Pesquisa indica: só 4% dos empregadores exigem retorno ao presencial nos EUA

Na contramão das tendências, os bancos de Wall Street continuam exigindo o retorno integral ao presencial. Mas são quase os únicos em todo o país.

Jena McGregor
Compartilhe esta publicação:

Os bancos de Wall Street continuam exigindo o retorno integral ao presencial, mas uma pesquisa mostrou que o trabalho híbrido veio para ficar

Acessibilidade


Os mesmos bancos de Wall Street continuam sendo mencionados repetidamente como exemplos de empresas que exigem trabalho em tempo integral no escritório. Mas eles não terão adeptos para esse modelo no futuro. 

Uma nova pesquisa com líderes de recursos humanos do Conference Board, uma organização sem fins lucrativos grupo de pesquisa de negócios, descobriu que apenas 4% dos bancos estão exigindo que todos os funcionários retornem ao local de trabalho em tempo integral. E menos da metade (45%) disse que estava exigindo aos trabalhadores a regressar ao escritório cinco dias por semana.

Leia mais: Executivas contam o aprendizado da maternidade que levaram para a carreira

“Ficamos todos muito chocados”, diz Robin Erickson, vice-presidente de capital humano da Conference Board. “Ficamos surpresos com o que ouvimos sobre quantos empregadores estão exigindo que os trabalhadores voltem em tempo integral”. Em outras palavras: o trabalho híbrido parece estar se firmando. A pesquisa descobriu que 90% dos empregadores pesquisados ​​estão permitindo horários de trabalho flexíveis, mesmo que seja exigida alguma visita ocasional ao escritório. Os trabalhadores decidem por conta própria.

Erickson acredita que o percentual pode não ficar tão baixo, principalmente se o mercado de trabalho esfriar, mas por enquanto há muita pressão sobre as empresas para serem flexíveis por parte dos trabalhadores. “O trabalho híbrido será o legado organizacional mais duradouro da Covid-19, mas acho que o pêndulo vai balançar para trás”, diz Erickson.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Os empregadores vão decidir que perderam muito em termos de colaboração e cultura. Acho que será necessária uma recessão quando os empregos não estiverem mais tão abundantes”. É possível que o viés da pergunta na pesquisa esteja levando a porcentagem ao resultado obtido. Muitas empresas podem ter grupos de funcionários que podem trabalhar de forma híbrida enquanto outros devem trabalhar no local. Caso contrário, Erickson diz que a amostra de é de 179 líderes distribuídos por setor, região, tamanho e outros fatores.

A porcentagem baixa não surpreende Nicholas Bloom, professor de economia da Universidade de Stanford cuja pesquisa sobre trabalho remoto é amplamente citada. Bloom e seus colegas da Universidade de Chicago e do ITAM constataram em abril que entre os trabalhadores cujas tarefas podem ser feitas em casa, o número médio de dias que podem trabalhar remotamente é de 2 a 3 e poucos desses funcionários podem fazer isso quando querem.

“A parcela de funcionários que desempenham tarefas que podem ser feitas de casa (por exemplo, trabalhos de escritório) mas são forçados a ir ao escritório cinco dias por semana… é muito pequena”, escreveu Bloom em um e-mail para a Forbes. “Não faz sentido – os funcionários são mais felizes e mais produtivos quando trabalham em casa dois ou três dias por semana, então poucos empregadores os forçam a voltar para o escritório em tempo integral.”

Formação é mais importante que trabalho presencial

O relatório do Conference Board sobre o “local de trabalho repensado”, com base em uma pesquisa que colheu material quatro vezes desde o início da pandemia, também descobriu que, pela primeira vez, os empregadores estão mais preocupados em encontrar funcionários com maior nível de formação do que trabalhadores braçais, sugerindo que a Grande Demissão vai se tornar um grande problema entre os cargos de colarinho branco.

Em abril de 2021, a pesquisa levantou que apenas 60% dos empregadores disseram estar preocupados em encontrar pessoas graduadas para preencher empregos. Esse número subiu para 84% em março de 2022. Enquanto isso, a porcentagem de líderes de RH preocupados com a contratação foi muito maior na última temporada (80%), mas subiu para apenas 81% na última pesquisa. 

“Não é mais apenas uma questão do trabalhador estar na linha de frente”, diz Erickson. Essa é outra razão pela qual é importante que as empresas permitam que os funcionários trabalhem remotamente em pelo menos parte do tempo se eles puderem. Aqueles exigindo que todos voltem cinco dias por semana “não terão muitos adeptos. As pessoas vão desistir e você vai lidar com problemas de atrito”.

Compartilhe esta publicação: