Distanciamento social pode precisar durar 18 meses, segundo estudo do Reino Unido

GettyImages/ Ian Hinchliffe - PA Images / Colaborador
GettyImages/ Ian Hinchliffe - PA Images / Colaborador

Passageiros do metrô no Reino Unido elegem se querem ou não usar máscaras para se protegerem da pandemia de coronavírus

As medidas de isolamento pelo público britânico para ajudar a suprimir o coronavírus podem precisar ser mantidas por 18 meses, até que uma vacina esteja amplamente disponível, de acordo com um estudo que também descobriu que a estratégia inicial do Reino Unido para lidar com a pandemia de coronavírus poderia ter levado à morte de até 250 mil pessoas, levando o governo a rever seus procedimentos.

O estudo, divulgado pelo Imperial College na noite de ontem (16), descobriu que a tática mais eficaz para combater a pandemia de coronavírus seria a supressão –semelhante à promulgada pelas autoridades chinesas– e exigiria que toda a população do Reino Unido praticasse distanciamento social, além de isolamento de casos infectados e quarentena familiar de familiares.

LEIA MAIS: Como não surtar em tempos de isolamento

De acordo com o documento, as medidas tomadas para conter o vírus teriam de ser mantidas até que uma vacina contra o coronavírus se tornasse amplamente disponível, possivelmente em 18 meses.

A estratégia anterior, referida no relatório da Imperial College como “mitigação”, consistia em isolamento de casos suspeitos e familiares, mas não incluía ações a serem tomadas pelo resto da sociedade britânica –esse plano pode ter retardado a disseminação do coronavírus, mas não o interromperia, de acordo com o relatório.

O plano continuasse em curso, poderia ter resultado em até 250 mil mortes na Grã-Bretanha, segundo pesquisadores da Imperial College. Nem todas as mortes seriam causadas por coronavírus, no entanto, pois também foram incluídas vítimas de outras doenças que o Serviço Nacional de Saúde ficaria sobrecarregado para tratar em caso de superlotação hospitalar.

O relatório havia informado a formulação de políticas do Reino Unido, assim como em outros países, nas últimas semanas – a divulgação do relatório coincidiu com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciando novas diretrizes para o público britânico a seguir, incluindo a prevenção de bares, restaurantes e trabalho. de casa, se possível.

A divulgação do estudo coincidiu com um novo anúncio de diretrizes do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, incluindo o ato de evitar bares e restaurantes e trabalhar de casa, se possível.

Segundo a Reuters, hoje (17), o número de casos confirmados de coronavírus no Reino Unido aumentou 26%, para 1.950 pacientes. A NHS anunciou 71 mortes totais, e a Sky News informou que aqueles que morreram tinham entre 45 e 93 anos de idade, com condições de saúde subjacentes.

LEIA TAMBÉM: Primeira pessoa recebe vacina experimental contra coronavírus em Seattle

Neil Ferguson, diretor do MRC Center for Global Infectious Disease Analysis, que liderou o estudo do Imperial College, disse que, em termos da disseminação do coronavírus, o Reino Unido está três semanas atrás da Itália e duas semanas atrás da França e da Espanha.

As escolas do Reino Unido ainda não receberam ordem para fechar, mas pode isso pode estar próximo de acontecer, à medida que a pressão aumenta para manter as crianças em casa. Ferguson disse que o fechamento de escolas e universidades impediria a propagação do coronavírus.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).