Apple nomeia executivo experiente como chefe na Índia

Segundo fonte, Michel Coulomb substituirá Sanjay Kaul

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock

A fabricante do iPhone está interessada em ampliar sua presença na Índia, onde atualmente detém menos de 3% do mercado de smartphone (iStock)

Acessibilidade


A Apple nomeou Michel Coulomb como seu principal executivo de vendas na Índia, substituindo Sanjay Kaul, disse uma fonte com conhecimento sobre o assunto, nesta terça-feira (19), à medida que a gigante norte-americana de tecnologia busca aumentar a participação no terceiro maior mercado de celulares do mundo.

LEIA MAIS: Apple confirma compra do aplicativo Shazam

Coulomb trabalha na empresa desde 2003 e foi diretor da Apple para o sul da Ásia, de acordo com sua biografia no LinkedIn.

O jornal “The Economic Times” relatou nesta terça-feira que Kaul iria sair depois de seis anos na empresa, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

A Apple não respondeu aos pedidos de entrevista e não foi possível contatar Coulomb e Kaul.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A fabricante do iPhone está interessada em ampliar sua presença na Índia, onde atualmente detém menos de 3% do mercado de smartphone.

As vendas da Apple subiram 17%, para 116,19 bilhões de rúpias (US$ 1,81 bilhão) no ano fiscal encerrado em março de 2017, ritmo muito mais lento do que o crescimento de 50% no ano anterior. A empresa também está buscando incentivos e isenções fiscais do governo federal para expandir a fabricação na Índia.

VEJA TAMBÉM: Cientistas da Apple revelam pesquisa sobre carro autônomo

Na segunda-feira (18), a Apple aumentou os preços de todos os seus telefones na Índia, em 3,5% em média, depois que o governo indiano na semana passada elevou os impostos sobre os telefones importados.

O mercado sensível aos preços da Índia atualmente é dominado pela sul-coreana Samsung Electronics e por empresas chinesas, incluindo Xiaomi, Oppo e Vivo.

Compartilhe esta publicação: