Suspeito de incêndio em estúdio japonês fala em plágio

Kim Kyung-Hoon/Reuters
O incêndio matou 33 pessoas e deixou mais de 10 em estado grave

Um homem suspeito de atear fogo em um estúdio de animação no Japão, matando 33 pessoas, cometeu o ataque por acreditar que uma história de sua autoria tenha sido plagiada, informou a mídia local hoje (19). O homem levou um carrinho carregando ao menos um balde de gasolina até a entrada do prédio do estúdio Kyoto Animation, na cidade de Kyoto, antes de derramar o líquido pela área, gritando “morram” enquanto as chamas queimavam o local na quinta-feira, informou a emissora Nippon TV, citando a polícia. A polícia identificou o suspeito como Shinji Aoba, que foi levado sob custódia logo após o ataque, de acordo com a NHK, mas não foi preso.

LEIA MAIS: Incêndio em estúdio do Japão deixa até 30 mortos

“Eu fiz isso”, confessou o homem de 41 anos à polícia quando detido, segundo a agência de notícias Kyodo, acrescentando que a motivação teria sido por ele acreditar que o estúdio havia roubado uma de suas histórias.

A polícia se negou a comentar. A Nippon TV informou que o suspeito estava sob efeito de anestesia devido a queimaduras, o que impedia que a polícia o interrogasse.

Ele “parecia estar desconectado, ele parecia irritado, gritando algo sobre como ele havia sido plagiado”, disse a repórteres uma mulher que viu o homem ser detido.

O incêndio matou 33 pessoas e deixou mais de 10 em estado grave, disseram autoridades. O caso se constituiu como o pior ataque em massa no Japão desde um outro incêndio criminoso em Tóquio que matou 44 pessoas em 2001.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).