Conheça o champanhe artesanal que quer mudar o mercado

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

A família Taittinger tem uma tradição de fazer champanhe que remonta a 1932, quando a adquiriu vinhedos de 1734

A conexão de Rodolphe Frerejean Taittinger com o champanhe vai muito além de seu famoso sobrenome. Ele foi batizado com champanhe quando bebê e provou sua primeira colher aos 8 anos. Quando criança, ele e seus irmãos andavam de bicicleta pelas vinhas da região francesa de Champagne.

A família Taittinger tem uma tradição de fazer champanhe que remonta a 1932, quando a adquiriu vinhedos de 1734. Hoje, a vinícola está entre as dez maiores produtoras de champanhe em volume do mundo.

Rodolphe, 33, e seus dois irmãos, Richard, 39 e Guillaume, 41, decidiram seguir um caminho diferente, separando-se dos primos para lançar sua própria casa de champanhe, ou maison. Em 2005, os três franceses lançaram o champanhe Frerejean Frères (a palavra frère significa irmão em francês).

Hoje, a empresa produz cerca de 100 mil garrafas por ano em pelo menos seis estilos diferentes ou cuvées (o número exato varia, pois algumas são produções limitadas que se esgotam). “Ele é muito humilde, mas ambicioso”, diz Marianna Fossick, fundadora da Gain Brands International, de Singapura, distribuidora de bebidas que trabalhou com a Frerejean Frères.

A Frerejean Frères é um grande exemplo de uma revolução silenciosa em andamento na indústria de champanhe. O setor é dominado pela gigante francesa de luxo LVMH, proprietária de três dos dez maiores produtores: Dom Perignon, Möet & Chandon e Veuve Clicquot, produzindo juntos mais de 60 milhões de garrafas por ano. Alguns outros grandes produtores também contam suas produções em milhões de garrafas. Frerejean Taittinger, por outro lado, aspira a produzir não menos de 300 mil garrafas até antes de 2025. “Somos fabricantes de champanhe artesanais”, declarou ele em entrevista em uma recente viagem a Singapura. “Estamos em busca de qualidade e de um champanhe com personalidade.”

LEIA MAIS: O restaurante que usou champanhe premium para driblar a crise

Assim como as grandes cervejarias viram as cervejas artesanais sacudirem sua indústria, agora os novos produtores artesanais desafiam o mundo rarificado dos grandes fabricantes de champanhe. Cerca de duas décadas atrás, eles se concentraram na produção limitada e na qualidade superior à produção no mercado de massa. Na página inicial do site da Frerejean Frères, as palavras “champanhe artesanal” são as primeiras a aparecer.

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Frerejean Taittinger aspira produzir não menos de 300 mil garrafas até antes de 2025

Essa revolução está se expandindo para além da mídia comercial da indústria de bebidas à medida que os produtores artesanais recebem elogios por seu espumante único. “Esses campeões artesanais estão começando a ganhar muito mercado”, diz Frerejean Taittinger. “Ninguém havia se concentrado nas pequenas produtoras, mas agora vejo mais delas nas listas de melhores bebidas.” O champanhe Frerejean Frères está disponível nos restaurantes Le Bernardin, em Nova York; no Guy Savoy, em Paris; e no Odette, em Singapura, todos com estrelas Michelin.

A Frerejean Frères agora também é vendida na Austrália, Hong Kong, Japão, Coreia do Sul, Singapura, Tailândia e Vietnã e começou recentemente a vender na China continental. O Japão é o primeiro e o maior mercado na Ásia. “Os japoneses adoram champanhe artesanal”, diz Frerejean Taittinger. Como parte de suas funções como CEO, Frerejean Taittinger viaja pelo mundo para promover a marca, incluindo visitas à Ásia.

A dedicação de Frerejean Taittinger à qualidade pode ser vista em seu processo de produção. Enquanto os produtores de champanhe na França são obrigados pelo Comité Champagne, um grupo da indústria que regula a produção, a envelhecer seus espumantes por um período mínimo de 15 meses, a Frerejean Frères envelhece por um período mínimo de seis anos e, às vezes, até 15, um tempo extra capaz de adicionar complexidade e requinte. “Meu pai sempre me pergunta: Por que você envelhece seu champanhe por tanto tempo? Financeiramente, está errado”, diz ele com uma risada. “Mas queremos levar o nosso próprio tempo.”

Ele usa apenas uvas chardonnay ou pinot noir de vinhas premier cru ou grand cru, as duas notas mais altas. A dedicação parece valer a pena: seu champanhe Premier Cru Cuvée des Hussards Extra Brut 2012 foi classificado em 97 de 100 no prestigiado Decanter World Wine Awards, realizado no ano passado em Londres. De acordo com as notas de degustação do prêmio: “O paladar é de veludo puro e saboroso, acompanhado de nozes tostadas e um leve toque de fumaça. Vinificação impressionante! ”

A entrada de Frerejean Taittinger, em 2005, no empreendedorismo de champanhes veio no mesmo ano em que o clã Taittinger vendeu seus negócios familiares, incluindo a marca de champanhe e outros ativos, como hotéis, para a empresa de private equity dos EUA Starwood. Pierre-Emmanuel Taittinger comprou de volta a marca cerca de 18 meses depois, sem os outros ativos. No entanto, a venda de curta duração desta icônica marca francesa a uma empresa financeira americana impetuosa e com fins lucrativos causou um rebuliço no setor.

Frerejean Taittinger considera se a venda o influenciou a tomar um caminho próprio com seus irmãos. Essa decisão, ele diz, foi realmente fazer “um projeto de paixão”. Notavelmente, outro membro da família, Virginie Taittinger, também saiu em 2006 para iniciar sua própria marca de champanhe, chamada Virginie T.

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Na empresa, os três irmãos, Rodolphe, Richard e Guillaume, dividiram seus papéis

Na Frerejean Frères, os três irmãos dividiram seus papéis: Rodolphe tornou-se CEO, Richard cofundador e diretor nos EUA, inclusive supervisionando o mercado direto de Nova York, e Guillaume vive em Paris como cofundador e presidente, responsável por gerenciar a produção e as operações gerais. A empresa possui cerca de 30 funcionários, com cerca de 20 em Paris e o restante na sede da empresa em Avize, uma cidade situada no coração da região de Champagne.

A empresa produz seus champanhes a partir de cerca de cinco hectares de suas próprias vinhas, complementados com uvas compradas de outros produtores. A Frerejean Frères também está comprando outros cinco hectares. Os preços por garrafa podem variar entre € 39 e € 600 para clientes europeus, mas geralmente são mais altos na Ásia-Pacífico devido a marcações locais. Neste ano, a maison está lançando duas novas cuvées, uma blanc de blancs premier cru extra brut e uma produção limitada rosé grand cru. “Tentamos ser uma nova geração de produtores de champagne”, diz Frerejean Taittinger, “falando com uma nova geração de clientes”, finaliza.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).