Ibovespa encerra quase estável

Reuters
O Ibovespa subiu 0,17%, a 96.353,33 pontos

O Ibovespa fechou em leve alta hoje (30), com o noticiário externo respaldando um tom mais comedido nos negócios antes do feriado, em meio a uma pauta corporativa doméstica vigorosa e expectativas sobre os próximos estágios da tramitação da reforma da Previdência.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha praticamente estável

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,17%, a 96.353,33 pontos. O giro financeiro somou R$ 13,2 bilhões, contra média diária de R$ 14,8 bilhões em abril. No mês, o Ibovespa acumulou acréscimo de 0,98%.

“As notícias internacionais influenciaram o movimento das ações, com investidores aguardando a decisão e comunicado do Fed amanhã, conflitos na Venezuela e sem novidades ou soluções para novos acordos entre EUA e China”, destacou o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos.

O Federal Reserve anuncia na quarta-feira (1º), quando a bolsa brasileira não funciona por feriado nacional, sua decisão sobre os juros, que devem permanecer entre 2,25% e 2,5%. As atenções estão voltadas para o comunicado da reunião, bem como a coletiva do chairman Jerome Powell.

Na Venezuela, a crise ganhou novo capítulo após o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, convocar militares e civis a buscar o “fim definitivo” do governo de Nicolás Maduro, o que provocou confrontos e episódios de violência na capital Caracas diante da ação de tropas leais ao presidente venezuelano.

Chinchila disse ainda que o mercado brasileiro segue atento aos movimentos sobre a tramitação da reforma da Previdência. Qualquer definição, contudo, é esperada apenas para a próxima semana, quando a matéria deve começar a ser analisada em comissão especial da Câmara do Deputados.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).