Conheça o veículo elétrico urbano Microlino - uma releitura dos “carros-bolha” para o século 21

Novo automóvel da Micro é inspirado nos conceitos dos anos 1950 e oferece conforto e recursos tecnológicos .

Nargess Banks
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A família Ouboter, fundadores da Micro, com um protótipo do seu novo automóvel Microlino

Acessibilidade


A Micro pensa de forma diferente. Sem o peso da tradição e das expectativas do cliente, a empresa familiar suíça é praticamente livre para explorar e experimentar novas ideias de transporte. Conta com um portfólio de boutique, com uma coleção divertida para todos os tipos de viajantes urbanos práticos e passeios curtos, que torna o deslocamento muito mais conveniente e agradável.

A história da marca é igualmente encantadora. A vida começou para a Micro com um único produto: um patinete manual dobrável. O fundador, Wim Ouboter, precisava de um meio de transporte para percorrer a curta distância de seu apartamento em Zurique até sua barraca de salsichas favorita, Sternen Grill. Ele queria que este veículo fosse mais rápido e fácil de manobrar do que uma bicicleta, mas também compacto, dobrável e que coubesse perfeitamente em sua mochila. Após muitas tentativas e erros, em 1999, Ouboter aperfeiçoou sua invenção do kickcooter (patinete) e fundou a Micro. O dispositivo foi denominado “Kickboard” na Europa e “Razor” nos Estados Unidos. Não é preciso dizer que o conceito se tornou um grande sucesso comercial e é especialmente apreciado pelas crianças, com outros fabricantes criando variações do design original.

LEIA TAMBÉM: Conheça o laboratório brasileiro que transforma cinzas em diamantes

O projeto mais recente da Micro é uma ideia igualmente prática inventada para adultos. O Microlino é um minúsculo cubo sobre rodas de três lugares movido a eletricidade de face amigável, projetado inteiramente para o deslocamento urbano. Esta é uma versão contemporânea do “carro-bolha” clássico, para o qual a equipe se inspirou em vários conceitos dos anos 1940 e 1950 – ou seja, a mãe de todos os “carros-bolha”, o L’Oeuf Electrique do designer industrial francês Paul Arzens e meu próprio favorito, o BMW Isetta, vendido no Brasil com o nome de Romi Isetta.

O Microlino tem uma configuração semelhante com um banco de assento único e espaço de bagagem de 300 litros. Como o balão clássico, ele adota a abordagem de uma única porta da frente que, não só parece super legal, mas também permite que o motorista e o passageiro pisem direto na calçada ao atravessar o estacionamento. Na parte dianteira e traseira, há faixas de LED individuais com piscas integrados. O painel tem um display digital na frente do motorista para mostrar todas as informações relevantes, enquanto a barra de alumínio é uma homenagem às próprias raízes da Micro, o “kickscooter”. A configuração digital simples também pode ser adaptada facilmente, por meio de conexão de smartphone, alto-falantes Bluetooth portáteis ou outros acessórios.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Somos movidos pela inovação”, diz Oliver Ouboter, filho do fundador e diretor de operações e piloto de testes da Micro. Estamos em uma videochamada, ele em Zurique, eu em Londres. Tendo enfrentado o tráfego sufocante surpreendente da capital britânica – afinal, ainda estamos tecnicamente no confinamento de Covid – na chuva e em um SUV grande, estou gostando da ideia do Microlino. Para começar é pequeno e ágil e vai me guiar facilmente pelas ruas estreitas. Então, ao contrário de um patinete, o veículo elétrico da Micro tem um teto para proteger das chuvas e oferecer segurança em um ambiente urbano.

“Um carro oferece liberdade para viagens pessoais, protege os ocupantes e pode transportar várias pessoas e bagagens”, diz Ouboter. “Esses são três benefícios que você não obtém com um patinete, uma motocicleta ou um trem. Então, quando iniciamos o projeto, dissemos que vamos pegar esses atributos e implementá-los em um veículo que seja o menor possível.” Quando se tratou de considerar a forma geral, a equipe da Micro não queria simplesmente encolher um carro normal.

“É muito difícil fazer um produto bonito se você só diminuir o tamanho. Em um carro maior, você pode criar formas aerodinâmicas agradáveis, mas se você apenas amassá-lo, parecerá estúpido”, diz ele sorrindo. “Esses veículos bolha da década de 1940 parecem diferentes de um carro normal.” E há uma sensação definitivamente positiva na forma redonda sem arestas.

VEJA MAIS: 8 dos hotéis mais tecnológicos do mundo para conhecer

O Microlino pesa apenas 513 kg e pode acelerar até 90 km/h. Há a opção de uma bateria de alcance de 125 ou 200 km e não há uma opção de carregamento rápido, uma vez que a pequena bateria pode ser totalmente carregada em apenas quatro horas em uma tomada normal. Ele é posicionado para ser uma alternativa a um carro com uma carroceria em branco e peças embutidas prensadas para segurança estrutural. “Vemos isso como uma nova categoria no transporte”, explica Ouboter.

A ideia inicial do Microlino foi concebida como um golpe publicitário. Exibido no Salão do Automóvel de Genebra de 2016, recebeu uma resposta tão positiva que a Micro decidiu explorar as possibilidades de produção. O trabalho começou em janeiro passado, quando a estrutura do veículo foi revisada para atender aos requisitos de qualidade, segurança e manuseio. Isso incluiu um novo chassi feito de aço prensado e peças de alumínio, bem como um eixo traseiro mais amplo para sistemas de suspensão independentes na dianteira e na traseira.

A Micro continua sendo uma das líderes no setor de patinetes elétricos premium. Ao lado da Microlino, a empresa também está trabalhando na Microletta, o conceito de patinete elétrico de três rodas baseado na linguagem de design do “carro-bolha” para combinar a estética moderna com o charme retrô. Uma equipe da empresa elabora criações internamente, mas Ouboter diz que a Micro também gosta de trabalhar com designers independentes. “Estamos abertos a ideias e tentamos fazer coisas novas neste espaço de transporte”, afirma.

A equipe da Micro colaborou com a BMW e a Mercedes em produtos que fazem sucesso no mercado. Mais recentemente, a empresa trabalhou com a Audi em seu patinete elétrico parecido com skate. “A Audi estava procurando um parceiro que fosse capaz de industrializar o design e nos procurou”, diz Ouboter, acrescentando que existem certas restrições ao colocar patinetes em produção em massa. “Somos uma equipe pequena e, portanto, nossos designers devem ter uma compreensão da capacidade de fabricação e do custo.” As margens estão apertadas neste setor e é preciso ter cuidado com os custos. A empresa está atualmente trabalhando com a marca de moda Fendi em duas edições especiais de patinetes.

Devido a regulamentações regionais, por enquanto Ouboter vê o Microlino, principalmente, como um produto europeu. Atualmente, existem cerca de 21 mil reservas com 5.000 a 10 mil unidades planejadas para produção no primeiro ano – um número que pode ser facilmente aumentado, diz Ouboter. Os preços começam em torno de € 12 mil (US$ 14 mil) com produção programada para começar este ano em colaboração com a empresa italiana CECOMP.

LEIA TAMBÉM: Como é dirigir um Aston Martin AMR-C01 em um simulador de US$ 80 mil

À medida que avançamos na direção elétrica, produtos como o Microlino naturalmente fazem sentido no ambiente da cidade, onde o deslocamento diário é curto e o estacionamento é difícil. “A vantagem é que você tem espaço para carga, mas ainda está minimizando o impacto ambiental”, observa Ouboter. Ele próprio tem um protótipo do Microlino para seus deslocamentos diários. “A maioria dos passageiros da cidade não precisa de mais espaço do que isso. É super ágil e tem grande aceleração.” Ele diz que o estilo de direção também é bastante descontraído, pois você está essencialmente no mesmo nível das bicicletas, patinetes e motocicletas. “O Microlino tem seu caráter condutor.”

Ouboter está ansioso para que eu entenda que esta é uma nova categoria de produto. “Imagine-o como um iPad que não é um iPhone ou um notebook, mas algo intermediário com sua própria característica e compensação. O Microlino é projetado para 95% das viagens de passageiros. Não foi projetado para os outros 5% quando você quer sair da cidade e dirigir para as montanhas. O cliente verá isso como um trajeto urbano diário e, quando quiser algo maior, poderá usar aplicativos de compartilhamento e aluguel de carros.”

Diferentes cores e versões serão anunciadas no verão do Hemisfério Norte. “Temos três grupos de clientes. Alguns gostam dessa abordagem de design simplista, outros gostam do charme retrô com teto branco, enquanto outros preferem o toque modernista.” Você faria um Fendi Microlino, eu pergunto. “É claro. Isso seria incrível”, ri Ouboter.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: