5 ideias para diminuir a desigualdade racial e financeira nos negócios

GettyImages/ Thomas Barwick
Após séculos de barreiras sistêmicas, o patrimônio líquido médio das famílias negras é um décimo do das brancas. Sem mudanças como essas, a crise de Covid-19 apenas ampliará a diferença entre raças

Em abril, Bill Bynum, CEO da associação de crédito Hope Enterprise, com sede no estado norte-americano do Mississipi, observou frustrado o esvaziamento de uma reserva de US$ 350 bilhões em empréstimos perdoáveis ​​do Programa de Proteção da Folha de Pagamento (PPP, na sigla em inglês) em apenas 13 dias. A Hope serve 110 mil membros majoritariamente afro-americanos e latinos no Delta do Mississippi. Mas a empresa tinha apenas uma licença para o software necessário para enviar solicitações à Administração de Pequenas Empresas (SBA, na sigla em inglês), o que significa que a Hope precisava esperar a SBA processar um empréstimo antes de poder enviar outro. A Hope tinha centenas de solicitações possíveis, mas só conseguiu 46, totalizando US$ 13 milhões.

Enquanto isso, centenas de empresas de capital aberto mandaram um tsunami de pedidos a grandes bancos para obter US$ 1,4 bilhão em empréstimos de PPP aprovados. “As empresas de proprietários negros estavam entre as últimas beneficiadas”, lamenta Bynum.

LEIA MAIS: De volta ao trabalho, Cristina Junqueira revela como está sua rotina durante a pandemia

No mesmo mês, quando ficou claro que os efeitos econômicos e de saúde da Covid-19 estavam atingindo os norte-americanos negros e pardos com mais força, um grupo de acadêmicos e ex-funcionários da Hill, membros da Rede de Especialistas de Cor, começaram a se reunir no Zoom e apresentar ideias para tornar a disputa por estímulo econômico mais socialmente justa.

Agora, com a discussão urgente das desigualdades raciais estruturais após o assassinato de George Floyd, alguns membros desse grupo no Zoom esperam que mudanças fundamentais sejam possíveis.

“Semanas de distúrbios civis exigindo justiça social (em muitas comunidades lideradas pela maioria dos manifestantes brancos não-hispânicos) sugerem que nossa nação pode estar pronta para dar grandes passos em direção à verdadeira igualdade para todos”, diz James H. Carr, membro visitante do grupo de reflexão do Instituto Roosevelt, que trabalha para diminuir a diferença de riqueza racial há três décadas.

A Pesquisa de Finanças do Consumidor do Fed de 2016 (a mais recente disponível) mostra que o patrimônio líquido médio para famílias negras era de apenas US$ 17.600, um décimo de US$ 171 mil para famílias brancas não-hispânicas. Desde 1995, mesmo quando os afro-americanos diminuíram em 15% o hiato da taxa de conclusão de faculdade em quatro anos, o diferencial de patrimônio líquido aumentou em 4%, calcula Ray Boshara, diretor do Centro de Estabilidade Financeira do Agregado Familiar do Federal Reserve Bank of St. Louis.

LEIA TAMBÉM: Facebook e Cielo solicitam ao Cade que reverta decisão sobre acordo de pagamentos

Se o mundo está realmente pronto para grandes ideias, aqui estão cinco a serem consideradas. Duas delas (melhorar o acesso ao capital para empresas de propriedade dos negros e reparações para descendentes de escravos) visam diretamente as barreiras históricas e atuais que tornaram tão difícil para os afro-americanos construir riqueza. As três outras (incentivo para crianças, perdão parcial da dívida estudantil e incentivos para economias emergenciais) ajudariam qualquer americano (e particularmente jovens) a lutar para construir ativos sem o colchão da riqueza herdada.

Veja na galeria a seguir:

  • 1. Direcionar capital para empresas de propriedade de negros

    Os empresários negros são mais propensos do que os de qualquer outra raça a financiar seus negócios com cartão de crédito pessoal e quase três vezes mais do que os empresários brancos a dizer que seus lucros foram prejudicados pela falta de acesso ao capital, informa a Fundação Kauffman. O bilionário de private equity Robert F. Smith, o afro-americano mais rico do país, observou no Forbes 400 Summit on Philanthropy que 70% das comunidades afro-americanas não têm um único banco, e apenas 21 bancos são de propriedade ou conduzidos por negros. Esses bancos detêm apenas US$ 5 bilhões em ativos, um nada no setor bancário comercial dos EUA, com US$ 20 trilhões em ativos.

    Essa é uma das razões pelas quais a atenção se volta cada vez mais para as Instituições Financeiras de Desenvolvimento da Comunidade (CDFIs, na sigla em inglês). Elas podem ser organizadas como cooperativas de crédito, bancos, fundos de empréstimos ou fundos de risco, mas todas prestam serviços financeiros a comunidades de baixa renda e carentes e a maioria não tem fins lucrativos. A Hope Credit Union de Bill Bynum, por exemplo, é uma CDFI e foi uma das cerca de 100 das 1.100 CDFIs do país certificadas para fazer empréstimos à SBA quando o programa PPP começou em 3 de abril. Desde então, 200 CDFIs adicionais foram certificadas para fazer empréstimos PPP.

    Após fazer lobby por Bynum, Smith e outros, US$ 10 bilhões de uma segunda rodada de US$ 310 bilhões em financiamento de PPP foram reservados para empréstimos feitos por CDFIs. A Hope já concedeu 1.800 empréstimos PPP, com média de US$ 41 mil cada. Isso permitiu à Bynum atender clientes comuns que fazem negócios como proprietários individuais, por exemplo, uma cabeleireira que recebeu US$ 5.200 para ajudá-la enquanto o salão em Hoover, no Alabama, estava fechado. Também permitiu que a Hope conseguisse um empréstimo de US$ 2 milhões em PPP para o Tougaloo College, uma faculdade de artes liberais historicamente negra que, durante a primeira rodada, solicitou (sem sucesso) um empréstimo através de um grande banco.

    Mas US$ 10 bilhões dos US$ 660 bilhões são uma ninharia, considerando que, em abril, a pandemia forçou 41% dos negócios de propriedade dos negros do país (em comparação com 17% dos de propriedade dos brancos) a fechar, estima o professor Robert Fairlie, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz. As empresas de proprietários negros representaram 441 mil das 3,3 milhões de empresas fechadas em abril. (Ainda restam mais de US$ 100 bilhões no fundo de PPP, o que poderia fazer muito para as pequenas empresas em dificuldades, e principalmente as de propriedade dos negros, que não obtiveram empréstimos ou foram assustadas desde o início.)

    Além do dinheiro temporário das PPPs, o fortalecimento das CDFIs poderia ajudar a obter mais capital para os empresários negros. Bynum quer que o financiamento federal para CDFIs, agora um mínimo de US$ 200 milhões por ano, seja aumentado para US$ 2 bilhões, com pelo menos 40% do valor reservado para CDFIs lideradas por minorias. Alguns grandes bancos assumiram compromissos substanciais para financiar CDFIs, o que, por coincidência, os ajuda a cumprir suas obrigações sob a Lei de Reinvestimento Comunitário de 1977. O Bank of America já forneceu US$ 1,6 bilhão em investimentos e empréstimos a 250 CDFIs, e anunciou em março que investiria outros US$ 250 milhões. Em junho, o Goldman Sachs disse que destinaria outros US$ 250 milhões a CDFIs, além dos US$ 500 milhões anunciados no início deste ano.

    Agora, Robert Smith está pedindo aos grandes bancos que comprometam 2% de seus lucros por ano no financiamento de CDFIs e bancos minoritários.

  • 2. Dar renda básica a recém-nascidos

    O governo colocaria uma certa quantia de dinheiro por ano em uma conta para cada recém-nascido que ele ou ela não possa usar até os 18 anos. Os filhos de famílias ricas receberiam apenas um pagamento simbólico, e os de famílias pobres receberiam mais.

    Se o termo Baby Bonds parece familiar, é porque o senador Cory Booker falou sobre sua versão desse plano enquanto fazia campanha pela indicação presidencial democrata para 2020. Em 2010, Darrick Hamilton, que lidera o Instituto Kirwan do Estado de Ohio para o Estudo de Raça e Etnia, e William A. Darity Jr., professor de políticas públicas e economia da Duke, sugeriram que os incentivos poderiam ser uma resposta às transferências e heranças intrafamiliares que ajudam a perpetuar a diferença de riqueza racial ao longo de gerações.

