Shoppings e lojistas travam queda de braço sobre aluguel durante fechamentos

ReutersBruno-Domingos
Até agora, 550 dos 577 shoppings do Brasil estão fechados por ordem de autoridades

As negociações entre operadores de shopping centers e lojistas sobre pagamento de alugueis durante o fechamento de empreendimentos determinados por autoridades públicas para frear o coronavírus chegaram a um impasse, enquanto o setor busca corte de impostos e outras medidas de apoio junto aos governos para enfrentar a crise.

“O cenário tem que ser analisado dia a dia, hora a hora…. Nossa posição no momento é de que, embora por contrato esses aluguéis sejam devidos, é razoável que a cobrança seja feita posteriormente em momento oportuno”, disse Glauco Humai, presidente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Os comentários de Humai vêm na contramão de um comunicado enviado ontem (23) pela associação de lojistas de shopping centers, a Alshop, que citava acordo para isenção dos aluguéis enquanto os empreendimentos estivessem fechados, além de “flexibilização” e redução nas taxas de condomínio.

Procurada, a Alshop informou que a manutenção do pagamento do aluguel sem as lojas estarem operando é inviável e que a retomada das vendas deve ser lenta e gradual.

LEIA MAIS: Shoppings vão isentar lojistas de aluguel durante fechamento, diz Alshop

“Entendemos que o relacionamento entre o lojista e o dono de shopping é regido por um contrato e propomos o bom senso nesse momento difícil para todo o setor”, disse a Alshop no comunicado de hoje (24).

Até agora, 550 dos 577 shoppings do Brasil estão fechados por ordem de autoridades que combatem a disseminação da Covid-19, segundo dados da Abrasce.

Humai afirmou que a Abrasce já enviou aos governos federal, estaduais e municipais um documento com 22 medidas necessárias para ajudar o setor a superar a crise sem demissões em massa, mas ainda não houve respostas.

“Não tem essa priorização ou indicação de que nosso segmento será atendido e quais seriam as medidas”, disse Humai, acrescentando que os shoppings brasileiros geram cerca de 3 milhões de empregos diretos.

Enquanto isso, segundo ele, as operadoras de shoppings vêm trabalhando para cortar em pelo menos 30% as despesas de condomínio. “Nossa recomendação é que se reduza ao máximo o condomínio e as empresas já estão renegociando contratos com fornecedores para que isso ocorra nos próximos meses”, afirmou o presidente da Abrasce.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).