Estudo indica que 15% dos brasileiros têm anticorpos para Covid-19

A pesquisa testou 120 mil pessoas em 133 municípios de todo o país.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Para averiguar a presença de anticorpos contra covid-19 no país, a pesquisa testou 120 mil pessoas em 133 municípios de todo o país

Acessibilidade


Um novo inquérito epidemiológico sobre o avanço da Covid-19 pelo Brasil apontou que no final de abril deste ano, com a curva de contágio em ascensão, na média, 15% dos brasileiros testados tinham anticorpos contra o Sars-CoV-2, anunciaram os pesquisadores hoje (26)

A pesquisa chamada de EpiCovid-19 BR 2 constatou que, no primeiro ano da pandemia, o novo coronavírus se espalhou de forma distinta entre as diversas regiões do país. Segundo o inquérito, os índices de pessoas infectadas pelo vírus –a chamada soropositividade– variaram de 9,89% no Ceará a 31,4% no Amazonas, Estado com a maior soroprevalência do Brasil.

LEIA MAIS: Ministério da Saúde reduz em 12 milhões previsão de vacinas para junho por atraso da Fiocruz

O inquérito, apoiado pela Fapesp, órgão ligado ao governo paulista, e coordenado pelo professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Marcelo Burattini, testou 120 mil pessoas em 133 municípios de todo o país entre os dias 25 de janeiro e 24 de abril de 2021.

O estudo também revelou índices diversos dentro de cada uma das regiões. No Sudeste, por exemplo, 19,57% da população do Rio de Janeiro tinha anticorpos contra o coronavírus, percentual semelhante aos 18,73% registrados no Espírito Santo, mas superior à soropositividade média de São Paulo, de 13%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esses resultados mostram que há muita variação espacial na epidemia. Temos várias epidemias e não apenas uma no Brasil. Essa variação se estende por todo o país e será um dos objetos de estudo mais detalhado deste projeto”, disse Burattini, no comunicado.

Segundo o pesquisador, a grande maioria das pessoas da amostra ainda não havia sido vacinada, uma vez que os testes se concentraram entre janeiro e meados de fevereiro, quando o programa nacional de vacinação estava iniciando.

“Menos de 1% das pessoas testadas afirmou ter recebido vacinas e praticamente nenhuma delas havia recebido as duas doses”, disse Burattini.

O inquérito teve como objetivo estimar o percentual de brasileiros infectados com o coronavírus em vários recortes, como idade, gênero, condição econômica, município e região geográfica, além de verificar o percentual de assintomáticos e a mortalidade, por exemplo.

Tem também o objetivo de oferecer subsídio para políticas públicas e avaliação do alcance e impacto das medidas de isolamento social, sejam de lockdown ou de distanciamento social com medidas de proteção, como o uso de máscaras. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: