Caixa e Sebrae firmam acordo de R$ 7,5 bi em crédito para micro e pequenas empresas

GettyImages
O foco é apoiar pequenos negócios durante o enfrentamento dos impactos da crise gerada pela pandemia de coronavírus

A Caixa Econômica Federal e o Sebrae firmaram hoje (20) um convênio com o objetivo de liberar R$ 7,5 bilhões em crédito para micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEIs). O foco é apoiar esses negócios durante o enfrentamento dos impactos da crise gerada pela pandemia de coronavírus (Covid-19) no Brasil, que colocou as pessoas dentro de suas casas para conter a propagação da doença no país.

O anúncio estava previsto para a semana passada, mas está sendo feito somente na manhã de hoje depois de conflitos na agenda dos porta-vozes envolvidos. Em nota à imprensa, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, reforça o foco do banco junto aos pequenos empreendimentos.

“Através da parceria, o banco disponibilizará melhores condições de taxas, prazo e carência, de forma a atender a demanda por crédito desse setor tão importante para a economia”, diz o presidente da Caixa.

LEIA MAIS: Forbes abre canal para ajudar pequenas e médias empresas


As linhas de crédito terão custo a partir de 1,19% ao mês para empresas de pequeno porte, sendo até R$ 125 mil por CNPJ, 12 meses de carência e prazo de pagamento de 36 meses. Para micro empresa, os juros começam em 1,39% ao mês, valor máximo de até R$ 75 mil, 12 meses de carência e 30 meses de pagamento. Já a taxa dos empréstimos para os microempreendedores individuais começará em 1,59% ao mês, financiamento de até R$ 12,5 mil por MEI, nove meses de carência e 24 meses de pagamento.

A parceria utiliza as linhas de crédito disponibilizadas pela Caixa e as garantias complementares serão concedidas pelo Sebrae por meio do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Além de entrar com recursos para alavancar o volume de operações de crédito através do Fampe, o Sebrae irá oferecer aos empreendedores o crédito assistido.

Segundo o presidente do Sebrae, Carlos Melles, “um dos maiores obstáculos no acesso dos pequenos negócios a crédito é a exigência de garantias feita pelas instituições financeiras. Nesse sentido, o Fampe funciona como um salvo-conduto, que vai permitir aos pequenos negócios, incluindo até o microempreendedor individual, obterem os recursos para capital de giro, tão necessários para atravessarem a crise provocada pela pandemia do coronavírus, mantendo os negócios e os empregos”. (Com Agência Estado)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).