Justiça determina bloqueio de até R$ 1 milhão de Joseph Safra

Decisão tem como objetivo garantir o ressarcimento aos cofres públicos caso banqueiro seja condenado por improbidade.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Decisão tem como objetivo garantir o ressarcimento aos cofres públicos caso banqueiro seja condenado por improbidade

Decisão tem como objetivo garantir o ressarcimento aos cofres públicos caso banqueiro seja condenado por improbidade

Acessibilidade


A Justiça Federal do Distrito Federal determinou o bloqueio de até R$ 1 milhão do banqueiro Joseph Safra, dono do Banco Safra e o 42º homem mais rico do mundo, segundo o ranking Forbes, em atendimento a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) no âmbito de uma ação de improbidade resultante da operação Zelotes, informou o MPF.

De acordo com o MPF do Distrito Federal, a decisão liminar determina o bloqueio de bens de Safra e de outras cinco pessoas até o limite de R$ 1 milhão cada, como forma de garantir o ressarcimento aos cofres públicos no caso de condenação deles.

LEIA MAIS: Casa de ator da série “How I Met Your Mother” está à venda por US$ 10,5 mi

Procurado, o Banco Safra informou que não comentaria a decisão da Justiça.

A Zelotes investiga um esquema de pagamento de propinas para autoridades ligadas ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão ao qual se recorre contra sanções impostas pela Receita Federal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em dezembro, o Tribunal Federal da 1ª Região, ao qual a Justiça Federal do Distrito Federal está subordinada, encerrou processo penal contra Joseph Safra na Zelotes. A ação de improbidade é uma ação civil.

VEJA TAMBÉM: Relembre a ascensão e queda de Eike Batista

Em março do ano passado, o MPF havia denunciado Safra sob acusação de pagamento de R$ 15,3 milhões para servidores em troca de decisões favoráveis ao Safra no Carf. As irregularidades teriam ocorrido, de acordo com o Ministério Público, em processos administrativos de interesse da JS Administração de Recursos, do grupo Safra.

Na ocasião da denúncia, a JS Administradora disse que as suspeitas levantadas pelo Ministério Público eram infundadas.

Eduardo Simões

Compartilhe esta publicação: