G7 libera ajuda emergencial para incêndios na Amazônia

Philippe Wojazer/Reuters
Líderes do G7 oferecem US$ 20 milhões, Bolsonaro fala em colonialismo

Líderes dos países do G7 ofereceram US$ 20 milhões de assistência emergencial para ajudar no combate aos incêndios na Floresta Amazônica, em um gesto que o Brasil classificou como colonialista. Apesar dos incêndios recordes na Amazônia e de o presidente Jair Bolsonaro ter dito anteriormente que seu governo não tem dinheiro suficiente para combater as chamas, não ficou claro se o Brasil aceitará a oferta do G7, realizada em meio a crescentes preocupações internacionais. A relação pessoal entre Bolsonaro e o presidente francês, Emmanuel Macron, já abalada pela crise ambiental, se deteriorou ainda mais após o líder brasileiro fazer chacota da esposa de Macron em um comentário em rede social. Enfrentando um crescente isolamento internacional por suas posições sobre a crise ambiental, Bolsonaro também se viu sob pressão interna, com a pesquisa CNT/MDA mostrando ontem (25) que o índice de aprovação de seu governo caiu para 29,4% em agosto.

LEIA MAIS: Por acordo, UE pode defender Amazônia, diz ministro alemão

“Ofereceremos imediatamente aos países amazônicos que nos sinalizam suas necessidades um apoio financeiro”, disse Macron em Biarritz, no litoral francês, onde ocorreu a cúpula do G7.

Minutos após o anúncio do G7, entretanto, Bolsonaro disse que o Brasil está sendo tratado “como se fôssemos uma colônia ou uma terra de ninguém”, classificando a criação de uma aliança internacional para salvar a Amazônia como um ataque à soberania de seu país. Por outro lado, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que a ajuda é “bem-vinda”. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, adotou tom semelhante, ponderando que o Brasil deve decidir em quais iniciativas aplicar os recursos.

Chamando os incêndios na Amazônia de emergência global, Macron colocou o desastre no topo da agenda do G7 e afirmou que os Estados-membros devem providenciar ajudas concretas. “A França o fará com apoio militar nas próximas horas”, afirmou, sem dar maiores detalhes.

O Canadá declarou que enviará aviões ao Brasil para ajudar a conter as chamas, além de contribuir com 15 milhões de dólares canadenses (11,3 milhões de dólares) em auxílio. “Uma das coisas que vimos nos últimos anos, com o Canadá enfrentando eventos de incêndios florestais cada vez mais extremos, é que existe uma rede global de apoio e amigos que dependem um do outro”, disse o primeiro-ministro do país, Justin Trudeau, ao final da cúpula.

O presidente chileno, Sebastián Piñera, que foi convidado para se unir aos líderes das sete nações industrializadas em Biarritz, disse que o plano do G7 será implantado em duas fases. “Os países precisam urgentemente de bombeiros e aviões especializados no combate a incêndios. Este será o primeiro passo, que será implementado imediatamente”, disse Piñera. “A segunda fase é proteger estas florestas, proteger a biodiversidade que contêm e reflorestar esta região do mundo”, acrescentou.

Macron acrescentou que o G7 — composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido– elaborará uma iniciativa para a Amazônia que será lançada na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova York, no mês que vem.

O presidente dos EUA, Donald Trump, se ausentou das conversas sobre mudança climática e biodiversidade em uma sessão do G7 nesta segunda-feira, e Macron disse que ele estava ocupado com reuniões bilaterais. “Ele não estava na sala, mas sua equipe estava”, disse o francês. “Você não precisa interpretar nada da ausência do presidente norte-americano… Os EUA estão conosco na biodiversidade e na iniciativa para com a Amazônia.”

No entanto, na conferência de imprensa no encerramento da cúpula, Trump deixou claro que não está disposto a abraçar a causa ambientalista. “Nós somos agora o produtor de energia número 1 do mundo”, afirmou Trump, respondendo a uma questão sobre mudanças climáticas. “Não vou perder essa riqueza, não vou perder isso com sonhos, com moinhos, que francamente não estão trabalhando muito bem”, acrescentou.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).