Bombardier vende programa A220 para Airbus por US$ 591 milhões

GettyImages/ Aaron Foster
O CEO da Bombardier afirmou que a empresa está orgulhosa com as realizações e impacto no setor de aviação de sua história

A Airbus e o governo de Quebec se tornaram os únicos proprietários do programa A220 com a saída da Bombardier, que desenvolveu o avião, mas foi levada à beira da falência pelos custos crescentes do ambicioso programa. O acordo marca a saída da Bombardier da aviação comercial, com mais desinvestimentos esperados, já que a fabricante canadense tenta reduzir sua carga esmagadora de dívida de US$ 9,7 bilhões.

A Bombardier receberá US$ 591 milhões, líquidos de ajustes, por sua participação no programa A220, dos quais US$ 531 milhões foram pagos no fechamento, com US$ 60 milhões a serem pagos em parcelas até 2021. A Bombardier também disse que o acordo permitirá evitar o pagamento de aproximadamente US$ 700 milhões que a empresa teria que pagar para uma expansão da produção do avião de corredor único de 100 a 150 lugares.

LEIA MAIS: Airbus terá de pagar US$ 4 bi para encerrar investigação sobre corrupção

A Bombardier deu à Airbus uma participação de 50,01% no programa, anteriormente conhecido como CSeries, em 2017, para conter o sangramento financeiro. O custo do desenvolvimento do avião quase dobrou para US$ 6 bilhões e as vendas foram decepcionantes em meio a uma feroz resposta competitiva da Airbus e da Boeing.

Por meio dessa transação, que teve efeito imediato, a Airbus passou a deter 75% da Airbus Canadá. O governo de Quebec aumentou sua participação para 25% sem mais investimentos em dinheiro. A Airbus pode resgatar a participação remanescente do governo até 2026.

A Airbus também adquiriu os pacotes de trabalho da Bombardier para o A220 e o A330, que serão transferidos para a subsidiária da Airbus Stelia Aerospace em Quebec, garantindo emprego para 360 pessoas. Ao todo, a Airbus empregará mais de 3.300 pessoas em Quebec.

A Bombardier também anunciou uma perda de US$ 1,7 bilhão no quarto trimestre e uma perda de US$ 1,6 bilhão no ano inteiro devido a problemas em sua divisão ferroviária.

Após a venda de sua linha de turboélices Q400 para a Viking Air e de seus jatos regionais CRJ para a Mitsubishi Heavy Industries, o acordo marca a saída da Bombardier da aviação comercial. “Estamos incrivelmente orgulhosos das muitas realizações e do tremendo impacto que a Bombardier teve no setor de aviação comercial”, disse Alain Bellemare, CEO da empresa. “Estamos igualmente orgulhosos da maneira responsável pela qual saímos da indústria aeroespacial comercial, preservando empregos e reforçando o cluster aeroespacial em Quebec e no Canadá”.

François Legault, o primeiro-ministro de Québec, disse: “Conseguimos proteger empregos remunerados e a expertise excepcional desenvolvida em Québec, apesar dos grandes desafios que enfrentamos a esse respeito quando assumimos o cargo. Ao optar por fortalecer sua presença aqui, a Airbus optou por se concentrar em nossos talentos e em nossa criatividade.”

A Airbus espera que o mercado de aeronaves estreitas continue crescendo, até 70% da demanda global futura projetada de viagens. Com capacidade de 100 a 150 assentos, o A220 complementa o grupo de aviões menores da Airbus com capacidade de 150 a 240 passageiros.

O programa A220 provou ser bem-sucedido para a Airbus até agora. A empresa relata que o total de pedidos líquidos cumulativos para a aeronave aumentou 64% desde o momento em que o fabricante europeu de aeronaves adquiriu o programa pela primeira vez em 1º de julho de 2018, resultando em pedidos líquidos de 658 unidades no final de janeiro. Atualmente, 107 aeronaves A220 estão em serviço com sete companhias aéreas em quatro continentes. Em 2019, a Airbus entregou 48 A220s e planeja aumentar ainda mais a produção.

LEIA TAMBÉM: Airbus e Aston Martin fazem parceria para criação de helicóptero exclusivo

No Singapore Air Show, a Airbus anunciou que assinou um memorando de entendimento com a Green Africa Airways, a companhia aérea da Nigéria sediada em Lagos por 50 unidades do A220.

A aquisição planejada pela Boeing de uma participação majoritária na unidade de aviação comercial da Embraer, que ajudaria a fabricante dos EUA a competir no espaço regional com o catálogo mais amplo de aeronaves estreitas da Airbus, obteve aprovação no Brasil, mas ainda enfrenta um processo antitruste na União Europeia.

A Bombardier também está em negociações para vender sua divisão ferroviária para a Alstom e sua divisão de jatos executivos para a Textron.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).