Olimpíadas de Inverno: conheça os 7 uniformes mais estilosos

Equipes contam com assinaturas de marcas famosas, como Ralph Lauren, Uniqlo e SKIMS, de Kim Kardashian.

Stephan Rabimov
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Nos Jogos de Inverno de 2022, equipes possuem uniformes com design de estilistas prestigiados no universo da moda

Acessibilidade


A pandemia global derrubou a tradição bienal dos Jogos de Verão e de Inverno. É por isso que apenas seis meses depois que a chama olímpica deixou Tóquio, ela foi acesa novamente em Pequim. Alguns questionam a relevância do evento em meio à atual crise do coronavírus, crescentes tensões geopolíticas e a ansiedade pelas mudanças climáticas. Outros apontam para as mesmas circunstâncias como a razão pela qual o mundo precisa do efeito unificador olímpico agora mais do que nunca.

Os Jogos de Inverno de 2022 em Pequim já estão nas manchetes históricas. Embora a neve tenha sido objeto de controvérsia olímpica desde que as máquinas de neve foram usadas pela primeira vez em Lake Placid em 1980, esta edição é a primeira a contar exclusivamente com neve artificial.

LEIA TAMBÉM: Estrelas do polo se reúnem em campeonato em lago congelado na Suíça

As temperaturas de inverno típicas de Pequim variam de -10 a 10 graus Celsius, na maioria das vezes pairando acima de zero. Este é um dos inúmeros fatores que os designers de uniformes nacionais tiveram que enfrentar ao criar e fabricar as roupas para os atletas usarem em treinos e competições, durante as viagens de lazer e oficiais, e para as cerimônias de abertura e encerramento.

Inclusive, as cerimônias de abertura olímpica se tornaram as maiores passarelas do mundo e plataformas de fato para exercer a diplomacia da moda. Cobri a sutil arte da moda, da política e das Olimpíadas desde a Rio 2016. No fundo, a diplomacia é genuinamente sobre dar e receber.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apropriadamente, o museu Legion of Honor em San Francisco está programado para abrir sua tão esperada exposição Guo Pei: Couture Fantasy em abril, destacando as coleções mais importantes exibidas nas passarelas de Pequim e Paris. Esta será a primeira retrospectiva do lendário designer chinês nos Estados Unidos. Enquanto isso, aqui está uma equipe de “sete da sorte” de sucessos e fracassos da moda do pódio olímpico em Pequim.

Time EUA

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Uniforme dos EUA tem poliéster reciclado de garrafas plásticas

Não precisa de alerta de spoiler: Ralph Lauren continua sua parceria icônica com a seleção dos EUA. Essa colaboração é particularmente significativa, porque o estilista estreou como fornecedor olímpico há quatorze anos nos Jogos de Verão de 2008 em Pequim. Entre as adições mais emocionantes ao guarda-roupa unissex dos atletas estão os anoraques e jaquetas puffer com estampa xadrez de lã. Este último já se tornou um best-seller e um item colecionável instantâneo ao preço de US$ 2.000 no varejo.

Para aprofundar seu compromisso com a sustentabilidade, a marca utilizou poliéster reciclado de garrafas plásticas e lã certificada pelo RWS (Responsible Wool Standard). A magnata da moda Kim Kardashian está de volta como fornecedora de roupas íntimas e pijamas olímpicos com sua marca SKIMS. O lendário grafiteiro Eric Haze contribuiu para o design de estilo de rua dos uniformes da equipe de esqui. A equipe dos EUA tem uma boa chance de ouro da moda neste inverno!

Time Canadá

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Equipe do Canadá possui roupas com tecidos sintéticos resistentes à água e antimicrobianos

Um fiasco histórico do jeans em Tóquio gerou manchetes como “o Canadá já perdeu as Olimpíadas com esta jaqueta”. Compreensivelmente, o Comitê Olímpico Canadense optou por uma escolha mais segura desta vez. A gigante do atletismo Lululemon, com sede em Vancouver, criou os uniformes monocromáticos em coleções alternadas de vermelho e branco. O design de roupas esportivas de sucesso deve ser parte moda, parte ciência e todo desempenho!

As peças são confeccionadas com tecidos sintéticos resistentes à água e antimicrobianos de última geração e levam a versatilidade funcional a novos patamares com zíperes estratégicos que permitem ajustar o comprimento e até transformar em mochilas. Notavelmente, a equipe deste ano inclui o maior grupo de atletas femininas de todos os tempos. No geral, o Canadá dá passos nas direções certas.

Time Rússia

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A equipe russa possui uniformes da designer Anastasia Zadorina

Ainda sob as sanções antidoping, os atletas russos não podem participar sob sua própria bandeira ou usar símbolos de Estado, incluindo o nome do país. No entanto, a Zasport – fabricante oficial de uniformes olímpicos do país desde 2017 – lançou uma coleção baseada na herança tricolor de Moscou e utilizando contornos geográficos icônicos.

