Crédito para veículos é o que mais sobe em 2019 entre empresas, impulsionado por aplicativos

Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Pátio da Volkswagen em São Bernardo do Campo

O crédito para compra de veículos foi o que mais cresceu neste ano entre todas as modalidades para pessoas jurídicas, mostraram dados divulgados hoje (27) pelo Banco Central, em um movimento fundamentalmente impactado pela popularização de aplicativos para corridas.

De janeiro a novembro, esse estoque teve alta de 71,1%. Em 12 meses, o crescimento foi de 80%, a R$ 47,853 bilhões.

LEIA MAIS: Como a Uber drenou lucro de montadoras de veículos no Brasil

Em coletiva de imprensa, o chefe adjunto do Departamento de Estatísticas do BC, Renato Baldini, destacou que os números desnudam uma nova realidade em relação ao que acontecia em anos anteriores.

“Financiamentos para aquisições de veículos eram principalmente para pessoas físicas, a participação de pessoas jurídicas era baixa, isso tem sido bastante alterado”, disse.

Segundo Baldini, as vendas diretas para frotas de locadoras têm aumentado, o que está associado à locação de veículos para motoristas de aplicativos.

“Muita gente tem trabalhado nesse segmento sem comprar o carro, eles o alugam por períodos longos, inclusive. Tem se formado um modelo de negócios que parece resultar nesse dado que a gente tem observado”, afirmou.

Dentre as empresas de aplicativos que operam no Brasil estão companhias como Uber, 99 e Cabify.

Corroborando o quadro favorável para aquisição de veículos pelas empresas, as taxas de juros no segmento também estão em seu menor patamar histórico, de 12% ao ano, em meio à redução dos juros básicos conduzida pelo BC. Atualmente, a Selic está no valor mínimo histórico de 4,5%.

Questionado sobre as perspectivas para 2020, Baldini avaliou que o crédito a veículos para empresas ainda não dá sinais de estabilização.

“Até onde prossegue a gente não sabe, mas aparentemente continua acontecendo”, pontuou.

VEÍCULOS PARA FAMÍLIAS

A compra de veículos por pessoas físicas também tem crescido de maneira significativa, embora em menor ritmo, sobre uma base de financiamentos mais ampla.

Nos 11 primeiros meses de 2019, esse estoque subiu 15,8% e, no acumulado em 12 meses, a alta foi de 17,7%, a R$ 197,210 bilhões.

Nesse caso, a taxa média de juros também chegou ao menor patamar da série em novembro, de 19,4% ao ano, apontou o BC.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).