CEO da Nissan planeja encontro com chefe da Renault

Aliança entre as montadoras pode estar ameaçada após prisão de Ghosn.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

O encontro acontecerá paralelamente a conversas mensais entre os sócios e a Mitsubishi Motor

Acessibilidade


O presidente-executivo da Nissan planeja se encontrar pessoalmente com o vice-presidente-executivo da parceira Renault em Amsterdã esta semana, disseram fontes à Reuters, em meio às tensões sobre o futuro da aliança entre as montadoras após a prisão do presidente do conselho Carlos Ghosn no mês passado.

LEIA MAIS: Nissan diz que Ghosn pegou documentos de residência no Rio

A reunião seria a primeira interação frente a frente entre Hiroto Saikawa, da Nissan, e Thierry Bolloré, da Renault, desde que Ghosn foi preso em 19 de novembro, em Tóquio.

O encontro acontecerá paralelamente a conversas mensais entre os sócios e a Mitsubishi Motor, que também faz parte da parceria, que devem durar dois dias a partir de hoje (18), segundo uma das fontes familiarizadas com o assunto.

Saikawa, que sucedeu Ghosn na presidência-executiva no ano passado, planeja discutir na reunião com Bolloré possíveis mudanças na gestão e nas operações da parceria, com o objetivo de continuar a aliança, disse outra fonte próxima à administração da Nissan.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As negociações em Amsterdã poderão proporcionar à Saikawa uma oportunidade para tentar convencer os executivos da Renault sobre a gravidade da alegada má conduta de Ghosn, descoberta durante uma investigação interna da montadora japonesa.

VEJA TAMBÉM: Irmã de Ghosn é acusada de “enriquecimento sem causa”

O encontro acontece um dia depois que Saikawa rejeitou uma demanda da Renault por uma reunião extraordinária de acionistas que teria oferecido à montadora francesa uma chance de pensar sobre um substituto de Ghosn como presidente do conselho e em outras nomeações da diretoria da Nissan.

Ghosn foi acusado na semana passada ao lado do suposto cúmplice Greg Kelly e da própria Nissan por não declarar US$ 43 milhões em receita diferida que recebeu como presidente-executivo.

Compartilhe esta publicação: