Dólar tem maior alta em duas semanas com aversão a risco externa por tensão EUA-Irã

iStock
Moeda vem de uma série de quedas no fim do ano passado, que derrubaram a cotação ao menor patamar desde o início de novembro

O dólar fechou hoje (3) com a maior alta percentual diária em duas semanas, ficando acima de R$ 4,05, conforme as operações locais replicaram o movimento de valorização da moeda no exterior diante de maior aversão a risco depois do aumento das tensões no Oriente Médio.

O Irã prometeu vingança severa depois que um ataque aéreo dos Estados Unidos em Bagdá na sexta-feira matou Qassem Soleimani, comandante da força de elite iraniana Quds e arquiteto da crescente influência militar do país no Oriente Médio. Os preços do petróleo dispararam.

VEJA TAMBÉM: Dólar dispara ante real após ataque dos EUA matar oficial iraniano

A escalada das tensões aumentou a demanda por ativos de segurança em todo o mundo, o que se refletia na valorização de moedas como dólar e iene e dos preços da dívida soberana dos Estados Unidos.

Na máxima do dia, alcançada logo no começo do pregão, o dólar bateu R$ 4,0725 na venda. Mas a moeda terminou a alguma distância desse nível, o que sinaliza alguma dúvida dos investidores sobre elevar posições a favor da divisa dos EUA neste momento.

Além disso, o dólar vem de uma série de quedas no fim do ano passado, que derrubaram a cotação ao menor patamar desde o início de novembro. Ou seja, o mercado aproveitou o maior ruído externo para “realizar” parte da desvalorização de dezembro, quando o dólar acumulou queda de 5,37% – maior baixa para qualquer mês desde janeiro deste ano.

“Embora esperemos que a volatilidade do real continue nos próximos meses, acreditamos que o progresso da agenda de reformas estruturais… poderá compensar as pressões de baixa decorrentes do menor diferencial de taxa de juros, da reformulação da dívida corporativa e da deterioração gradual do saldo de conta corrente”, disse o Santander Brasil em relatório recente.

O banco projeta que o dólar “convergirá” para R$ 4,00 até o fim do ano de 2020.

E AINDA: Petróleo sobe mais de 4% após ataque dos EUA matar chefe de força de elite do Irã

No mercado interbancário, em que os negócios vão até as 17h, o dólar subiu 0,74%, a R$ 4,0555 na venda. É a maior alta percentual diária desde 20 de dezembro (+0,79%). O dólar fechou no maior patamar desde 26 de dezembro (R$ 4,062 na venda).

Na semana, a cotação avançou 0,14%, depois de quatro semanas consecutivas de queda, nas quais acumulou desvalorização de 4,50%.

No exterior, o dólar subia firme contra moedas emergentes, enquanto o iene japonês – demandado em tempos de maior incerteza geopolítica e econômica – liderava os ganhos nos mercados globais de câmbio ao subir 0,5% ante o dólar.

Na B3, em que as operações com dólar futuro vão até as 18h15, o dólar tinha alta de 0,77%, a R$ 4,0620.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).