Reino Unido aprova pílula da Pfizer contra Covid-19

Medicamento mostrou eficácia de quase 90% na prevenção de hospitalizações e mortes em pacientes de alto risco.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Dado Ruvic
REUTERS/Dado Ruvic

Pílula Paxlovid é mais eficaz quando tomada durante os estágios iniciais da Covid-19

Acessibilidade


O Reino Unido aprovou o segundo antiviral contra Covid-19 a pílula da Pfizer destinada a adultos com infecção leve a moderada e com alto risco de agravamento da doença.

O Reino Unido age em meio à alta recorde de casos de Covid-19, à medida que a variante Ômicron espalha rapidamente.

LEIA TAMBÉM: Lista Under 30 de 2021 é destaque da nova edição da Forbes

Com base nos dados, a pílula Paxlovid é mais eficaz quando tomada durante os estágios iniciais da Covid-19, disse hoje (31) a MHRA (Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido), recomendando seu uso dentro de cinco dias após os primeiros sintomas.

Neste mês, a Pfizer declarou que a Paxlovid mostrou eficácia de quase 90% na prevenção de hospitalizações e mortes em pacientes de alto risco, e dados laboratoriais recentes sugerem que a droga mantém sua eficácia contra a variante Ômicron.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A MHRA disse ainda que trabalha com a Pfizer, junto com a alemã BioNTech de uma das vacinas líderes contra Covid-19, para monitorar a eficácia do Paxlovid contra a Ômicron.

“Agora temos mais um medicamento antiviral para tratamento de Covid-19 que pode ser tomado por via oral em vez de por via intravenosa. Isso significa que pode ser administrado fora de um ambiente hospitalar”, disse o chefe do MHRA, June Raine.

O Paxlovid é composto por duas substâncias ativas que vêm na forma de dois comprimidos separados, tomados juntos duas vezes por dia durante cinco dias. O Reino Unido garantiu mais de 2,75 milhões de unidades do medicamento.

Os comprimidos são parte de uma classe de medicamentos chamados inibidores de protease, usados atualmente para tratar HIV e hepatite C, que atuam impedindo a replicação do vírus.

A pílula anti-Covid-19 da rival Merck foi aprovada pelo Reino Unido no mês passado. Mas, de acordo com os testes clínicos, a droga reduziu apenas cerca de 30% as hospitalizações e mortes de pacientes de alto risco.

Compartilhe esta publicação: