Distanciamento social pode precisar durar 18 meses, segundo estudo do Reino Unido

Medidas de contenção do novo coronavírus precisam ser tomadas até que uma vacina esteja disponível.

Carlie Porterfield
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/ Ian Hinchliffe - PA Images / Colaborador
GettyImages/ Ian Hinchliffe - PA Images / Colaborador

Passageiros do metrô no Reino Unido elegem se querem ou não usar máscaras para se protegerem da pandemia de coronavírus

Acessibilidade


As medidas de isolamento pelo público britânico para ajudar a suprimir o coronavírus podem precisar ser mantidas por 18 meses, até que uma vacina esteja amplamente disponível, de acordo com um estudo que também descobriu que a estratégia inicial do Reino Unido para lidar com a pandemia de coronavírus poderia ter levado à morte de até 250 mil pessoas, levando o governo a rever seus procedimentos.

O estudo, divulgado pelo Imperial College na noite de ontem (16), descobriu que a tática mais eficaz para combater a pandemia de coronavírus seria a supressão –semelhante à promulgada pelas autoridades chinesas– e exigiria que toda a população do Reino Unido praticasse distanciamento social, além de isolamento de casos infectados e quarentena familiar de familiares.

LEIA MAIS: Como não surtar em tempos de isolamento

De acordo com o documento, as medidas tomadas para conter o vírus teriam de ser mantidas até que uma vacina contra o coronavírus se tornasse amplamente disponível, possivelmente em 18 meses.

A estratégia anterior, referida no relatório da Imperial College como “mitigação”, consistia em isolamento de casos suspeitos e familiares, mas não incluía ações a serem tomadas pelo resto da sociedade britânica –esse plano pode ter retardado a disseminação do coronavírus, mas não o interromperia, de acordo com o relatório.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O plano continuasse em curso, poderia ter resultado em até 250 mil mortes na Grã-Bretanha, segundo pesquisadores da Imperial College. Nem todas as mortes seriam causadas por coronavírus, no entanto, pois também foram incluídas vítimas de outras doenças que o Serviço Nacional de Saúde ficaria sobrecarregado para tratar em caso de superlotação hospitalar.

O relatório havia informado a formulação de políticas do Reino Unido, assim como em outros países, nas últimas semanas – a divulgação do relatório coincidiu com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciando novas diretrizes para o público britânico a seguir, incluindo a prevenção de bares, restaurantes e trabalho. de casa, se possível.

A divulgação do estudo coincidiu com um novo anúncio de diretrizes do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, incluindo o ato de evitar bares e restaurantes e trabalhar de casa, se possível.

Segundo a Reuters, hoje (17), o número de casos confirmados de coronavírus no Reino Unido aumentou 26%, para 1.950 pacientes. A NHS anunciou 71 mortes totais, e a Sky News informou que aqueles que morreram tinham entre 45 e 93 anos de idade, com condições de saúde subjacentes.

LEIA TAMBÉM: Primeira pessoa recebe vacina experimental contra coronavírus em Seattle

Neil Ferguson, diretor do MRC Center for Global Infectious Disease Analysis, que liderou o estudo do Imperial College, disse que, em termos da disseminação do coronavírus, o Reino Unido está três semanas atrás da Itália e duas semanas atrás da França e da Espanha.

As escolas do Reino Unido ainda não receberam ordem para fechar, mas pode isso pode estar próximo de acontecer, à medida que a pressão aumenta para manter as crianças em casa. Ferguson disse que o fechamento de escolas e universidades impediria a propagação do coronavírus.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: