60 pessoas são presas no festival Burning Man

O número de detenções foi maior do que o registrado nos últimos anos.

Rachel Sandler
Compartilhe esta publicação:
ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

O número de detenções foi o mais alto dos últimos seis anos

Acessibilidade


Resumo: 

  • O festival Burning Man ocorre no deserto do norte de Nevada; 
  • Na edição deste ano, 60 pessoas foram presas, a maioria por posse de substâncias ilícitas;
  • O evento é conhecido permissividade no uso de drogas.

VEJA TAMBÉM: Parlamento britânico rejeita pedido de Johnson por eleição antecipada

Sessenta pessoas foram presas na edição de 2019 do festival Burning Man, que ocorreu no deserto do norte de Nevada. Segundo um porta-voz do escritório do xerife do condado de Pershing, foi o número mais alto dos últimos seis anos, resultado do aumento da fiscalização no evento, que é conhecido pela permissividade no uso de drogas.

A maioria das prisões ocorreu por posse de drogas, informou o “Reno Gazette Journal”. Porém, ocorreram casos mais graves, como agressão sexual, em que um homem de 36 anos acusado do crime teve sua fiança estimada em US$ 150 mil. O valor mais alto de fiança, no entanto, foi de US$ 500 mil pelo tráfico de mais de 28 gramas de uma substância controlada, também de acordo com a publicação.

O número de detenções é superior às 43 do ano passado e às 58 pessoas que foram presas em 2017. E é muito maior que 2013, quando apenas seis pessoas foram detidas. Após sua eleição, em 2015, o xerife do condado de Pershing, Jerry Allen, prometeu aumentar a fiscalização no deserto de Black Rock durante o evento, que atrai dezenas de milhares de pessoas a cada ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Não temos pessoal suficiente para um evento com 70 mil pessoas nuas, mas defenderemos a lei da melhor maneira possível”, disse Allen, em 2015, segundo o “Reno Gazette Journal”. “Burning Man não leva nada ao condado de Pershing, exceto problemas”, acrescentou.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: