Foragido, Ghosn diz ter sido tratado “brutalmente” pelo Japão

Mohamed Azakir/Reuters
Ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn dá entrevista coletiva em Beirute

Carlos Ghosn, que falou em público pela primeira vez desde sua fuga dramática da Justiça do Japão, disse a repórteres em Beirute que foi tratado “brutalmente” por procuradores de Tóquio, que acusou de ajudarem a Nissan a expulsá-lo da presidência.

Adotando um tom desafiador, o ex-chefe da Nissan disse hoje (8) em uma coletiva de imprensa lotada que não acredita que teria um julgamento justo se permanecesse no Japão.

LEIA MAIS: Nissan diz que continuará com ações legais contra Ghosn

O antigo titã da indústria automotiva fugiu no mês passado do Japão, onde aguardava para ser julgado por acusações de declaração de salários menores, violação de confiança e sonegação de fundos da empresa, todas as quais ele nega. Ghosn disse ter fugido para o Líbano para limpar o nome.

“Você morrerá no Japão ou terá que sair”, disse Ghosn ao descrever seus “sentimentos”. “Eu me sentia como um refém de um país que servi durante 17 anos”, disse ele aos repórteres que lotaram o sindicato de imprensa à beira-mar de Beirute.

Outros esperaram do lado de fora sob uma chuva intensa, inclusive membros da mídia japonesa que foram excluídos do briefing.

“As acusações contra mim são infundadas”, acrescentou Ghosn, repetindo sua alegação de que a Nissan e autoridades japonesas se mancomunaram para derrubá-lo após um revés na Nissan e como vingança pela interferência do governo da França na aliança da montadora com a Renault.

“Por que eles prorrogaram o cronograma da investigação, por que me prenderam? Por que estavam tão determinados a me impedir de falar e estabelecer os fatos?”, questionou Ghosn ao mencionar as autoridades japonesas.

“Por que passaram 14 meses tentando esgotar as minhas forças, proibindo-me de ter qualquer contato com a minha esposa?”

VEJA TAMBÉM: Líbano recebe pedido de prisão da Interpol contra Ghosn

Ontem (7), procuradores de Tóquio emitiram um mandado de prisão para a esposa de Carlos Ghosn, Carole, por suposto perjúrio.

O Ministério da Justiça japonês disse que tentará encontrar uma maneira de levar Ghosn de volta, embora o Líbano não tenha acordo de extradição com o Japão.

Autoridades turcas e japonesas estão investigando como Ghosn foi levado clandestinamente a Beirute. A Interpol emitiu um “boletim vermelho” pedindo sua prisão.

A coletiva de imprensa de Ghosn foi a reviravolta mais recente de uma saga de 14 meses que abalou a indústria automotiva global, ameaçou a aliança Renault-Nissan arquitetada pelo próprio Ghosn e aumentou a vigilância sobre o sistema judicial do Japão.

A Nissan disse que uma investigação interna revelou que Ghosn usou dinheiro da empresa para fins pessoais e subavaliou sua renda, uma violação da lei japonesa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).