Arábia Saudita restaura toda produção após ataques

Evgenia Novozhenina/Reuters
Príncipe Abdulaziz Bin Salman, ministro da Energia da Arábia Saudita, em conferência do setor em Moscou

A Arábia Saudita restaurou totalmente a produção de petróleo após ataques às suas instalações no mês passado e agora está focada na listagem da gigante estatal de petróleo Saudi Aramco, disse hoje (3) seu ministro da Energia, príncipe Abdulaziz bin Salman.

LEIA MAIS: Arábia Saudita vai retomar produção de petróleo até o fim do mês, diz ministro

A capacidade de produção de petróleo do reino é agora de 11,3 milhões de barris por dia, disse ele, acrescentando que os ataques, que reduziram pela metade a produção de petróleo do maior exportador mundial, foram uma tentativa de arruinar a reputação da Arábia Saudita como “uma fornecedora de petróleo confiável e seguro”.

“Todos nós enfrentamos o desafio”, disse ele, em uma conferência sobre energia em Moscou.

Os ataques de 14 de setembro atingiram as instalações de Abqaiq e Khurais, causando um aumento nos preços do petróleo, incêndios e danos, paralisando 5,7 milhões de bpd de produção, ou mais de 5% do suprimento global de petróleo.

A Arábia Saudita conseguiu manter os suprimentos aos clientes em níveis anteriores aos ataques, retirando de seus enormes estoques de petróleo e oferecendo outros tipos de petróleo de outros campos, disseram autoridades sauditas.

“Nós estabilizamos a capacidade de produção, estamos em 11,3 (milhões de bpd)… Ainda temos o kit e as ferramentas para superar quaisquer desafios futuros”, disse o príncipe Abdulaziz.

Um dos desafios para o reino agora é a listagem de Aramco, peça central dos planos da Arábia Saudita de reformar sua economia e diversificar além do petróleo, acrescentou.

VEJA TAMBÉM: Ataques a unidades sauditas de petróleo elevarão preços dos combustíveis

“Queremos garantir que seja o IPO de maior sucesso”, disse ele, acrescentando que o reino está trabalhando na diversificação de seus recursos energéticos e na adição de fontes renováveis ​​e de energia nuclear.

“No que me diz respeito… seguimos em frente, viramos a página e estamos enfrentando o novo desafio”, afirmou.

Banqueiros de cerca de 20 instituições financeiras nacionais e internacionais estão agora trabalhando em um plano para vender cerca de 1-2% da Aramco até 2020-2021 em Riad, antes de uma listagem internacional, disseram fontes à Reuters.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).