A designer Anastasia Zadorina manteve os looks “bastante lacônicos e alinhados com as tendências globais da moda”. Ela também acrescentou a cor de Qing, uma tonalidade azul associada à saúde e harmonia na cultura cromática chinesa. A Rússia é historicamente uma das maiores equipes dos Jogos Olímpicos de Inverno e, com 450 conjuntos de uniformes encomendados, continua sendo um concorrente sólido.

Time Suécia

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Atletas suecos são embaixadores da UNIQLO+

Masahiko Furuta, designer-chefe da Uniqlo, disse que a coleção olímpica da Suécia foi baseada na “nossa filosofia de design do simples é melhor e menos é mais”. Esse ethos minimalista permitiu que marcas suecas icônicas como IKEA, H&M e Volvo estabelecessem tendências de estilo de vida em todo o mundo.

Todas as roupas são focadas na transpiração e no controle da temperatura corporal, usando um material especial de malha avermelhada dupla com malha grossa tridimensional e outras inovações. Vinte e um atletas da seleção nacional, incluindo treze estrelas do curling, também se tornaram embaixadores da marca para promover a UNIQLO+, uma linha LifeWear atlética para uma vida ativa inspirada nos uniformes olímpicos.

Time Alemanha

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Alemanha fez parceria com a Adidas para seus uniformes

Embora a Adidas faça sentido como fornecedora nacional de uniformes da Alemanha, sua última coleção não causa uma impressão memorável. Reinterpretando as cores da bandeira – preto, vermelho e dourado – o design afirma infundir “otimismo rebelde” na busca pela história do esporte e do bem-estar pessoal. Isso equivale a quase nada mais do que um bloco de cores assimétrico, uma tática de estilo que a Adidas também usou em seus uniformes para o Reino Unido.

Fazer uma a alusão ao tigre negro como uma conexão com o Ano Novo Chinês (do Tigre) parece exagerado, já que raros avistamentos de tigres negros ocorreram predominantemente na Índia. Às vezes, a diplomacia cultural falha por tentar demais. É improvável que a Alemanha marque pontos extras de moda. No entanto, é um dos principais candidatos ao pódio, tendo conquistado um recorde de quatorze medalhas de ouro em Pyeongchang 2018.

Time China

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Time da China possui até roupas íntimas térmicas

O figurinista vencedor do Oscar, Tim Yip, retorna à nação anfitriã olímpica para supervisionar as famosas roupas Champion Dragon da seleção chinesa. Os uniformes deste ano para 12 equipes em 15 eventos são fabricados pela ANTA. Eles vêm em três coleções distintas e com nomes épicos: Lucky Snow and Cloud, Great Landscape e Flying Snow na Dinastia Tang.

O conceito de design é inspirado no caractere chinês Zhong, que pode ser traduzido como “meio” e muitas vezes representa lealdade. As linhas vermelhas nas laterais, juntamente com a gola alta, transmitem uma sensação de mobilidade ascendente. Esta é uma masterclass no emprego da moda para mensagens sociais e culturais complexas. Roupas íntimas térmicas que se autoaquecem e solado antiderrapante de última geração nas botas completam a lista de inovações e curiosidades.

Time Cazaquistão

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Uniforme cazaque é colaboração entre a marca ZIBRoO e o designer russo Dmitry Shishkin

Todos os olhos estão voltados para a equipe Casaquistão. Em primeiro lugar, porque Almaty perdeu a candidatura à sede dos Jogos Olímpicos de 2022 para Pequim por apenas quatro votos. Em segundo lugar, o Comitê Olímpico Internacional aprovou uma rara mudança de nome depois que o país mudou do alfabeto cirílico para o latim, afetando a grafia de seu nome.

Terceiro, seus uniformes vibrantes deixaram uma impressão duradoura durante as cerimônias dos Jogos de Verão. O fabricante cazaque de roupas esportivas ZIBROO colaborou com o designer russo Dmitry Shishkin. Seu ateliê produz roupas corporativas para a Gazprom e a Russian Railways, então ele “entende a tarefa” dessa magnitude.

Foi uma apresentação de estilo que se poderia esperar em Almaty graças ao seu status de capital da moda via Visa Fashion Week. As cores azul e branco da coleção representam gelo e neve, enquanto o preto simboliza sorte. Dada a turbulência geopolítica na região, essa é a diplomacia da moda no seu melhor. Quando o espírito olímpico é cultivado direito, todos ganham!

Stephan Rabimov escreve sobre moda e mercados emergentes, bem como cultura contemporânea, estilo de vida, diplomacia, educação e artes. Também é fundador e editor-chefe da revista DEPESHA e lançou com sucesso as marcas Thom Browne, Rubin Singer e Custo Barcelona na Rússia e a loja pop-up de Nicola Formichetti em Nova York.

Compartilhe esta publicação: