Apresentado por       

Eventos climáticos extremos foram causa principal para pessoas deixaram suas casas em 2020

Pesquisadores disseram que 55 milhões de indivíduos continuavam deslocados dentro de seus próprios países no final do ano passado.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Pesquisadores disseram que 55 milhões de pessoas continuavam deslocadas dentro de seus próprios países no final de 2020

Acessibilidade


Eventos climáticos extremos ligados à mudança climática e deslocamentos em massa para proteger pessoas ameaçadas estão impulsionando uma disparada global de famílias forçadas a fugir de casa, uma parcela das quais continua deslocada no longo prazo, disseram analistas hoje (20).

Cerca de 98% dos novos deslocamentos de pessoas de suas casas em 2020 foram causados por eventos climáticos extremos, disse o IDMC (Centro de Monitoramento de Deslocamento Interno), sediado em Genebra, em um relatório.

LEIA TAMBÉM: Empresa desenvolve solução para levar energia solar às aldeias do Xingu

Algumas delas conseguiram voltar para casa rapidamente, disse Alexandra Bilak, diretora do IDMC.

Mas de famílias australianas que perderam o lar para incêndios florestais recordes a ilhéus do Oceano Pacífico assolados pelo ciclone Harold e os cinco milhões de sul-asiáticos retirados antes do ciclone Amphan no ano passado, uma parcela cada vez maior está tendo dificuldade de se recuperar e retornar.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O deslocamento pode durar meses, ou até anos”, disse Bilak a repórteres durante um evento virtual. Ela disse que países ricos vivenciam cada vez mais uma parcela desse deslocamento, como famílias norte-americanas atingidas por furacões mais intensos no Atlântico. Mesmo para aqueles afastados de casa temporariamente, disse Bilak, “isso realmente representa um choque”.

Pesquisadores disseram que 55 milhões de pessoas continuavam deslocadas dentro de seus próprios países no final de 2020. Segundo eles, a maioria foi expulsa pela violência em anos anteriores, mas conflitos em andamento elevaram os números no ano passado, disse Bilak.

Jan Egeland, secretário-geral do Conselho Norueguês de Refugiados, disse que a pandemia não conteve os conflitos, o que ajudou a aumentar o deslocamento em geral. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: