Suprema Corte dos EUA rejeita apelo da Amazon sobre ação de funcionários de depósitos

Reuters
Os trabalhadores disseram que a triagem para impedir que funcionários roubem mercadorias leva cerca de 25 minutos

A Suprema Corte dos EUA rejeitou hoje (7) ouvir a oferta da Amazon para evitar uma ação judicial que visa a garantir que trabalhadores em depósitos da gigante de comércio eletrônico sejam pagos pelo tempo em que são submetidos a extensas avaliações de segurança após seus turnos.

LEIA MAIS: Amazon trabalha em legislação para reconhecimento facial

Os juízes rejeitaram um apelo da Amazon e de um terceiro em uma decisão de primeira instância que reacende reivindicações de trabalhadores de acordo com a lei do estado de Nevada. A decisão vem cinco anos após o Supremo Tribunal emitir decisão no caso que barrou reivindicações similares de acordo com a lei federal.

Um grupo de trabalhadores do depósito da Amazon que embalam e enviam mercadorias entraram com uma ação coletiva em 2010 contra a Integrity Staffing Solutions, que fornece alguns funcionários para a Amazon.

Eles buscaram indenização por submeterem-se ao que chamavam de triagens obrigatórias do tipo “segurança de aeroporto pós 11 de setembro”, destinadas a impedir que funcionários roubem mercadorias. Os trabalhadores disseram que a triagem leva cerca de 25 minutos para ser concluída.

A Amazon chamou a descrição do protocolo dos requerentes de “grosseiramente imprecisa” em documentos judiciais.

Na decisão de 2014 no caso, a Suprema Corte decidiu que, de acordo com uma lei de 1947 que alterava a Lei Federal de Padrões de Trabalho Justo, as empresas não precisam pagar aos funcionários pelo tempo que passam em verificações de segurança.

Os trabalhadores então pressionaram com suas alegações usando a lei estadual e adicionaram a Amazon como ré. O caso foi consolidado com ações similares no tribunal federal de Kentucky.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).