Crescimento de assinantes da Netflix supera estimativas

Lucro líquido da Netflix aumentou para US$ 665 milhões no terceiro trimestre

O número de novos assinantes da Netflix ficou um pouco acima das estimativas de Wall Street no terceiro trimestre, um alívio para os investidores que estavam preocupados que a empresa pudesse ficar aquém do esperado, conforme a Disney e a Apple se preparam para intensificar a guerra dos serviços de streaming.

LEIA MAIS: Guerra do streaming: HBO tira ‘Friends’ da Netflix

Os resultados de julho a setembro representaram uma recuperação em relação ao trimestre anterior, quando a Netflix perdeu clientes de streaming nos Estados Unidos pela primeira vez em oito anos e não atingiu metas de assinantes estrangeiros.

Esse desempenho, combinado com preocupações sobre novos concorrentes, pesou sobre as ações da Netflix, que tinham caído 21% em relação ao último balanço da empresa.

No terceiro trimestre, a Netflix foi impulsionada por novas temporadas de séries como “Stranger Things” e “13 Reasons Why”. A empresa adicionou 6,77 milhões de assinantes em todo o mundo à sua base, superando a expectativa média de analistas de quase 6,7 milhões, de acordo com dados do IBES da Refinitiv.

A Netflix disse que estava no caminho certo para atingir margem operacional de 13% no ano e estava visando outra expansão de 300 pontos base em 2020.

O número total de assinantes atingiu 158 milhões. Ainda assim, a empresa enfrenta desafios.

“Os resultados da Netflix foram bons o suficiente para amenizar as preocupações com a sensibilidade de preços e os níveis de penetração nos mercados domésticos”, disse um diretor da Fitch, Patrice Cucinello. “Uma ressalva é que a concorrência ainda não a atingiu.”

VEJA TAMBÉM: Ações da Disney batem recorde após divulgação de streaming

A empresa projetou que captaria 7,6 milhões de clientes nos últimos três meses de 2019. Os analistas esperavam 9,4 milhões. A empresa vai lançar uma nova temporada de “The Crown” e o filme de Martin Scorsese “The Irishman” durante esse período.

Mas a Netflix vai enfrentar nova concorrência a partir de novembro diante do Disney+, um serviço de streaming da Walt Disney Co, que será recheado com filmes e séries da Marvel, de “Star Wars”, animações e outros.

A Apple também vai estrear um serviço de streaming de vídeo muito menor e programação original em novembro. O HBO Max, da AT&T, e um novo serviço da Comcast deverão entrar no mercado no próximo ano.

A Netflix argumentou que os novos serviços aumentariam o interesse no mercado de streaming de vídeo em geral. “Em nossa opinião, o resultado provável do lançamento desses serviços será acelerar a mudança da TV tradicional para o consumo de entretenimento sob demanda”, escreveu a empresa em uma carta aos investidores.

VEJA AINDA: Netflix descarta aderir ao serviço de TV da Apple

A companhia reconheceu, no entanto, que ainda estava sendo atingida pelos aumentos de preços no início deste ano nos EUA. “A retenção ainda não retornou totalmente aos níveis de antes da mudança de preços, o que levou a um crescimento mais lento do número de assinantes no país”, afirmou.

O plano da Netflix mais popular nos Estados Unidos custa US$ 13, quase o dobro dos US$ 7 por mês do Disney+. O Apple TV+ será lançado a US$ 5 por mês.

No terceiro trimestre, o lucro líquido da Netflix aumentou para US$ 665 milhões, ou US$ 1,47 por ação, ante US$ 403 milhões, ou US$ 0,89 por ação, um ano antes. Isso superou a meta de Wall Street de US$ 1,04.

A receita total subiu para US$ 5,25 bilhões, de cerca de US$ 4 bilhões. Analistas, em média, esperavam US$ 5,52 bilhões.

A dívida que a Netflix acumulou gerou preocupação entre alguns investidores. A empresa disse em seu balanço que esperava que o fluxo de caixa livre melhorasse em 2020 e anualmente além disso. Enquanto isso, a empresa continuará a explorar o mercado de alto rentabilidade conforme necessário, disse.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).