    Um novo estudo da professora-assistente da City University of New York, Naomi Zewde, utiliza dados do Painel de Estudo da Dinâmica de Renda, que rastreia milhares de finanças de famílias específicas ao longo do tempo. Isso mostra que esses baby bonds, renda básica para recém-nascidos, poderiam reduzir drasticamente a desigualdade racial para jovens adultos. A partir de 2015, o patrimônio líquido médio dos jovens adultos brancos da amostra era de US$ 46 mil, ou quase 16 vezes a mediana de US$ 2.900 para afro-americanos com idades entre 18 e 25 anos. Zewde simulou o que aconteceria se cada adulto jovem tivesse recebido entre US$ 500 e US$ 50 mil em uma conta vinculada ao nascimento, dependendo da renda dos pais. Supondo que esses títulos recebessem juros reais de 2% ao ano, os jovens brancos teriam visto seu patrimônio líquido médio crescer para US$ 79.143, mas isso seria apenas 1,4 vezes o patrimônio líquido médio dos jovens negros, que saltaria vinte vezes para US$ 57.845.

    “Em todos os pontos do curso da vida, as disparidades raciais em riqueza são inacreditáveis”, diz Zewde. A riqueza da família, ela acrescenta, significa “acesso às mensalidades da faculdade, ajuda com um adiantamento (interno), versus começar com dívidas. Eles estão começando as vidas de uma maneira desigual.”

    Zewde estima que seu plano custaria US$ 80 bilhões por ano. Isso é menos da metade da quantia que o Comitê Conjunto de Tributação do Congresso estima que o Tesouro dos EUA perde a cada ano a partir da alíquota especial do imposto de renda mais baixa para ganhos de capital e dividendos a longo prazo, o que beneficia principalmente os ricos.

    E a possibilidade de as faculdades explorarem os Baby Bonds, aumentando as mensalidades ou cortando a ajuda às famílias pobres? “Se implementarmos o incentivo agora, teremos cerca de 18 anos para descobrir como vamos proteger os jovens”, responde Zewde.

  • 3. Perdoar US$ 10 mil em dívidas federais estudantis por pessoa

    A diferença de riqueza entre graduados negros e brancos tem aumentado, em parte porque os estudantes negros assumem mais dívidas para concluir os cursos. Wesley Whistle, analista federal de ensino superior da New America Foundation, calcula que 84% dos millennials negros que se formaram em faculdades de quatro anos em 2016 tinham dívidas estudantis, em comparação com 68% dos millennials brancos. Entre os que obtiveram o diploma de dois anos, 63% dos graduados negros (mas apenas 43% de seus colegas brancos) tinham dívidas estudantis.

    Além de ajudar uma porcentagem maior de formandos negros, uma ajuda de US$ 10 mil reduziria drasticamente a taxa de inadimplência dos estudantes, mostra uma pesquisa do Instituto Aspen. Isso ocorre porque 66% dos inadimplentes devem US$ 10 mil ou menos, pois muitos deles abandonaram a escola sem um diploma ou frequentaram escolas particulares, ambas mais comuns entre os estudantes negros. (Os médicos, advogados e MBAs com uma dívida de US$ 100 mil ou US$ 200 mil podem se injustiçados, mas geralmente se saem bem)

    Uma ajuda de US$ 10 mil para todos os 44 milhões de norte-americanos que devem dinheiro com empréstimos estudantis federais, independentemente de sua renda atual, custará entre US$ 300 bilhões e US$ 400 bilhões e liquidará toda a dívida de cerca de 15 milhões de pessoas, estima Aspen. (Os democratas da Câmara haviam planejado incluir US$ 10 mil em perdão de dívidas no projeto de estímulo Heroes, aprovado em maio, mas acabaram recusando o custo e limitando o alívio a tomadores de empréstimos “economicamente problemáticos”. Os republicanos do Senado são ainda menos propensos a aceitar o perdão ao pensar em sua própria versão de estímulos estudantis)

  • 4. Pagar reparações aos descendentes de escravos

    Em setembro passado, apenas 15% dos adultos brancos, em comparação com 74% dos negros, disseram que os EUA deveriam pagar reparações a afro-americanos cujos ancestrais foram escravizados. Mas as atitudes podem estar mudando, principalmente entre os democratas, com o candidato presidencial Joe Biden apoiando uma comissão para estudar a ideia e a Câmara organizando audiências sobre o tema. Em janeiro, a cidade de Evanston, Illinois, aprovou um programa para dedicar parte do imposto sobre vendas de maconha a pagamentos de reparações.

