Vodafone e IBM se juntam em computação em nuvem

Getty Images
Objetivo é apoiar a próxima onda de avanços digitais em redes sem fio 5G

A Vodafone está se unindo à IBM para oferecer às empresas um modo de vincular sistemas de computação em nuvem para apoiar a próxima onda de avanços digitais, como machine learning, em redes de telecomunicações sem fio baseadas em tecnologia 5G.

LEIA MAIS: Após chip de nuvem, Amazon tem chip de learning machine

Como parte do acordo, a operadora britânica pagará US$ 550 milhões à IBM sob um acordo de serviços de oito anos que oferecerá ferramentas, como inteligência artificial e automação para negócios conectados à rede.

As duas companhias estão lançando a iniciativa como uma combinação de computação em nuvem e conectividade que permitirá, por exemplo, comunicação veloz entre robôs em uma fábrica sem a necessidade de cabos conectados a uma central de processamento de dados.

E, com cerca de 70% das organizações usando até 15 diferentes sistemas de computação em nuvem, a capacidade de vinculá-los deve facilitar para as empresas se adaptarem e inovarem sem ter que redesenharem suas redes.

“Os negócios estão começando a adotar o digital. Conforme o fazem, deparam-se com muita complexidade”, afirmou Greg Hyttenrauch da Vodafone, um dos colíderes do projeto.

A Vodafone construiu uma forte posição em serviços móveis para empresas, colocando-se como uma das principais provedoras no Reino Unido, na Alemanha, na Itália e na Espanha, e está acirrando a disputa contra BT, Deutsche Telekom, Telecom Italia e Telefônica no mercado de linhas fixas.

VEJA TAMBÉM: Volkswagen firma parceria com Microsoft em nuvem

A operadora britânica planeja crescer em receita de serviços para empresas, que atualmente contabiliza 30% do total, ao combinar serviços móveis e linha fixa com nova tecnologia em áreas como inteligência artificial e Internet das Coisas.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).