Ericsson investirá R$ 1 bi para desenvolver 5G no Brasil, diz executivo

Reuters
Reuters

Empresa pretende desenvolver uma nova linha de montagem exclusivamente dedicada a produtos de tecnologia 5G

A fabricante sueca de equipamentos de telecomunicações Ericsson planeja investir R$ 1 bilhão para ampliar sua fábrica em São José dos Campos (SP), desenvolvendo uma nova linha de montagem exclusivamente dedicada a produtos de tecnologia 5G que serão fornecidos para toda a América Latina.

O movimento deve acirrar a competição com a finlandesa Nokia Oyj e a chinesa Huawei Technologies, que também têm fábricas em São Paulo e estão na corrida para liderar a implantação do 5G no Brasil.

LEIA MAIS: Ericsson supera estimativas de lucro com demanda acima do esperado para 5G

“Já exportamos 40% do que é montado em nossa fábrica do Brasil para os países da América Latina e com o 5G não vai ser diferente. Essa linha de montagem vai servir Brasil e todos os países latino-americanos”, disse Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson Latam South, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro ontem (25).

O investimento será realizado entre 2020 e 2025 e inclui o custo de contratação e aquisição de máquinas, entre outras despesas, acrescentou o executivo.

Inicialmente, a empresa sueca gastará R$ 200 milhões para instalar a nova linha de montagem, disse Ricotta. “Nosso planejamento é que partir do terceiro trimestre de 2020 essa nova linha de montagem esteja funcionando, mas vamos equilibrar essa data de acordo com o leilão do 5G.”

VEJA TAMBÉM: Huawei manterá crescimento robusto mesmo sem fornecedores nos EUA

A agência reguladora Anatel ainda está determinando as regras para o leilão, que foi inicialmente agendado para março do próximo ano, mas depois adiado, pois ainda estão em andamento testes de interferência em outros serviços.

“Sempre nos planejamos esperando um pouco de desvio na questão do timing do investimento. Mas acreditamos que o momento correto é agora, já que essa fábrica servirá também outros mercados na região”, afirmou o executivo, sem divulgar os principais destinos.

Contudo, se o governo brasileiro adiar o leilão de 5G para 2021, a Ericsson estima uma perda de cerca de R$ 25 bilhões aos cofres públicos entre 2021 e 2025, segundo relatório divulgado no começo de outubro, que cita perdas em impostos com vendas de equipamentos, celulares, além de investimentos.

Em geral, a empresa estima que a implantação do 5G no Brasil deverá gerar R$ 10 bilhões em investimentos diretos e abertura de mais de 200 mil vagas de trabalho em todo o país, segundo o levantamento.

O investimento da Ericsson em uma nova linha de montagem para 5G no Brasil surge mais de três meses depois que a rival Huawei anunciou planos de construir uma fábrica de smartphones de US$ 800 milhões também em São Paulo nos próximos três anos, em um esforço para aumentar sua presença na América Latina enquanto enfrenta objeções do governo norte-americano.

Segundo Ricotta, 23 das redes 5G já em operação estão usando a tecnologia da Ericsson e o grupo assinou 80 acordos em todo o mundo.

“Somos o único fabricante que tem redes 5G funcionando em todos os continentes e são redes de grande porte, principalmente nos Estados Unidos”, afirmou.

Em seu relatório de mobilidade divulgado nesta segunda-feira, a Ericsson projeta que o 5G cobrirá 65% da população mundial até 2025, atingindo 2,6 bilhões de assinaturas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).