    William Darity, da Duke University, que estuda reparações há três décadas, atribui a resistência política ao “bom e velho racismo americano”. Ele cita exemplos de outros grupos que recebem compensação do governo dos EUA, incluindo os pagamentos de US$ 20 mil que os japoneses americanos receberam mais de 40 anos depois de terem sido injustamente encarcerados durante a Segunda Guerra Mundial. “Nunca houve o mesmo grau de resposta para outras raças nos EUA que foram sujeitas a outras atrocidades”, diz Darity.

    Em um novo livro, Darity e A. Kirsten Mullen, escritora e conferencista (e esposa de Darity), argumentam que US$ 11 trilhões devem ser dedicados a um programa de reparações por dez anos. Eles chegam a esse número da seguinte maneira: os negros americanos detinham US$ 3,2 trilhões, ou 3%, dos US$ 107 trilhões em riqueza das famílias em meados de 2018 e constituem 13% da população dos EUA. As reparações devem preencher essa lacuna, aumentando a riqueza dos negros americanos para igualar 13% da riqueza do país, argumentam Darity e Mullen. Isso seria “um gasto médio de aproximadamente US$ 267 mil por pessoa para até 40 milhões de descendentes negros elegíveis da escravidão americana”, escrevem eles.

    Outros estudiosos têm ideias para o dinheiro, além de pagamentos diretos. Por exemplo, Mehrsa Baradaran, professora de direito da Universidade da Califórnia em Irvine, que escreveu um livro sobre a diferença de riqueza racial, argumentou que as bolsas de habitação poderiam ser usadas como parte de um pacote de reparações em larga escala. O fundador da BET, Robert Johnson, o primeiro bilionário negro e defensor de reparações de longa data, disse este mês que o governo precisa transferir dinheiro (US$ 14 trilhões por sua conta) diretamente, em vez de iniciar “mais programas burocráticos” que podem não ser efetivos. “Estou falando de dinheiro. Somos uma sociedade baseada na riqueza. Essa é a base do capitalismo.”

  • 5. Ajudar os americanos a criar poupanças de emergência

    Em teoria, todo mundo precisa de poupanças de emergência para se proteger contra perdas repentinas de renda ou despesas inesperadas (por exemplo, uma emergência médica ou problemas no carro), embora antes da Covid-19 apenas cerca de metade das famílias tivessem um fundo desse tipo. Na prática, no entanto, a necessidade de uma poupança para necessidades especiais não é igual para todos, já que alguns têm maior probabilidade de ter dinheiro da família para recorrer do que outros. Segundo o Federal Reserve, 71% dos americanos brancos, mas apenas 43% dos afro-americanos, poderiam receber US$ 3.000 da família ou amigos como uma ajuda.

    Aqueles que não têm poupança de emergência nem amigos e familiares para recorrer são mais propensos a tomar empréstimos de com juros altos, não pagar por cuidados médicos necessários, ficar atrasados ​​em aluguel, hipotecas ou outras contas ou até ter problemas para pagar por comida. Pesquisas da equipe do Fed de St. Louis, em Boshara, mostram que um fundo de emergência é tão crucial que é melhor as famílias manterem mil dólares em uma conta bancária com baixos rendimentos do que usar essa quantia para pagar dívidas com cartão de crédito com altas taxas de juros. Além de reforçar a resiliência financeira, uma reserva de caixa pode levar à mobilidade ascendente: um adiantamento para uma casa, por exemplo, observa Boshara.

    O que pode ser feito? Aplicativos e sites de fintech como Digit, Even e SaverLife incentivam os consumidores a adquirir o hábito de economizar. Agora, os acadêmicos estão estudando a utilidade de contas de poupança especiais para dias difíceis, incluindo aquelas completas com deduções automáticas da folha de pagamento para os trabalhadores.

    Enquanto isso, o tio Sam não faz nada para incentivar as poupanças de emergência e muito para incentivar a aposentadoria, distribuindo mais de US$ 165 bilhões por ano em benefícios fiscais, com a maior parte desse subsídio chegando aos 20% dos mais bem remunerados. O resultado é que trabalhadores sem dinheiro acabam gastando de 30 a 40 centavos de dólar por cada dólar que depositam nas contas de aposentadoria antes da aposentadoria, e milhões de contribuintes por ano são penalizados com 10% de imposto por sacar dinheiro antes dos 59 anos de idade . (O Congresso renunciou temporariamente a essa penalidade para quem retirar até US$ 100 mil por dificuldades relacionadas à Covid-19.)

    “Os subsídios (de poupança) que temos são mal direcionados e não fazemos nada para ajudar as famílias a criar fundos de emergência, especialmente as que mais precisam deles”, diz Boshara. No final das contas, ele diz, poderia fazer sentido oferecer algum tipo de crédito tributário reembolsável para poupanças de emergência. Por exemplo, tornando o crédito atual e pouco usado dos poupadores de aposentadoria mais generoso e disponível para mais contribuintes, para mais tipos de fundos.

1. Direcionar capital para empresas de propriedade de negros

Os empresários negros são mais propensos do que os de qualquer outra raça a financiar seus negócios com cartão de crédito pessoal e quase três vezes mais do que os empresários brancos a dizer que seus lucros foram prejudicados pela falta de acesso ao capital, informa a Fundação Kauffman. O bilionário de private equity Robert F. Smith, o afro-americano mais rico do país, observou no Forbes 400 Summit on Philanthropy que 70% das comunidades afro-americanas não têm um único banco, e apenas 21 bancos são de propriedade ou conduzidos por negros. Esses bancos detêm apenas US$ 5 bilhões em ativos, um nada no setor bancário comercial dos EUA, com US$ 20 trilhões em ativos.

Essa é uma das razões pelas quais a atenção se volta cada vez mais para as Instituições Financeiras de Desenvolvimento da Comunidade (CDFIs, na sigla em inglês). Elas podem ser organizadas como cooperativas de crédito, bancos, fundos de empréstimos ou fundos de risco, mas todas prestam serviços financeiros a comunidades de baixa renda e carentes e a maioria não tem fins lucrativos. A Hope Credit Union de Bill Bynum, por exemplo, é uma CDFI e foi uma das cerca de 100 das 1.100 CDFIs do país certificadas para fazer empréstimos à SBA quando o programa PPP começou em 3 de abril. Desde então, 200 CDFIs adicionais foram certificadas para fazer empréstimos PPP.

Após fazer lobby por Bynum, Smith e outros, US$ 10 bilhões de uma segunda rodada de US$ 310 bilhões em financiamento de PPP foram reservados para empréstimos feitos por CDFIs. A Hope já concedeu 1.800 empréstimos PPP, com média de US$ 41 mil cada. Isso permitiu à Bynum atender clientes comuns que fazem negócios como proprietários individuais, por exemplo, uma cabeleireira que recebeu US$ 5.200 para ajudá-la enquanto o salão em Hoover, no Alabama, estava fechado. Também permitiu que a Hope conseguisse um empréstimo de US$ 2 milhões em PPP para o Tougaloo College, uma faculdade de artes liberais historicamente negra que, durante a primeira rodada, solicitou (sem sucesso) um empréstimo através de um grande banco.

Mas US$ 10 bilhões dos US$ 660 bilhões são uma ninharia, considerando que, em abril, a pandemia forçou 41% dos negócios de propriedade dos negros do país (em comparação com 17% dos de propriedade dos brancos) a fechar, estima o professor Robert Fairlie, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz. As empresas de proprietários negros representaram 441 mil das 3,3 milhões de empresas fechadas em abril. (Ainda restam mais de US$ 100 bilhões no fundo de PPP, o que poderia fazer muito para as pequenas empresas em dificuldades, e principalmente as de propriedade dos negros, que não obtiveram empréstimos ou foram assustadas desde o início.)

Além do dinheiro temporário das PPPs, o fortalecimento das CDFIs poderia ajudar a obter mais capital para os empresários negros. Bynum quer que o financiamento federal para CDFIs, agora um mínimo de US$ 200 milhões por ano, seja aumentado para US$ 2 bilhões, com pelo menos 40% do valor reservado para CDFIs lideradas por minorias. Alguns grandes bancos assumiram compromissos substanciais para financiar CDFIs, o que, por coincidência, os ajuda a cumprir suas obrigações sob a Lei de Reinvestimento Comunitário de 1977. O Bank of America já forneceu US$ 1,6 bilhão em investimentos e empréstimos a 250 CDFIs, e anunciou em março que investiria outros US$ 250 milhões. Em junho, o Goldman Sachs disse que destinaria outros US$ 250 milhões a CDFIs, além dos US$ 500 milhões anunciados no início deste ano.

Agora, Robert Smith está pedindo aos grandes bancos que comprometam 2% de seus lucros por ano no financiamento de CDFIs e bancos minoritários.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).