Oferta da Boeing para unidade da Embraer enfrenta investigação da UE

Paulo Whitaker/Reuters
O acordo entre a Boeing e a Embraer avalia a unidade da empresa brasileira em US$ 4,75 bilhões

A Boeing deve enfrentar uma investigação antitruste da União Europeia de até cinco meses sobre sua oferta pelo controle da divisão comercial da Embraer, disseram fontes familiarizadas com o assunto hoje (23).

LEIA MAIS: Impacto do 737 MAX não diminuirá apetite por negócios de serviços, diz CEO da Boeing

O acordo, marcando a maior mudança no setor aeroespacial comercial em décadas, reformularia o duopólio global dos jatos de passageiros e reforçaria as companhias ocidentais contra os grupos recém-chegados da China, Rússia e Japão.

Isso daria à Boeing uma posição no mercado de aviões com preços menores, permitindo competir melhor com os jatos CSeries projetados pela Bombardier do Canadá e apoiados pela rival europeia Airbus SE.

O acordo avalia a unidade da Embraer em US$ 4,75 bilhões.

A Comissão Europeia, que estabeleceu o prazo de 4 de outubro para sua análise preliminar do acordo, não respondeu a um pedido de comentário imediato.

O agente da concorrência da UE iniciará uma investigação em grande escala após o final de sua revisão, o que pode levar até cinco meses e aumenta a pressão sobre a Boeing para oferecer concessões para tratar de questões de concorrência.

A comissão recentemente questionou fornecedores e rivais sobre o negócio, indicando preocupações com a concentração no mercado.

VEJA TAMBÉM: Boeing deve perder título de maior fabricante de aviões

Eles foram questionados sobre o impacto do número reduzido de empresas, de sete para seis e de três para dois em vários segmentos, disse uma fonte com conhecimento direto do acordo.

Nenhum comentário imediato foi disponibilizado pela Boeing ou pela Embraer.

Analistas de aviação dizem que há sobreposição limitada no número de assentos entre a família 737 da Boeing e os jatos E2 da Embraer, que são menores.

Há um pouco mais de sobreposição entre o portfólio da Airbus e o programa CSeries da Bombardier, que a fabricante de aviões europeia comprou no ano passado, acrescentam.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).