Goldman Sachs revela metas de longo prazo para avançar em novos negócios

reutersconnect/Lucas Jackson
reutersconnect/Lucas Jackson

O vice-presidente de operações da Goldman Sachs caracterizou as novas metas como “pacientes, metódicas e de longo prazo”

O Goldman Sachs divulgou hoje (29) agressivas metas de crescimento de muitos de seus negócios, em uma estratégia para avançar em áreas dominadas por rivais como JPMorgan e Bank of America

Ao definir metas mais amplas e sendo mais transparente, o Goldman faz um esforço para amenizar críticas de investidores que há tempos reclamam de falta de informação fornecidas pelo grupo.

LEIA MAIS: Berkshire Hathaway desiste de jornais e vende negócios por US$ 140 mi

Em sua primeira apresentação para investidores, a companhia afirmou que planeja que os depósitos de seu banco de varejo atinjam US$ 125 bilhões ou mais nos próximos cinco anos. O Goldman também afirmou que planeja ampliar os financiamentos a consumo e cartões para mais de US$ 20 bilhões no período.

“Pacientes, metódicas e de longo prazo” é como o vice-presidente de operações, John Waldron, descreveu as metas do banco. “Estamos plantando as sementes que levarão tempo para crescer”, disse presidente-executivo do Goldman, David Solomon, na apresentação a investidores.

O banco está mirando um índice de eficiência de 60% nos próximos três anos e projetou um retorno sobre patrimônio (ROE) de mais de 14%. Quanto menor o índice de eficiência, melhor é um banco na gestão de seus custos em relação à receita.

“Acreditamos que a paciência do investidor será tão importante quanto o cumprimento desta metas no período de três anos”, disse Glenn Schorr, analista da Glencore ISI.

As últimas projeções do banco são observadas de perto por analistas e investidores que aguardam saber mais sobre a divisão de banco de varejo do Goldman, que consiste do banco online Marcus e o cartão de crédito em parceria com a Apple.

LEIA TAMBÉM: Nasdaq tem lucro acima do esperado no 4º tri

O Marcus é o pilar central da estratégia de Solomon para o Goldman Sachs, que tem 151 anos de história. Analistas estimam que vai levar pelo menos uma década para o banco de varejo ser significativo em relação a outros negócios.

Atualmente, o banco de varejo gera apenas 2,4% da receita do Goldman, ante 40% da área de emissões de títulos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).