Brasil tem 100 mil testes de coronavírus ainda não contabilizados; 600 novas mortes são anunciadas

REUTERS_Ueslei-Marcelino
Segundo o secretário de Vigilância em Saúde do ministério Wanderson Oliveira, é impossível saber quantos desses testes retornarão positivivos

O Ministério da Saúde informou hoje (5) que ainda aguarda o envio dos resultados de cerca de 100 mil testes de Covid-19 realizados por laboratórios particulares de todo o país, o que pode impactar enormemente no número de casos confirmados da doença.

Até o momento, o Brasil tem 114.715 casos confirmados do novo coronavírus, de acordo com dados divulgados nesta terça pelo ministério, com 7.921 óbitos.

LEIA MAIS: ONU pede vacinas e tratamentos de Covid-19 disponíveis para todos

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Oliveira, disse que não é possível estimar quantos dos cerca de 100 mil testes ainda não enviados ao ministério terão resultado positivo.

Wanderson informou ainda que o governo federal já enviou aos Estados 1,6 milhão de testes moleculares e mais 3,4 milhões de testes rápidos.

O país registrou o maior número de novas mortes em decorrência do novo coronavírus desde o início da pandemia, com a contabilização de 600 novos óbitos.

Em relação à quantidade de casos confirmados de infecção pelo vírus, o país teve salto de 6.935 em relação a ontem (4), chegando a 114.715. Embora o número represente uma leve alta ante os 6.633 casos confirmados na segunda-feira, não supera o recorde de 7.218 visto em 30 de abril.

O recorde anterior para a contagem diária de óbitos era de 28 de abril, quando o país registrou 474 mortes.

Wanderson Oliveira ressaltou que as 600 novas mortes contabilizadas não ocorreram necessariamente nas últimas 24 horas, apenas entraram no sistema ao longo do dia.

São Paulo continua sendo o Estado mais afetado pela doença no Brasil, com 34.053 casos – alta de 1.866 na comparação diária – e 2.851 mortes, avanço de 197 em relação à véspera.

O coordenador Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, David Uip, afirmou nesta terça-feira que o sistema de saúde do Estado terá problemas em, no máximo, um mês, caso a média do isolamento social paulista siga abaixo de 50%.

Na sequência da contagem por Estado do ministério vem o Rio de Janeiro, com 12.391 casos e 1.123 mortes, acompanhado pelo Ceará (11.470 infecções, 795 óbitos), cuja capital Fortaleza anunciou que entrará em lockdown a partir de sexta-feira.

A letalidade da doença no país é de 6,9%, acrescentou o Ministério da Saúde.

(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).