Fundação Ellen MacArthur aponta lições da economia circular para a indústria da moda

Anastasiia Korotkova/Getty Images
Anastasiia Korotkova/Getty Images

Marcas como C&A, Levi’s e Guess colocaram no mercado mais de meio milhão de pares de jeans circulares segundo estudo da Fundação Ellen MacArthur

A Fundação Ellen MacArthur acaba de publicar o estudo “The Jeans Redesign: Insights dos Primeiros Dois Anos”, que revela as barreiras, soluções e lacunas de inovação enfrentadas pela indústria da moda. O projeto, alvo do relatório, abrange 72 marcas de roupas e varejistas, entre elas C&A, Levi’s, Guess, GAP e Banana Republic, que aderiram às diretrizes e definições comuns da iniciativa.

Ao longo dos primeiros 24 meses do The Jeans Redesign, ainda em andamento, alguns requisitos foram relatados de forma consistente como sendo os mais difíceis de serem atendidos pelas companhias participantes. Entre eles, está a identificação e obtenção de fibras à base de celulose produzidas por meio de processos que ofereçam resultados positivos para a natureza; soluções de hardware que proíbam a galvanoplastia convencional, uma técnica que gera resíduos perigosos; zíperes que podem ser removidos e reutilizados ou reciclados sem perder tecido; e limitação das fibras não baseadas em celulose a 2% ou menos para garantir reciclabilidade, sem deixar de entregar estilo e conforto que agradam esteticamente aos clientes (incluindo jeans com stretch).

LEIA TAMBÉM: BNDES vai reduzir juros para setores comprometidos com corte nas emissões de CO2ara produzir carne cultivada

De acordo com Laura Balmond, líder da Make Fashion Circular – movimento da fundação que reúne líderes de toda a indústria da moda para trabalhar em conjunto com cidades, filantropos, ONGs e inovadores -, o objetivo é ajudar as organizações a adotarem os princípios da economia circular no mercado da moda. E com os avanços comprovados pelo estudo, não devem existir pretextos contrários para não investir em roupas baseadas neste conceito. “Os desafios e soluções identificados deixaram claro onde são necessários investimentos e inovação. E pedimos que a indústria e o governo aproveitem esse impulso crescente para fazer uma transição rápida e em escala para a economia circular na moda”, declara.

Com base nos resultados observados, a fundação recomenda às companhias do mundo da moda que tomem medidas ousadas para adotar os princípios da economia circular; superem barreiras em conjunto com coletores, classificadores e recicladores; alinhem as definições e parâmetros para produção e abastecimento regenerativos em colaboração com formuladores de políticas; e implementem mecanismos de habilitação para apoiar a produção de materiais que tenham resultados positivos para a natureza. E, por fim, que os formuladores de políticas criem condições à economia circular em escala na indústria da moda, com base em um conjunto de objetivos de políticas comuns.

Até o momento, os participantes da pesquisa colocaram no mercado mais de meio milhão de pares de jeans circulares, atendendo aos requisitos mínimos de durabilidade, rastreabilidade e reciclabilidade, usando materiais e processos seguros. Embora o número de jeans circulares represente apenas uma pequena parte do mercado total, os insights obtidos podem contribuir muito para informar ações ousadas no sentido de criar mais produtos sob este conceito.

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).