Ibovespa amplia queda em 2020 para 45% com perspectivas de recessão por Covid-19

Paulo-Whitaker_Reuters
Paulo-Whitaker_Reuters

O volume financeiro somou R$ 24,7 bilhões

O Ibovespa afundou ainda mais hoje (23), ampliando a perda em 2020 para 45%, novamente pressionado pelas apreensões sobre o impacto da pandemia de coronavírus na atividade econômica do país e consequentemente nos resultados de empresas, além da aversão a risco global em razão do vírus.

Uma nova bateria de medidas sócio-econômicas foram anunciadas entre o fim de semana e esta sessão no Brasil e no exterior, mas não foi capaz de sustentar a tentativa de recuperação verificada no começo dos negócios diante da perspectiva crescente de recessão mundial.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa fechou em baixa de 5,22%, a 63.569,62 pontos, mínima desde 10 de julho de 2017, após chegar a 67.603,83 pontos no começo do pregão, em alta de 0,8%. O volume financeiro somou R$ 24,7 bilhões.

“Dado o efeito amplamente desconhecido que o coronavírus terá na economia brasileira e o espaço limitado para a política fiscal no Brasil, vemos espaço para mais fraqueza dos lucros (LPS)”, afirmou o Goldman Sachs em relatório enviado a clientes nesta segunda-feira.

Mais empresas brasileiras anunciaram suspensão de atividades como medidas de resposta à epidemia do novo coronavírus no país. Klabin e Magazine Luiza reforçaram nesta segunda-feira crescente grupo de grandes companhias que estão parando grandes projetos e paralisando importantes áreas de negócios.

LEIA TAMBÉM: Dólar passa a subir acentuadamente ante real em sessão volátil

Entre as medidas mais recentes no país, o Banco Central cortou alíquota do compulsório de bancos e o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou instituições financeiras a captarem com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

No final de semana, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou um pacote de medidas totalizando R$ 55 bilhões, com foco na preservação de empregos.

O número de mortes em decorrência do novo coronavírus no Brasil avançou para 34 nesta segunda-feira, aumento de 36% em relação às 25 registradas até a véspera, informou o Ministério da Saúde. Os casos confirmados de Covid-19 no país atingiram 1.891, avanço de 345 casos (22,3%). A pandemia do Covid-19 já infectou mais de 350 mil pessoas em todo o mundo.

No exterior, o norte-americano S&P 500 desabou 2,9%, mesmo após Federal Reserve adotar nesta segunda-feira uma extraordinária série de programas para compensar as “graves perturbações” na economia causadas pela pandemia, enquanto segue o impasse no Congresso norte-americano para um pacote de estímulos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também disse nesta segunda-feira que a pandemia do coronavírus causará uma recessão global em 2020, que poderá ser pior do que a observada durante a crise financeira mundial de 2008-2009, mas que a produção econômica mundial deve se recuperar em 2021.

“Fica cada vez mais claro que o mercado precisa de uma luz no final do túnel em relação ao arrefecimento do coronavírus e seus impactos econômicos”, afirmou o estrategista Dan Kawa, da TAG Investimentos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).