Ibovespa encerra semana com nova máxima após acordo China-EUA

Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

O Ibovespa subiu 0,33%, a 112.564,86 pontos

O Ibovespa fechou em nova máxima hoje (13), após China e Estados Unidos anunciarem um acordo comercial “fase 1”, mas a alta foi atenuada por realização de lucros e queda de Petrobras após o BNDES avisar que pretende vender sua fatia na empresa.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,33%, a 112.564,86 pontos, nova máxima de fechamento. Durante a sessão, o índice chegou a 112.829,31 pontos, recorde intradia. O giro financeiro total atingiu R$ 25,8 bilhões.

LEIA MAIS: Dólar fecha em alta ante real com ajuste após anúncio de acordo comercial

Na semana, o Ibovespa acumulou valorização de 1,3%, ampliando a alta no mês para 4% e o ganho em 2019 para 28,1%.

China e EUA anunciaram acordo que prevê redução de algumas das tarifas norte-americanas sobre bens chineses – incluindo suspensão de taxas previstas para vigorar a partir de domingo (15), em troca de aumento em compras de produtos agrícolas dos EUA e outros itens pela China.

“Um acordo entre as duas maiores potências comerciais do mundo não é algo trivial… É algo que leva tempo para ser construído e, de certa forma, caminha em uma velocidade boa”, afirmou o chefe de renda variável da Vero Investimentos, Fábio Galdino, que considerou o anúncio positivo.

“Não é algo que vai mudar o ano que vem ou nos próximos cinco anos…mesmo se tratando de uma fase 1, é positivo porque as barreiras iniciais foram superadas”, acrescentou.

O Ibovespa chegou a registrar queda, com comentários de Trump ditando volatilidade, mas retomou a trajetória positiva após a China anunciar detalhes do acordo, seguida pelos EUA.

Patrik Lang, chefe da área de pesquisa em renda variável do Julius Baer, destacou em nota a clientes que um acordo para evitar as tarifas de 15 de dezembro e reverter algumas das tarifas anteriores era algo que mercados esperavam, mas que a confirmação agrada diante de aumento de incertezas recentemente.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai e fecha abaixo de R$ 4,10 com otimismo comercial no exterior

“A semana terminou com um ambiente mais otimista em função do fechamento do acordo”, reforçaram os analistas Henrique Tomaz e Richardi Ferreira, da BB Investimentos, em nota a clientes.

Da cena local, ajudou o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), que subiu 0,17% em outubro na comparação com o mês anterior, em dados ajustados sazonalmente informados pelo BC, acima do esperado.

A equipe da Guide Investimentos destacou que a leitura de outubro do IBC-Br apontou melhora no ritmo de recuperação da economia.

A sessão ainda foi marcado pelos ajustes de posições antes do vencimento de opções sobre ações, na segunda-feira (16), que costuma ter entre as séries mais líquidas papéis com relevante peso no Ibovespa, entre eles Petrobras, Vale, Itaú e Bradesco.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).