Dona do Grindr vende aplicativo por US$ 608 milhões

Governo norte-americano havia manifestado preocupação com os dados dos usuários manipulados pelo app chinês

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
ReutersAlySong
ReutersAlySong

Os Estados Unidos têm monitorado cada vez mais os desenvolvedores de aplicativos sobre a segurança dos dados pessoais que eles manipulam

Acessibilidade


A empresa chinesa Beijing Kunlun Tech anunciou hoje (6) a venda do Grindr, popular aplicativo de relacionamento, por cerca de US$ 608,5 milhões.

A transação ocorre após um painel do governo dos EUA estabelecer junho de 2020 como prazo para venda do aplicativo. O painel, denominado Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS), não divulgou suas preocupações sobre a propriedade da Grindr pela Kunlun.

No entanto, os Estados Unidos têm monitorado cada vez mais os desenvolvedores de aplicativos sobre a segurança dos dados pessoais que eles manipulam, especialmente se alguns deles envolvem militares ou pessoal de inteligência do país.

VEJA MAIS: Peixe Urbano nega negociar compra de Grow Mobility

A Kunlun disse que concordou em vender sua participação de 98,59% no Grindr para a San Vicente Acquisition.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O controle da Kunlun sobre o Grindr alimentou preocupações entre defensores da privacidade nos EUA. Os senadores democratas Edward Markey e Richard Blumenthal enviaram uma carta ao Grindr em 2018 exigindo respostas sobre como o aplicativo protegia a privacidade dos usuários.

A Reuters informou no ano passado que a Kunlun havia dado a alguns engenheiros de Pequim acesso a informações pessoais de milhões de norte-americanos, incluindo mensagens privadas e status de HIV.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: