Estudo chinês diz que hidroxicloroquina é ineficaz no tratamento de hospitalizados com Covid-19

Reprodução
Reprodução

Dos 30 pacientes, apenas um progrediu para estágios graves da doença

Os resultados de um ensaio clínico controlado da China sobre o uso da hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19 não mostraram diferenças significativas entre o grupo controle e os pacientes que receberam o medicamento experimental.

Trinta pacientes hospitalizados com Covid-19 participaram do monitoramento. Desses, 15 foram tratados com 400 mg de cloroquina por cinco dias e 15 receberam o tratamento padrão. No dia 7 do experimento, ambos os grupos foram avaliados.

VEJA TAMBÉM: Potencial tratamento para o coronavírus anunciado por Trump já tem escassez, dizem farmacêuticos

Resultados

A tomografia computadorizada mostrou que houve pouca diferença na progressão da doença entre aqueles que receberam o tratamento com hidroxicloroquina e os que receberam tratamento convencional.

Dos 30 pacientes, apenas um progrediu para estágios graves da doença –ele havia recebido hidroxicloroquina como parte de seu tratamento.

Noventa e três por cento dos pacientes no grupo de controle tiveram resultado negativo para Covid-19 após sete dias, em comparação com 86,7% dos pacientes na parcela tratada com hidroxicloroquina.

Os pacientes do grupo controle levaram entre 1 e 4 dias desde o início do tratamento até testar negativo para a doença. Aqueles do grupo tratado com hidroxicloroquina levaram entre 1 e 9 dias desde o início do tratamento até testar negativo.

E AINDA: Distanciamento, quarentena e escolas fechadas é combinação mais eficaz para controlar Covid-19, diz estudo

Os resultados foram estatisticamente indistinguíveis, o que significa que não houve diferença mensurável entre os grupos que receberam o tratamento com hidroxicloroquina e os que não receberam.

O que tudo isso significa?

Os pesquisadores que conduziram o estudo, uma equipe do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai, na China, reconhecem que seu estudo clínico foi pequeno e que seria necessário um levantamento maior para confirmar os resultados. O estudo também traz questões que permanecem sem resposta sobre se diferentes doses de hidroxicloroquina podem apresentar resultados diferentes.

Ainda assim, apesar de suas limitações, os resultados do estudo são importantes –podem ajudar a conter falsas esperanças que encorajam as pessoas a abandonar as medidas que previnem contra a doença. Esses resultados também devem ser considerados como uma luz quanto aos efeitos colaterais nocivos da hidroxicloroquina.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).