Pesquisadores ingleses dizem que dexametasona pode reduzir mortes por Covid-19 em um terço

Getty Images
Getty Images

A droga dexametosona reduziu as mortes em 35% nos pacientes que precisavam de tratamento com aparelhos respiratórios

Um esteroide chamado dexametasona reduziu as mortes em até um terço em pacientes hospitalizados gravemente doentes, de acordo com pesquisadores da Inglaterra, que anunciaram resultados de um ensaio clínico hoje (16).

De acordo com o estudo, o medicamento foi administrado oralmente ou por via intravenosa. Segundo informações, a droga reduziu as mortes em 35% nos pacientes que precisavam de tratamento com aparelhos respiratórios e em 20% naqueles que precisavam apenas de oxigênio suplementar. O medicamento pareceu não ajudar pacientes em condições menos graves.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Dexametasona é um esteróide relativamente barato, e os resultados foram descritos como um “grande avanço” pelos cientistas que dirigiram o ensaio clínico liderado pelo Reino Unido.

No estudo, um grupo randomizado de 2.104 pacientes recebeu 6 mg de dexametasona por dia durante 10 dias, enquanto outro grupo de 4.321 recebeu tratamento normal.

“Com base nesses resultados, uma morte seria evitada pelo tratamento em cerca de oito pacientes ventilados ou cerca de 25 pacientes que necessitam apenas de oxigênio”, disseram os pesquisadores em comunicado.

Atualmente, não há tratamentos aprovados ou vacinas disponíveis contra a Covid-19.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).