Número de mortes por coronavírus no mundo chega a 100 mil em menos de 100 dias

Getty Images /  Justin Setterfield
Getty Images / Justin Setterfield

O número de mortes pela Covid-19 é comparável ao da Grande Praga de Londres, que estima-se ter dizimado a cidade ao provocar cerca de 100 mil óbitos, aproximadamente um terço dos londrinos

A contagem global de mortes por coronavírus confirmadas atingiu a marca de 100 mil na tarde de hoje (10), com o número total de casos ultrapassando 1,6 milhão, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Desde que a cidade de Wuhan, na China – local indicado possivelmente como o da origem do vírus – relatou a primeira morte no início de janeiro, foram necessários 83 dias para registrar as primeiras 50 mil mortes e pouco mais de uma semana para que a contagem confirmada chegasse aos 100 mil.

VEJA MAIS: Brasil tem 1.057 mortes por Covid-19 e casos chegam a 19.638, diz ministério

O número de óbitos relatados entre 1,6 milhão de casos confirmados sugerem uma taxa de mortalidade de pouco mais de 6%, mas especialistas dizem que a o índice real de mortes pode ser muito menor, visto que os casos leves ou assintomáticos não são contados no total.

Países como Espanha e Itália tiveram uma taxa de mortalidade mais alta do que outros países, em parte porque eles têm uma população envelhecida que corre mais risco de complicações da Covid-19.

Alguns especialistas têm questionado a validade de números auto-reportados de coronavírus na China, depois que surgiram relatos que indicam que as autoridades chinesas suprimiram as notícias do surto quando o vírus começou a se espalhar em Wuhan de modo a não relatar o número real de casos e mortes provocados.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos lideram na quantidade de casos confirmados de coronavírus no mundo, com quase 500 mil registramos hoje, seguidos pela Itália e Espanha. Países como China e Coreia do Sul, que foram brutalmente atingidos pelo vírus, estão vendo um declínio em novos casos e reativamento das atividades. Já alguns países da Europa, como Espanha, França e Itália, ainda estão impondo medidas contra o coronavírus, na tentativa de conter novas infecções. Nova York, o epicentro da pandemia no EUA, relatou ontem sua primeira queda nas novas hospitalizações por coronavírus em três semanas.

O número de mortes pela Covid-19 é comparável ao da Grande Praga de Londres, que estima-se ter dizimado a cidade ao provocar cerca de 100 mil óbitos, aproximadamente um terço dos londrinos. No entanto, ainda não atingiu a devastação provocada pela pandemia de 1918, que acredita-se ter matado mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).