Preços de alimentos no mundo têm nova queda em julho, diz FAO

O índice de julho ainda é 13,1% superior ao do ano anterior, impulsionado pelo impacto da invasão da Ucrânia, clima adverso e altos custos de produção e transporte

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Fabrizio Bensch/Reuters
Fabrizio Bensch/Reuters

Supermercado em Berlim

Acessibilidade


O índice de preços mundiais da agência de alimentos das Nações Unidas caiu novamente em julho, afastando-se ainda mais dos recordes atingidos em março.

O índice de preços de alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que acompanha as commodities alimentares mais comercializadas globalmente, teve uma média de 140,9 pontos no mês passado, contra 154,3 (valor revisado) em junho.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O número de junho havia sido calculado anteriormente em 154,2.

O índice de julho ainda é 13,1% superior ao do ano anterior, impulsionado pelo impacto da invasão da Ucrânia, clima adverso e altos custos de produção e transporte.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O declínio nos preços das commodities alimentares frente a níveis muito altos é bem-vindo, no entanto, muitas incertezas permanecem”, disse o economista-chefe da FAO, Maximo Torero.

Uma perspectiva econômica global sombria, a volatilidade da moeda e os altos preços dos fertilizantes –que podem afetar a produção futura e os meios de subsistência dos agricultores– representam sérias pressões para a segurança alimentar global, disse ele.

Os índices de preços de óleos vegetais, açúcar, laticínios, carnes e cereais registraram quedas em julho. O trigo recuou 14,5%, em parte devido a um acordo firmado para desbloquear as exportações de grãos de portos do Mar Negro.

O índice de preços do milho caiu 10,7% em julho, também refletindo o acordo Rússia-Ucrânia, bem como o aumento da disponibilidade sazonal dos principais produtores Argentina e Brasil, disse a FAO.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: