8 dicas para a primeira conta bancária de seu filho

Desde cedo, encoraje bons hábitos financeiros e crie oportunidades para conversar sobre dinheiro com os pequenos.

Compartilhe esta publicação:

Em um mundo digital onde os cheques, extratos e documentos físicos estão se tornando cada vez mais obsoletos, levar seu filho até o banco para criar sua primeira conta bancária parece antiquado; na verdade, trata-se de um ritual de passagem muito importante.

Acessibilidade


Uma conta no banco encoraje bons hábitos financeiros e cria a chance de uma conversa sobre dinheiro com seus filhos. Não subestime o poder disto: nunca é cedo demais para se preparar para o futuro.

O que você precisa saber para introduzir seu filho no mundo capitalista? Veja a seguir 8 dicas para a primeira conta bancária dos caçulas da família:

  • Comece cedo

    Segundo os especialistas, você pode criar uma conta para o seu filho a partir dos três, cinco anos. É nessa idade que as crianças começam a adquirir e ter noções de rotinas e hábitos.

    Entretanto, elas só começam realmente a entender o dinheiro e o Sistema que existe dentro dos bancos depois dos seis anos.

    Apesar de nunca ser tão cedo que você não possa começar a economizar, pense a respeito de quando quer incluir essa novidade na rotina de seu filho.

    Inscreva-se para receber a nossa newsletter
    Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  • Escolha o mesmo banco que o seu

    Esta é uma dica óbvia, mas ainda assim alguns pais, por preferirem outros tipos de contas para os filhos, escolhem outras agências. Quando você e seu filho são clientes do mesmo banco, podem ir juntos e este momento será sempre algum momento particular de vocês.

    Além disso, você provavelmente precisa assinar alguns papeis. É através da conta conjunta que muitos bancos podem oferecer contas às crianças. É o nome do seu filho ali, mas junto ao seu, por motivos legais e de segurança. Verifique se está opção está disponível.

  • Ligue antes

    Antes de ir até o banco, cerifique-se da escolha específica de conta e marque uma hora com seu gerente.

  • Faça com quem se sintam importantes

    Deixe que o gerente converse diretamente com a criança quando sentarem-se para discutir a abertura da conta. A encoraje a fazer perguntas e sentir-se confortável na presença dos funcionários do branco. Deixe bem claro que esta nova conta é sua responsabilidade.

  • Ensine-os sobre gastos, economias e necessidades

    É para isso que você está criando a conta, afinal. Para as crianças menores, explique como contar o dinheiro e a sempre guardar uma parte dele para depois. As maiores já compreendem conceitos mais complicados, como planejamento e a entender se realmente precisam daquilo que querem.

  • Dê o exemplo

    Os pais devem estar sempre atentos às suas atitudes com o dinheiro. Parece óbvio, mas se você aparentar estar empolgado em economizar e cuidar de suas finanças, seus filhos vão seguir seu caminho. O mesmo vale para os medos, como comentar perto deles que você não economizou tudo que queria no mês ou teve que aumentar o limite do cartão.

  • Escolha uma conta corrente

    Se seus filhos forem muito pequenos, a poupança é sua única opção. Mas conforme forem crescendo, uma conta corrente e um cartão de crédito são importantes. Isso renova seus níveis de responsabilidades e você ainda pode ficar de olho enquanto eles transitam por essas novas etapas.

  • Fique atento para qualquer erro

    A primeira conta bancária de seu filho é como uma bicicleta com rodinhas: você irá os auxilia-los até que estejam prontos para fazerem sozinhos. Mesmo depois de crescidos, mantenha a mesma conta – uma história longa com o banco é boa para o histórico de crédito.

Comece cedo

Segundo os especialistas, você pode criar uma conta para o seu filho a partir dos três, cinco anos. É nessa idade que as crianças começam a adquirir e ter noções de rotinas e hábitos.

Entretanto, elas só começam realmente a entender o dinheiro e o Sistema que existe dentro dos bancos depois dos seis anos.

Apesar de nunca ser tão cedo que você não possa começar a economizar, pense a respeito de quando quer incluir essa novidade na rotina de seu filho.

Compartilhe esta publicação: