Como Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, construiu sua fortuna

GettyImages/ForbesUSA
Jeff Bezos revolucionou o mercado de venda de livros online e se tornou o homem mais valioso por dois anos consecutivos

Resumo:

  • Fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezos é o homem mais rico do mundo, mas sua carreira teve altos e baixos;
  • No momento do IPO da Amazon, diversos especialistas ficaram desconfiados do potencial da empresa de sobreviver no mercado de venda de livros;
  • O Kindle foi um dos grandes marcos e revoluções introduzidas no mercado pela Amazon.

Quando Jeff Bezos, aos 33 anos, abriu o capital da Amazon.com em 1997, o mercado desconfiou da página online de vendas de livros iniciada em uma garagem de Seattle. Um analista até chegou a chamar a empresa de dois anos de “Amazon.toast” (Amazon.queimada) depois que a Barnes & Nobles anunciou planos de começar a vender online.

“Eu realmente achei que eles tinham um bom argumento!”, Bezos falou mais tarde, em tom de piada, à Forbes. “Mas eles não entendiam como a internet dá poder aos clientes.”

LEIA MAIS: Amazon lança serviço de assinatura Prime no Brasil

Esqueça as queimaduras. Em 1998, o ano seguinte ao IPO da Amazon, Bezos entrou para a lista anual da Forbes dos 400 americanos mais ricos graças à seu patrimônio de 40% na empresa, que valia US$ 1,6 bilhão na época.

Duas décadas depois, Bezos reina absoluto na Forbes 400 pelo segundo ano consecutivo, mesmo tendo passado pelo divórcio mais caro do mundo. Depois de dar um quarto de suas ações na Amazon para a ex-esposa, Mackenzie, Jeff Bezos ainda possui perto de 12% em ações da gigante do e-commerce que arrecada US$ 230 bilhões em vendas.

Veja como Bezos passou de mero fundador corajoso de startup corajoso a Sam Walton do século 21.

  • 1998: US$ 1,6 bilhão

    #102

    Durante a época que será lembrada como a “bolha do pontocom”, Bezos aparece na capa da Forbes pela primeira vez. O passar dos anos não foi tão bom para os outros ícones de internet que posaram com ele. Apenas dois deles, o cofundador do Yahoo, Jerry Yang, e o cofundador da Broadcom, Henry Nicholas, conseguiram se manter na lista dos 400 americanos mais ricos em 2019.

  • 1999: US$ 7,8 bilhões

    #18

    Bezos e seu Pikachu de pelúcia escutam atentamente em uma coletiva de imprensa na qual ele anunciou a expansão da Amazon para produtos, softwares, videogames e recomendações de presentes.
    Apesar de seu status bilionário, Bezos ainda não é o homem que tem tudo: ele coloca um aparelho de DVD de US$ 1.000 e um CD de Sinéad O’Connor em sua lista de desejos da Amazon.

  • 2000: US$ 4,7 bilhões

    #48

    Bezos comemora a abertura da Amazon France. Apesar de a empresa atingir 25 milhões de clientes ativos e ganhar participação no mercado europeu, 2000 é uma dos anos mais duros para a Amazon. Um analista da Lehman Brothers previu erroneamente que a empresa ficaria sem caixa em 2001, e as ações da Amazon terminam o ano com baixa de 79%.
    Também neste ano, Bezos secretamente lança a Blue Origin, uma empresa que busca tornar as viagens espaciais mais acessíveis. É uma paixão antiga de Bezos, que era o presidente do grupo “Students for the Exploration & Development of Space” enquanto estava se graduando em Princeton.

  • 2001: US$ 1,2 bilhão

    #189

    Bill Gates, fundador da Microsoft, e Jeff Bezos dão um high-five antes da partida que organizaram para arrecadar dinheiro para pesquisas sobre o câncer de mama. Bezos e Pete Sampras, jogador profissional, jogam duplas contra Gates e Andre Agassi, que vencem no tie-break. Naquele momento, Bill Gates é o homem mais rico do mundo, com patrimônio líquido de US$ 63 bilhões, enquanto Bezos está na casa do US$ 1,2 bilhão, seu menor valor desde a entrada na Forbes 400 em 1998.

  • 2005: US$ 4,8 bilhões

    #42

    No décimo aniversário de lançamento da Amazon.com, Jeff Bezos segura uma cópia do livro “Fluid Concepts and Creative Analogies” (“Conceitos Fluidos e Analogias Criativas”, em português), de Douglas Hofstadter, o primeiro a ser vendido pela empresa.
    Também em 2005, Bezos lança o Amazon Prime. Por um preço anual de US$ 79, clientes recebiam entregas em dois dias ilimitadas sem nenhum requerimento mínimo de compra. O Prime é recebido com desconfiança sobre se os clientes de fato pagariam para usar os serviços da Amazon de maneira ilimitada e se a empresa conseguiria manter todos os custos operacionais.

  • 2007: US$ 8,7 bilhões

    #35

    Bezos apresenta o Kindle, um e-reader de US$ 399 que dá acesso a mais de 90 mil livros, revistas e jornais. Os estoques se esgotam seis horas após o lançamento.
    O Kindle precisou de mais de três anos de desenvolvimento. A única instrução de Bezos para os engenheiros foi a de que o e-reader deveria baixar qualquer livro no tempo máximo de 60 segundos. Quando um executivo perguntou para Bezos sobre o orçamento, ele respondeu: “Quanto dinheiro temos disponível?”

  • 2010: US$ 12,6 bilhões

    #18

    Jeff e sua esposa, MacKenzie, usando jaquetas combinando, chegam à conferência anual da Allen & Co. em Sun Valley, também conhecida como o “acampamento de verão de bilionários”. Pouco depois, a companhia se aventura em Hollywood, com o lançamento da Amazon Studios. A marca se torna a primeira do serviço de streaming a ganhar um Globo de Ouro para melhor série e uma indicação ao Oscar de melhor filme, batendo Netflix e Hulu.

  • 2012: US$ 23,2 bilhões

    #11

    Bezos faz uma visita à série de TV “30 Rock” para promover o novo Kindle Fire no programa “Late Night with Jimmy Fallon.” A escolha de vender os tablets em um ponto de equilíbrio financeiro compromete os lucros no curto prazo.
    “Estamos confortáveis em poder plantar sementes e esperar que elas cresçam e se tornem árvores,” afirmou Bezos para a Forbes. “Nós não focamos no próximo trimestre, mas sim no que será bom para os clientes.”

  • 2013: US$ 27,2 bilhões

    #12

    Em agosto, Bezos comprou o jornal “Washington Post” e suas publicações irmãs da família Graham, dona do veículo por oito décadas. O preço de US$ 250 milhões foi menos do que 1% do patrimônio líquido de Bezos.
    No mesmo verão, as ações da Amazon romperam a marca de US$ 300 por unidade depois de um caso marcante no qual a Apple foi considerada culpada de conluio com editoras para aumentar o preço dos e-books.

  • 2014: US$ 30,5 bilhões

    #15

    Bezos pega uma carona com um caminhão em Bangalore. A Amazon India, lançada em 2013, já se torna a maior loja do país com 17 milhões de produtos, mas a Amazon ainda investe US$ 2 bilhões adicionais para garantir seu status.
    Mais tarde no mesmo ano, a empresa aumentou suas apostas com a extravagância de vendas da Black Friday, lançando novas ofertas bombásticas a cada dez minutos por oito dias seguidos.

  • 2015: US$ 47 bilhões

    #4

    Em novembro, a empresa inaugura sua primeira livraria física em Seattle, uma provocação para as redes tradicionais, como a Borders, que foram deixadas para trás. Uma das leituras recomendadas é o livro “Traps” (“Armadilhas”, em português), de MacKenzie Bezos, com um oferecimento pessoal de Bezos.

    Mais cedo no mesmo ano, aconteceu a celebração de 20 anos da Amazon com o primeiro Prime Day. Em 15 de julho, usuários Prime encomendaram 34,4 milhões de objetos ao redor do mundo, foram 398 compras por segundo. Alguns dos itens mais populares eram caixas com a trilogia de “Senhor dos Anéis” (56 mil cópias vendidas), televisões (47 mil cópias vendidas) e discos de Blu-Ray de “50 Tons de Cinza: Edição Sem Classificação” (12 mil cópias vendidas).

  • 2017: US$ 81,5 bilhões

    #2

    Bezos, fazendo sua melhor interpretação de Tom Cruise em “Top Gun”, lança o New Shepard da Blue Origin, um veículo suborbital desenhado para levar turistas ao espaço. O empresário chegou a dizer que financiava a empresa espacial vendendo perto de US$ 1 bilhão de ações da Amazon por ano.
    Três meses depois de revelar o New Shepard, Bezos rapidamente se tornou a pessoa mais rica do mundo, mas por menos de quatro horas.

  • 2018: US$ 160 bilhões

    #1

    Jeff e MacKenzie participam da festa do Oscar da revista “Vanity Fair”, uma das últimas aparições do casal ainda juntos. No mesmo ano, Bezos se torna o primeiro centibilionário na Forbes 400, conseguindo o primeiro lugar com a fortuna de US$ 160 bilhões.

  • 2019: US$ 114 bilhões

    #1

    Em janeiro, horas depois de Jeff e MacKenzie anunciarem o divórcio, o jornal “National Enquirer” publica mensagens íntimas entre o empresário e sua nova namorada, Lauren Sanchez, que também é casada.
    Sem fugir das polêmicas, Bezos vai a público em fevereiro e publica um texto curto intitulado “Não, obrigado, sr. Pecker” no Medium, fazendo referência a David Pecker, CEO da AMI, empresa-mãe do jornal “Enquirer”. Ele revela ter contratado um investigador particular para entender como o jornal obteve as mensagens e que a AMI ameaçou publicar mais textos e fotos dele pelado se a investigação não parasse. Bezo escreveu: “Preferi não aceitar a extorsão e chantagem, decidi publicar exatamente o que eles me mandaram, mesmo com os preços pessoais e constrangimento do qual me ameaçam.”
    Ainda em 2019, a AMI vende o jornal para o dono da Hudson News Distributors. O divórcio de Bezos foi finalizado no inverno, ele ainda está namorando Sanchez.

1998: US$ 1,6 bilhão

#102

Durante a época que será lembrada como a “bolha do pontocom”, Bezos aparece na capa da Forbes pela primeira vez. O passar dos anos não foi tão bom para os outros ícones de internet que posaram com ele. Apenas dois deles, o cofundador do Yahoo, Jerry Yang, e o cofundador da Broadcom, Henry Nicholas, conseguiram se manter na lista dos 400 americanos mais ricos em 2019.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).