Mundo da moda lamenta morte do lendário André Leon Talley, aos 73 anos

Por cinco décadas, o jornalista foi um ícone pioneiro da indústria e ajudou a consolidar a revista Vogue.

Robert Hart
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

André Leon Talley morreu ontem (18) em Nova York

Acessibilidade


O ícone e pioneiro da moda André Leon Talley morreu ontem (18) aos 73 anos, confirmou um comunicado em sua conta oficial do Instagram, provocando uma enxurrada de homenagens de celebridades e figuras da indústria celebrando a vida e a carreira do jornalista.

Talley morreu em Nova York, afirmaram seus representantes da TAA PR em um comunicado em que aplaudem a figura “indomável” e “maior que a vida” que supervisionou a ascensão da “Vogue” como “a bíblia da moda mundial”.

VEJA TAMBÉM: Conheça as obras mais icônicas do estilista Virgil Abloh

Em uma carreira de cinco décadas, Talley – um raro homem negro liderando um campo elitista dominado por brancos – defendeu a diversidade nas passarelas e nas páginas das revistas, trabalhando e fazendo amizade com nomes como Andy Warhol, Yves Saint Laurent, Karl Lagerfeld e Diane von Furstenberg.

Uma figura imponente de 1,90 m, era presença regular na primeira fila dos prestigiados desfiles de moda e, além de décadas na “Vogue”, também trabalhou no “Women’s Wear Daily” e na “Interview”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais tarde, Talley participou como juiz do reality show “America’s Next Top Model”, foi diretor artístico da varejista Zappos e aconselhou a start-up do rapper will.i.am.

O governo francês concedeu a Talley em 2021 o título de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres (Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras, em português) em reconhecimento por sua contribuição à moda, uma honra que ele descreveu como “o melhor dia da minha vida”.

André Leon Talley nasceu em 1948 e cresceu na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, durante a época de segregação racial devido às leis Jim Crow. Em 1974, mudou-se para Nova York, onde trabalhou na indústria da moda e aconselhou e ajudou a vestir algumas das figuras mais conhecidas do mundo – incluindo Michelle Obama, quando era primeira-dama, e a top model Naomi Campbell. 

Ao longo dos anos, foi autor de vários livros, incluindo seu recente livro de memórias, “The Chiffon Trenches”, que foi um best-seller do New York Times. A famosa e estreita relação de décadas de Talley com a editora-chefe da “Vogue”, Anna Wintour, está documentada em inúmeras fotos da dupla juntos – no entanto, seu relacionamento mais tarde azedou, o que Talley contou em seu livro.

Desde a notícia de sua morte, figuras da indústria da moda e celebridades prestaram homenagem a Talley. O editor-chefe da Vogue britânica, Edward Enninful, o primeiro negro no comando da publicação, disse: “Sem você, não existiria eu. Obrigado por abrir o caminho.” 

A supermodelo Milla Jovovich o descreveu como uma “força da natureza”, a designer belga Diane von Furstenberg disse que “ninguém era mais espirituoso e grandioso” e a figurinista Arianne Phillips o descreveu como um “pioneiro” e “jornalista com uma voz singular”.

Compartilhe esta publicação: