria, CO2 geotérmico) para produzir microalgas otimizadas com valor nutricional excepcional, incluindo proteínas com perfil completo de aminoácidos essenciais, ômega-3, vitaminas e minerais que estimulam o sistema imunológico.

Nosso processo também tem uma pegada de carbono negativa, utilizando 99% menos recursos terrestres e hídricos do que os usados ​​na produção convencional de microalgas. A tecnologia da Vaxa está reduzindo os custos de produção em aproximadamente 80%, enquanto melhora os rendimentos em 10 vezes. Ela cria um catalisador para que as indústrias de aquicultura e alimentos adotem amplamente o ômega-3 e proteínas sustentáveis ​​à base de algas. Vaxa significa “crescer” em islandês.

F: Pode explicar um pouco mais sobre como essa tecnologia difere das outras?

CB: Quando a nutrição terrestre se tornou insustentável, a tecnologia nos permitiu avançar de caçadores-coletores para agricultores. A tecnologia da Vaxa está criando um salto tecnológico semelhante com a nutrição de base oceânica. É a primeira instalação comercial do mundo que integra a produção de energia geotérmica com o cultivo de algas (Energy-to-Food). Usamos energia limpa e água islandesa cristalina para cultivar nossas algas, proporcionando o equilíbrio exato de fertilizantes naturais e luz que as microalgas precisam para prosperar.

Ao otimizar suas condições de crescimento com o poder da IA (inteligência artificial), elas crescem exponencialmente, dobrando sua massa a cada dois dias, enquanto consomem CO2 geram oxigênio como um subproduto positivo. Como estamos usando um sistema fechado (não uma lagoa aberta), e como controlamos as condições de crescimento, não precisamos nos preocupar com o potencial de contaminação de nossas algas com outras cepas de algas indesejadas, amebas ou outras pragas que consumiriam as algas – portanto, não precisamos usar pesticidas ou herbicidas.

As preocupações com a sazonalidade são apagadas. Isso significa que, no final, as algas que cultivamos têm um valor nutricional consistente e ideal. Como resultado, elas têm níveis mais altos de ômega-3 e outros fitonutrientes (por exemplo, aminoácidos essenciais, ferro biodisponível e vitamina B12) que podem criar uma abundância de produtos nutritivos.

Além disso, ao produzir uma solução que não dependa de sistemas de cultivo de lagoas abertas ou de nossos ecossistemas oceânicos, as preocupações com o fornecimento de ômega-3 por causa do aquecimento das águas e aumentos na acidificação dos oceanos são contornadas. Dada a natureza carbono-negativa de nossa tecnologia, estamos dispondo uma solução que pode resolver problemas de fornecimento de ômega-3 e proteína, e contribuir para o resfriamento global.

F: Por que algas? Por que agricultura vertical? Por que suplementos?

CB: Os peixes obtêm o ômega-3 altamente bioativo EPA e DHA das algas que consomem, bioacumulando essas gorduras importantes, juntamente com toxinas ambientais, à medida que subimos na cadeia alimentar. Podemos cortar o “peixe intermediário” e ir diretamente às algas para obter esses nutrientes poderosos, sem perturbar os ecossistemas sensíveis. Os ômega-3 derivados de algas fotossintéticas contêm lipídios polares e não criam aquele sabor típico de peixe.

Cultivar verticalmente as algas em nossa planta de aquicultura nos permite controlar as condições em que elas são cultivadas, minimizando o consumo de água e a pegada de área. Processamos e extraímos minimamente as algas usando apenas água e álcool orgânico, resultando em um produto superior que retém seus nutrientes essenciais e preserva os ômegas em sua forma lipídica polar e altamente biodisponível. Isso garante absorção superior para peixes ou óleos de algas em suas formas de triglicerídeos ou éster etílico e, dada a presença de lipídios polares, incluindo fosfolipídios e glicolipídios, absorção ainda maior do que o óleo de krill.

A suplementação com ômega-3 é uma maneira rápida e fácil de garantir que uma pessoa receba EPA e DHA suficientes em seu regime diário. Para obter o suficiente dessas gorduras essenciais, você pode consumir peixe 2-3 vezes por semana, ou pode tomar um grama (2 pequenas cápsulas) de Örlö Omega-3 ou DHA pré-natal todos os dias. Ao tomar um suplemento, você obtém o benefício dos ômegas sem a preocupação de toxinas ambientais e sem danificar ecossistemas sensíveis.

F: Por que a sustentabilidade oceânica tem se tornado um tema tão quente?

CB: À medida que o oceano continua a absorver mais carbono atmosférico, seus níveis de acidez estão subindo. Com o aumento da acidez, suas condições de suporte à vida estão mudando. A proliferação descontrolada de algas, resultado tanto da mudança da acidez, das terras agrícolas e do escoamento de águas residuais, mata cardumes inteiros de peixes, que mais tarde chegam à praia.

Com o aumento da acidez, algumas espécies de moluscos estão tendo ainda mais dificuldade em criar as conchas que os protegem em sua fase larval. Os recifes de corais estão morrendo. Essas realidades estão bem documentadas e continuarão com o aumento da temperatura dos oceanos e dos níveis de acidez. Precisamos alterar nossos hábitos de consumo, atentos à nossa realidade atual, pois levará tempo para que os oceanos reequilibrem seus ecossistemas.

F: Que outras medidas de sustentabilidade a empresa está tomando?

CB: A embalagem que trabalhamos para criar é o violetglass da Miron, que preserva os produtos naturais melhor do que outras embalagens, é reciclável. Dado que a garrafa de vidro foi projetada para ser retornável, estamos usando menos material no geral. As bolsas de recarga são feitas de plásticos reciclados pós-consumo que leva a reciclabilidade para um potencial de terceira vida. Nossas caixas de envio e envelopes são feitos de papel reciclado pós-consumo e impressos com tintas à base de algas.

Essas tintas reduzem nossa dependência de produtos petroquímicos e são muito mais ecológicas. As tintas são uma solução do berço ao berço, pois a tinta de algas é feita a partir do fluxo de resíduos de produtos de algas. Até imprimimos nossas camisetas de algodão orgânico, que são cortadas, costuradas e impressas na Califórnia, com tintas à base de algas. Enviamos preferencialmente por meio de logística terrestre a partir de nossa central de atendimento no Texas, reduzindo o custo logístico de carbono para alcançar nossos clientes. Além disso, a logística de cada compra é compensada por carbono, garantindo que nosso impacto permaneça negativo em carbono. Isso demonstra o compromisso com a saúde pró-planeta.

Um conjunto único de trabalho que está alinhado com nossa missão é um podcast que produzimos. O podcasting fornece uma via de educação de longa duração para que tenhamos conversas críticas para apoiar a saúde de uma pessoa por meio de uma ótima nutrição, sem comprometer a saúde do planeta. Como exemplo, já tivemos a incrível oportunidade de apresentar o Dr. William Li e seu livro best-seller do New York Times, “Eat To Beat Disease, The New Science of How Your Body Can Heal Itself” (em tradução, “Coma para vencer a doença, a nova ciência de como seu corpo pode se curar”).

Ter conversas com pessoas como o Dr. Li, e também cientistas climáticos como o principal autor do relatório do IPCC, o vencedor do Prêmio Nobel, professor William Moomaw, nos ajuda a levar adiante conversas importantes enquanto impulsiona a base de conhecimento de nossos clientes. As colaborações se revelam e podemos alcançar consumidores que têm pouco tempo para ler, mas que gostam de ouvir um podcast ou assistir a uma entrevista no YouTube com um líder de opinião que eles respeitam. Acreditamos que os podcasts democratizam o acesso ao conhecimento e podem influenciar mudanças reais e duradouras em nossos hábitos e nossa saúde.

Com Örlö, nosso objetivo é provar ao mundo que é possível criar uma marca regenerativa, com princípios econômicos circulares em seu núcleo. Podemos criar soluções que sejam pró-saúde humana e pró-saúde do planeta ao mesmo tempo e que produzam lucros saudáveis ​​para sustentar a saúde de um negócio a longo prazo. Esperamos que o impacto da marca seja de longo alcance, além do nosso próprio sucesso, pois inspiramos outros a criar produtos e marcas igualmente responsáveis. Esta é a nova onda de construção de marca. Esperamos tornar isso uma norma.

  • Christopher Marquis é colaborador da Forbes EUA e professor de gestão chinesa na Judge Business School, em Cambridge.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: