Aplicativos de fintechs disparam, mas clientes de bancos tradicionais são mais fiéis, diz estudo

Reuters
Reuters

Logo da fintech Nubank na sede em São Paulo, Brasil

O Brasil chegou à impressionante marca de 800 milhões de aplicativos financeiros baixados nos últimos três anos, na esteira da intensa proliferação das fintechs, mas as plataformas online ainda estão longe de atingir o mesmo nível de fidelidade dos clientes de bancos tradicionais, segundo um estudo.

De acordo com o levantamento, feito pela empresa de medição de performance de marketing digital AppsFlyer, entre 2017 e 2019 o ritmo de downloads de aplicativos de serviços financeiros cresceu 4,5 vezes, diante da multiplicação de fintechs, bancos digitais e dos serviços dos próprios grandes bancos de varejo.

VEJA MAIS: Entre fintechs e bancos tradicionais: Fernanda Doria, do Google, explica mudanças do mercado financeiro

Segundo o estudo, o Brasil se tornou o terceiro maior mercado do mundo em número de aplicativos financeiros baixados, respondendo por 8,5% de todas as instalações de apps no país, mais do que o dobro da taxa global.

O levantamento inclui 350 aplicativos, contemplando pagamentos, investimentos, gestão financeira, transferência de recursos e seguros, entre outros.

A rápida disseminação dos aplicativos financeiros teve como pano de fundo a popularização dos bancos digitais, com oferta de isenção de tarifas e juros mais baixos para empréstimos do que os cobrados no bastante concentrado sistema financeiro tradicional.

Apesar da enorme quantidade de downloads, a AppsFlyer detectou que o universo atual de usuários ativos de serviços financeiros por aplicativos financeiros é de cerca de 60 milhões de pessoas, considerando aqueles que fizeram ao menos uma transação num período de 60 dias.

Os números também mostram que cerca de 40% dos downloads de aplicativos financeiros executados foram fruto de anúncios em redes sociais que já tinham um link para baixar o aplicativo.

Segundo os autores do estudo, as fintechs e os bancos digitais ainda têm um grande espaço para crescer no país, movimento que será catalisado pelo isolamento social provocado pelo coronavírus e pela entrada em vigor do open banking, prevista para o final deste ano.

No entanto, os números qualitativos têm mostrado que a lealdade dos clientes no longo prazo é um desafio para quem não é um banco tradicional.

“Não é de surpreender que os bancos tradicionais tenham a melhor retenção, pois seus usuários verificam regularmente o saldo da sua conta bancária e obtêm outras informações”, diz um trecho do relatório.

Para ampliar a qualidade de captação de clientes, os participantes do mercado têm investido mais em ferramentas digitais, o que tem ajudado a ampliar o chamado custo de aquisição de cliente, que chegou a cerca de US$ 2,50 em dezembro, mais do que o dobro em relação a janeiro.

Outro ponto de atenção para os novos entrantes, segundo a AppsFlyer, é o alto índice de fraudes. De acordo com a companhia, três de cada quatro dos aplicativos financeiros instalados no Brasil têm taxa de fraude de instalação superior a 30%.

“A conclusão é óbvia: os aplicativos financeiros no Brasil que não estão se protegendo provavelmente estão desperdiçando seu orçamento de forma significativa”, disse Marlon Luft, diretor de marketing Latam da AppsFlyer no Brasil. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).