Como usar o ego para melhorar o desempenho e ter sucesso na carreira

Entenda como transformar e aprender com os pensamentos negativos e conflitos internos.

Bryan Robinson
Compartilhe esta publicação:
MStudio Images/Getty Images
MStudio Images/Getty Images

Usar o ego como um aliado ajuda no bem-estar e intensifica o potencial no trabalho

Acessibilidade


Quando o popular cantor e compositor Shawn Mendes pisa no palco em frente a arenas lotadas, seu ego frequentemente assume o controle para ajudá-lo a se apresentar. Mas isso inevitavelmente faz com que ele escorregue. No documentário da Netflix “In Wonder”, Mendes descreve como seu ego rapidamente aparece e fica em seu caminho:

“Você primeiro sobe no palco, e o ego vem correndo. E assim vai. ‘Não estrague porque você é o cara. Todo mundo está dizendo que você é o cara, então não bagunce’. Então, eu pego o microfone e trinta segundos depois, você pensa, ‘Ah, sim, sou apenas um cara e adoro música’. E eu simplesmente me solto, olho em volta e penso: ‘Apenas faça isso. Abandone o ego. É hora de se render’”.

LEIA MAIS: 32 hábitos para desenvolver a resiliência e progredir na vida profissional

Não importa em que estágio você esteja –gerente de negócios, CEO, contador, advogado, amante, médico, pai– muitas vezes, o ego entra sem o seu consentimento ou consciência. Em sua própria maneira irônica, ele tenta ajudá-lo a enfrentar ameaças de desempenho. Muito parecido com um sargento durão que não quer que seu soldado tenha a cabeça estourada em combate, seu ego aumenta o volume para que você não fique aquém. Está presente quando você lança uma ideia para sua equipe, faz uma entrevista para um novo cargo ou uma apresentação aos seus colegas. Embora a função do ego seja protegê-lo de falhas ou críticas e ajudá-lo a ter um bom desempenho, na maioria das vezes parece que está tentando enganá-lo.

Ego: Amigo ou Inimigo?

Se você é como a maioria das pessoas, quando pensa no ego, isso traz uma imagem negativa, talvez de alguém que é arrogante, pomposo —até narcisista— e se torna algo do qual você deseja se livrar. Muitos profissionais de saúde mental mal-informados referem-se ao ego em termos depreciativos e recomendam matar seu “demônio”, “dragão” ou “valentão”. Eles usam palavras como vencer, combater, conquistar, lutar ou batalhar para lidar com isso. Alguns círculos de meditação defendem deixar seu ego do lado de fora com seus sapatos, queimá-lo ou tentar se livrar dele de alguma forma. Essas estratégias equivocadas são como dizer a alguém para atacar o corpo de bombeiros quando sua casa está em chamas. Isso o envolve em um relacionamento contraditório consigo mesmo, criando ainda mais lutas internas, frustração e caos –o próprio cenário a ser evitado se você quiser prosperar.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O ego foi grosseiramente mal-interpretado como o inimigo quando, na verdade, é seu melhor amigo, seu guarda-costas pessoal, empacotando calor à procura de ameaças potenciais. Agindo sozinho, sem a colaboração de seu córtex pré-frontal, o ego é instintivo, rápido e autocentrado. Isso pode lhe dar um soco no estômago, tornando-o infeliz pelos pequenos erros de carreira. É duro, brutal e destruidor, mas sem ele você não sobreviveria aos desafios da vida. Isso o pressiona com ansiedade de desempenho ou o faz pensar que não é bom o suficiente. Ao mantê-lo protegido do perigo, pode impedi-lo de alcançar o sucesso.

O paradoxo é que a intenção do ego é ajudá-lo a ter um bom desempenho, embora inábil, e muitas vezes atrapalha. Como um pai protegendo uma criança ou monitorando as contas de mídia social de um adolescente de mente independente, os sensores do ego são colocados em hiperalerta, procurando constantemente perigos em potencial, tudo em nome da segurança e do cuidado. Mas, assim como um pai superprotetor pode sufocar o desenvolvimento da criança, a hipervigilância do ego –não importa quão bem-intencionada– nos trava. “Temos que aprender a ignorar esse instinto, lembrando que sobreviver não é o objetivo da vida”, diz Michele Sullivan, ex-presidente da Caterpillar Foundation e autora de “Looking Up: How a Different Perspective Turns Obstacles Into Advantages” (sem edição em português). “Prosperar requer abraçar uma perspectiva mais ampla sobre os outros, em vez dos julgamentos precipitados que nosso cérebro forma à primeira vista.”

Seu ‘Tor-Mento’ é, na verdade, seu ‘Mentor’

Às vezes, pode parecer que seu ego é o seu algoz, usando seus julgamentos rápidos e negatividade “sempre ligados” contra você. Você precisa dele para reagir rapidamente a situações ameaçadoras. Se seu escritório está pegando fogo, alguém arromba sua casa ou você sofre um acidente de carro, suas reações ultrarrápidas o mantém protegido de perigos. Quando você está em frente a um grupo de colegas profissionais, ele reage com a mesma rapidez para ajudá-lo a fazer o melhor. Ainda assim, tem recebido uma péssima reputação, muitas vezes descrito como um oponente não confiável para sua “mente pensante”.

A menos que o administre, seu ego continuará a pegá-lo de surpresa puxando o tapete debaixo de você em uma velocidade tão rápida que você não saberá o que o atingiu. Quando se vive nesse estado por muito tempo —os alarmes soam a todo vapor— isso ofusca sua clareza, otimismo, paz de espírito, bem-estar e potencial para crescimento pessoal e profissional.

Abrace seu ‘dragão’ interior

Depois que você aprende a ser amigo de seu ego –em vez de lutar ou tentar se livrar dele– você põe de lado o que quer que seja seu desempenho, assim como Shawn Mendes faz regularmente. Ao abandoná-lo –sem um ataque de aceleração total a ele—, você pode ter um desempenho melhor no trabalho. É contra-intuitivo, mas é tão fácil se construir quanto se destruir.

Você não pode se livrar do seu ego de qualquer maneira porque você não pode se livrar de si mesmo, e ninguém pode resgatá-lo de você mesmo. Portanto, a solução é ser por você – não contra você. Tente manter a voz crítica do ego com o braço estendido e ouça-a com um ouvido imparcial, como uma parte de você —não como você. Imagine alguém o repreendendo pelo seu telefone celular e você segura o telefone longe do ouvido. Da mesma forma, ouvir a mensagem de longe lhe distancia dela e evita que você se derrube.

Os canoístas dizem que a melhor maneira de escapar quando presos em um sistema hidráulico –uma corrente turbulenta em forma de funil– é relaxando, e ele o cuspirá. Mas a tendência natural é lutar contra a corrente e isso pode mantê-lo preso, até mesmo afogá-lo. Da mesma forma, a maneira de se libertar de uma torrente de pensamentos do ego que flui pela sua mente é se render a eles. Simplesmente observe, dê boas-vindas e observe com curiosidade. Em seguida, reconheça isso como uma parte separada de você. Conforme isso acontece, você sente uma liberação das garras do ego.

Em uma entrevista com o âncora da “ABC News” Dan Harris sobre sua jornada pessoal, ele me descreveu como lida com os pensamentos do ego: “Em vez de enfrentar a agressão com mais agressão, mande um beijo e diga: ‘Entendi. Eu saúdo você. Bem-vindo à festa’. Existe essa ideia na cultura ocidental de que vamos matar nossos dragões internos, mas acho que abraçar o dragão é a chave. ”

Quando você começa a pensar em seu ego com apreço por suas intenções –não como seu algoz, mas como seu mentor— é mais fácil. Deixe-o ir e vir sem lutar, personalizar, julgar, ignorar, resistir ou se identificar com ele. Ele flutuará para longe, todo o seu corpo se soltará e você sentirá calma, clareza e paz de espírito. Assim, será capaz de dominar praticamente qualquer desempenho de trabalho ou desafio de carreira que surgir em seu caminho.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: