Royal Caribbean faz oferta US$3,3 bi em títulos e dá 28 navios em garantia

Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

Empresa espera reportar prejuízo líquido preliminar de US$ 1,44 bilhão para o primeiro trimestre

A Royal Caribbean Cruises lançou hoje (13) uma oferta de títulos de dívida de US$ 3,3 bilhões, entregando como garantia 28 de seus navios e prevendo forte prejuízo para o primeiro trimestre por causa dos impactos da pandemia de Covid-19.

A companhia, que foi forçada a suspender cruzeiros em todo o mundo e demitir cerca de 26% de sua força de trabalho nos Estados Unidos, disse que a crise da saúde reduziu a receita líquida no primeiro trimestre em cerca de US$ 453 milhões.

VEJA TAMBÉM: Airbnb assegura novo empréstimo de US$ 1 bi após emissão de US$ 1 bi em títulos

As ações da operadora de cruzeiros, que caíram mais de 72% este ano, caíam cerca de 4% no pregão desta quarta-feira.

A empresa espera reportar prejuízo líquido preliminar de US$ 1,44 bilhão para o primeiro trimestre, comparado a um lucro de US$ 249,7 milhões no ano anterior. A receita total do trimestre encerrado em março caiu 16,7%, para US$ 2 bilhões.

A empresa usará a oferta de títulos para pagar um empréstimo de US$ 2,35 bilhões junto ao Morgan Stanley.

A Royal Caribbean se recusou a especificar quais navios usou como garantia em sua oferta de dívida. A empresa possuía embarcações com um valor contábil líquido de cerca de US$ 22,7 bilhões em 31 de dezembro, incluindo o maior navio de cruzeiros do mundo, o Symphony of the Seas.

A Royal Caribbean estima que seu consumo de caixa fique entre US$ 250 milhões e US$ 275 milhões por mês durante uma suspensão prolongada das operações. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).