Taxa de ocupação da Gol e da Azul cresce em fevereiro

iStock
No caso da Azul, a demanda por passagens cresceu mais que a oferta

As companhias aérea Gol e Azul anunciaram aumento na taxa média de ocupação em voos em fevereiro. A taxa de ocupação da Gol cresceu em 2,9 pontos percentuais ante igual mês do ano passado. Segundo a companhia, a demanda por passagens no mês passado foi 8,4% maior do que um ano antes, enquanto a oferta de assentos subiu 4,5%. Com isso, a taxa de ocupação atingiu 81,1% ante 78,2% em fevereiro de 2018. No caso da Azul, que diz ter registrado aumento maior na demanda do que na oferta, a procura por passagens no mês passado foi 18,4% maior do que um ano antes, enquanto a oferta de assentos subiu 16,9%. Com isso, a taxa de ocupação subiu 1 ponto percentual, para 81,1%.

LEIA MAIS: Demanda por voos domésticos cresce 3,31%

Nos voos domésticos, a demanda da Gol cresceu 6,9%, enquanto a oferta subiu 1,3%, fazendo o nível de ocupação dos voos da Gol subir 4,3 pontos, para 82,4%. Já nas operações internacionais, o tráfego de passageiros cresceu 17,8% ano a ano, menos do que a oferta, que subiu 23,8%. Isso fez a taxa de ocupação diminuir 3,8 pontos percentuais, para 74,4%. Mais cedo, a rival Azul informou que a taxa ocupação de seus voos também cresceu em fevereiro, uma vez que a demanda por passagens cresceu mais do que a oferta.

Nos voos domésticos, a demanda cresceu 24,4%, enquanto a oferta subiu 20,1%, fazendo o nível de ocupação dos voos da Azul subir 2,9 pontos, para 82,1%. Já nas operações internacionais, o tráfego de passageiros cresceu 1,3% ano a ano, menos do que a oferta, que subiu 7,4%. Isso fez a taxa de ocupação diminuir 4,7 pontos percentuais.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).