Mulheres em combate: 6 líderes brasileiras na linha de frente da crise de Covid-19

Weerayut Ranmai/Cavan Images/GettyImages
Weerayut Ranmai/Cavan Images/GettyImages

Mulheres representam 65% dos seis milhões de profissionais da área da saúde no Brasil

Na semana em que o número de casos de Covid-19 no Brasil chegou a 3 milhões e o de mortes atingiu a marca histórica de 100 mil, mais do que nunca os desafios impostos pelo novo coronavírus requerem atenção. Além das iniciativas de assistência social e econômica, a pandemia demanda ações rápidas, efetivas e antecipadas na área da saúde –marcada pela prevalência dos rostos de mulheres.

Forbes

Segundo o relatório “Covid-19: Um Olhar para Gênero” do Fundo de População das Nações Unidas (da sigla em inglês UNFPA), 70% da força de trabalho ligada à área da saúde no mundo é feminina. No Brasil, os números são parecidos. O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), indica que 65% dos seis milhões de profissionais do setor são do sexo feminino –em áreas como fonoaudiologia, nutrição e serviço social elas ultrapassar 90% de presença, e 80% em enfermagem e psicologia.

VEJA TAMBÉM: Mulheres na liderança são o diferencial dos países com as melhores respostas ao coronavírus

Forbes

Quando são levadas em consideração apenas as profissões de médico, agente comunitário, técnico de enfermagem e auxiliar de enfermagem, dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) 2020 apontam que a força de trabalho feminina ocupa 78,9% dos postos.

Forbes

A presença massiva de mulheres pode, ao mesmo tempo, representar uma vitória, em questão de presença equitativa profissional, mas também uma derrota. Para Elizabeth Hernandes e Luciana Vieira, autoras do artigo “A Guerra Tem Rosto de Mulher: Trabalhadoras da Saúde no Enfrentamento à Covid-19”, a área da saúde, que envolve cuidados com terceiros, sofre um fenômeno social chamado de feminilização: quando a presença de mulheres implica no valor atribuído às ocupações e os cargos passam a ser socialmente considerados de menor qualificação, remuneração e prestígio.

Forbes

Entre os médicos, profissão de maior remuneração e reconhecimento, os homens ainda são maioria (52,5%) e possuem salários maiores do que mulheres em postos equivalentes. O estudo de Demografia Médica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) diz que as mulheres têm menor probabilidade de chegar ao topo salarial e estão nos patamares mais baixos de remuneração no Brasil: 80% delas recebe até US$ 7.175, enquanto 51% deles recebe acima deste valor. Ainda com informações do estudo, homens têm 17,1% de chance de chegar ao topo da remuneração da categoria, já as mulheres apenas 4,1%, probabilidade mais de quatro vezes menor em comparação aos colegas do sexo masculino.

Forbes

A presença das mulheres na linha de frente do combate à Covid-19 implica também em maior risco de contaminação e, consequentemente, óbitos. Espanha e Itália, países fortemente afetados pela transmissão do novo coronavírus, identificaram que 72% e 66% dos profissionais da saúde infectados são mulheres.

E AINDA: Mulheres mais poderosas do Brasil em 2020

Mesmo diante de inúmeros indicativos desanimadores, elas continuam na busca por ocupar espaços e realizar trabalhos relevantes para a sociedade.

Conheça, na galeria de imagens a seguir, seis mulheres brasileiras na liderança do combate à crise de Covid-19 e seus feitos:

  • Dra. Ludhmila Hajjar

    Professora da Universidade de São Paulo, médica cardiologista, porta-voz da Sociedade Brasileira de Cardiologia e chefe de UTI no Hospital da Clínicas de São Paulo

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Treinamento de médicos para combate à doença e cuidado de pacientes infectados; participação ativa nas reuniões de atualização sobre o avanço do novo coronavírus no país.

    Como cardiologista, uma das principais frentes de atuação e estudo de Ludhmila Hajjar, tem sido no impacto da doença no coração e formas de tratamento mais eficazes. Para a doutora, o principal desafio do momento é o treinamento dos profissionais da saúde e estrutura de atendimento. “É preciso capacitar pessoas de todos os locais. Em junho, a doença estava avançando para regiões interioranas e setores periféricos. Então, a preocupação é a capacitação e a estrutura de atendimento”, diz Ludhmila que ressalta: “Esse não é o único desafio da Covid-19. Precisamos ter em mente que outros tratamentos como o de doenças cardíacas, cerebrovasculares e câncer não podem parar, mesmo diante da crise”. Durante a pandemia do novo coronavírus, especialistas médicos de diferentes áreas foram remanejados para assegurar atendimento aos infectados pela doença, o que reduz a força de trabalho disponível para suprir a demanda de outras patologias.

    Ludhmila acredita que a chave para combater a pandemia é uma junção de trabalho em conjunto e comunicação. “Precisamos ter linguagem única e trabalhar de forma unificada em todas os extratos. O governo precisa prover sustentação economia aos vulneráveis e o isolamento deve acontecer de forma responsável e monitorada.” A doutora acredita que a doença possa causar novos picos de infecção e que, neste sentido, o papel da ciência é fundamental na orientação, assim como o apoio internacional.

    Novo normal

    A crise tem transformado a rotina de Ludhmila, antes atuante no tratamento de pacientes com problemas no coração e câncer, hoje, a doutora atua nos cuidados de infectados graves de Covid-19 e treinamento de profissionais 80% do tempo. “Não existe fim de semana e feriado. Me sinto honrada, somos os soldados e precisamos fazer o possível para deixar o exemplo.” Esperançosa, ela não pensa o momento como uma crise: “Vamos utilizar esse momento para implementar mudanças que não ocorreram antes, com foco em tecnologia saúde e educação, para ter uma sociedade mais justa e menos desigual”.

    Claudio Ribeiro/Forbes
  • Dra. Margareth Dalcolmo

    Margareth Dalcolmo é pneumologista e pesquisadora clínica da Fiocruz

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Assistência a pacientes; pesquisa de doenças do trato respiratório e membro das discussões e protocolos de orientação sobre a Covid-19.

    Enquanto pesquisadora Fiocruz, Margareth Dalcolmo tem nas mãos o desafio de analisar estudos e todo o material científico produzido sobre o novo coronavírus, a fim de propor as melhores saídas em tratamento e orientação à população. “Estou na questão assistencial nos protocolos, na análise de toda a literatura, no fornecimento de informações para imprensa médica e leiga”. Em um momento em que a definição sobre o comportamento completo da doença e tratamentos ainda não são totalmente conclusivos, o que impressiona é o grande esforço da classe científica em produzir conhecimento sobre o assunto. “São mais de 40 mil artigos produzidos, nunca houve uma avalanche de informações tão grande quanto temos agora. São estudos que vão de melhores práticas a tratamentos, fármacos, infecção, reinfecção e condutas.”

    Para ela, os desafios do momento são multidisciplinares e passeiam entre informar a população corretamente com informações confiáveis, promover políticas de saúde pública, reduzir a mortalidade, aumentar a testagem da população e incentivar a participação do setor privado para mitigar a exclusão social. “Isso não é uma responsabilidade só do governo, mas também da sociedade brasileira.” Para estimular a participação do setor privado, a Forbes traz na edição impressa de número 78 a lista das “100 Maiores Empresas Doadoras” do país que, juntas, destinaram mais de R$ 5,4 bilhões contra a Covid-19.

    No combate à pandemia, Margareth apela para um lado pouco pensado da crise: o saneamento básico. Além da necessidade de levar informação, a médica ressalta que metade da população brasileira não tem rede de esgoto tratado e mais de 40 milhões vivem sem água tratada. Tal ponto requer atenção, uma vez que as boas práticas de higiene são primordiais para frear a disseminação da doença causada pelo novo coronavírus. “A crise pode resultar em uma mudança de olhar humanitário e justiça social. Somos a nona maior economia do mundo.”

    Sobre o momento certo de procurar assistência médica, Margareth comenta sobre a mudança de postura: “Revimos alguns conceitos. No início, dissemos que as pessoas não deveriam procurar a unidade de saúde a não ser em casos graves. Hoje está muito claro que diante de sintomas é preciso ir ao médico. Muitas pessoas morreram em casa sem ajuda.”

    Novo normal

    “Sabíamos que a doença chegaria aqui. Ela chegou e mudou a vida dos profissionais da Fiocruz de forma surpreendente. Precisamos remanejar os turnos para diminuir o grau de contaminação e passamos a usar mais equipamentos de proteção –com a mesma indicação para os pacientes.”

    Divulgação/Forbes
  • Elizabete Mitsue Pereira

    Elizabete Mitsue Pereira é doutoranda pela Escola de Enfermagem da USP e Coordenadora da Atenção Básica do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (IABAS)

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Elizabete foi responsável pela implantação do maior hospital de campanha do Brasil, o Hospital de Campanha Anhembi.

    A frente do Hospital de Campanha do Anhembi, Elizabete acredita que os desafios impostos pela pandemia de Covid-19 são muitos e mudam conforme as necessidades, mas um obstáculo recorrente é a estrutura, em sua implementação e gestão. “Temos 72 mil metros quadrados de hospital, a logística é o maior desafio. Por se tratar de uma doença nova, enfrentamos também um déficit quanto a profissionais treinados e, por isso, precisamos pensar em atividades mais intensivas de capacitação. Um ponto positivo é que conseguimos implantar o prontuário eletrônico –isso possibilitou o monitoramento de indicadores em tempo real, tanto presencialmente quanto a distância.” O Hospital de Campanha do Anhembi tem capacidade para atender 1.410 pacientes simultaneamente.

    Enfermeira de formação e responsável pelo Hospital da Brasilândia, que atende exclusivamente pacientes graves de Covid-19 em 115 leitos, Elizabete diz que outro desafio está ligado ao psicológico das equipes de atendimento. “Existe uma angústia muito grande de se contaminar e levar a doença para casa. Identificamos quadros de ansiedade e, pensando nisso, implementamos um trabalho voltado para a saúde mental dos profissionais.”

    Sobre as iniciativas para combater a doença, Elizabete ressalta a necessidade de avaliar cada cenário. Ela acredita que em nível local é preciso tentar manter as pessoas o máximo possível em casa, além de incentivar o uso de máscaras e a higienização das mãos. No âmbito hospitalar, preparação contínua e informação é a chave. “A capacitação deve ser sempre atualizada, e os profissionais devem ser preparados para lidar com o ambiente de trabalho e fora dele –amigos, familiares e como manter-se protegido fora de casa.”

    Novo normal

    “Abri mão de muita coisa. Sou uma pessoa que trabalha com horários, faço atividade física e mantenho uma boa alimentação. Com o ritmo intenso de trabalho, houve dias em que não me alimentei”, diz Elizabete. “Acabei me distanciando da minha família e da minha filha (Giulia, 17 anos). Perdi a noção do que é fim de semana e feriado. O que me motiva é salvar vidas e a esperança de que tudo vai ficar bem.” Desde abril, a equipe de Elizabete conseguiu salvar mais de 2.800 pessoas infectadas com Covid-19.

    Divulgação/Forbes
  • Dra. Mariângela Simão

    Mariângela Simão é vice-diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS)

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Garantia de acesso a fármacos e vacinas em pesquisa para países menos favorecidos economicamente, por meio de políticas e acordos de uso equitativo.
    Atuante no corpo de liderança da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela defende que a maior prioridade do momento é a busca por medicamentos efetivos para o combate à Covid-19 e uma vacina eficaz. “A proposta de ter um medicamento adequado não necessariamente envolve a diminuição dos dias de internação, mas, sim, da mortalidade. Fora a dexametasona, não tem nenhum tratamento específico comprovadamente eficaz. Quanto à vacina, a procura é por uma que possa ser utilizada em larga escala. Temos em torno de 1.580 candidatas e, dentro deste número, 15 em fase adiantada de desenvolvimento.” O segundo passo para a vice-diretora é garantir que os recursos estejam disponíveis para todos que precisam, com garantia de que haja solidariedade internacional. “Uma preocupação são os acordos bilaterais. É preciso pensar globalmente, ainda mais diante de uma crise que envolve um vírus respiratório. Enquanto houver surto em um único país, nenhuma outra nação estará segura.”

    Ela diz que cada nação requer atenção e medidas distintas. “Os países estão passando por diferentes momentos: tem situações de lugares afetados por conflitos, com refugiados e outros com uma logística ruim em sistema de saúde ou com maior proteção social. Em cada um deles o impacto é diferente e neste ponto que entram os governantes”. Para ela, os líderes precisam trabalhar com boa comunicação e garantir a confiança da população local para que as orientações sejam seguidas pelos cidadãos. “O respeito é um questão importante. Se você não confia na autoridade, nada é feito.”

    Novo normal

    “É um trabalho interminável e contínuo, sem feriados e fins de semana. Precisamos acelerar a busca por soluções tecnológicas e desempenhar um trabalho intenso enquanto organização com parceiros para aumentar a velocidade das pesquisas e desenvolvimento de diagnósticos. A rapidez, nesse momento, é fundamental para poupar vidas.”

    Apesar da intensa carga de trabalho, Mariângela diz que, em paralelo, a antiga rotina de trabalho ainda existe. “As pessoas continuam precisando de medicamento para outras doenças. O que a pandemia trouxe foi acréscimo de demanda”.

    ONU/Forbes
  • Dra. Eloisa Bonfá

    Eloisa Bonfá é reumatologista e diretora Clínica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP)

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Atua na gestão do Hospital das Clínicas e em sua transformação em centro para tratamento de Covid-19 e é coordenadora do comitê de crise do HC.

    Com mais de trintas clínicas diferentes, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) foi transformado para atender apenas pacientes com Covid-19. “O instituto foi inteiramente esvaziado e dedicado apenas ao novo coronavírus. Registramos mais de 3.000 internações e 200 pessoas que obtiveram alta”, diz Eloisa Bonfá.

    Ela afirma que durante o processo de atendimento a doentes com Covid-19 foi verificada a necessidade de dedicar espaços de enfermaria para diferentes perfis de pacientes, como crianças, gestantes e pessoas com quadros psiquiátricos. E o maior desafio da transição foi “organizar a equipe multidisciplinar e de diferentes especialidades porque não tínhamos intensivistas suficientes. Montamos times de atendimento rápido para intubação, fazer acesso venoso e de pronação (técnica de colocar o paciente de bruços para aumentar o fluxo sanguíneo)”. A médica diz que manter a equipe motivada também é um esforço constante: “Eles também têm receios. Conseguir com que as pessoas aceitem fazer parte da linha e frente é um trabalho árduo”.

    Para a doutora, a maior meta do momento é conseguir desmobilizar parte das alas de Covid para que o hospital possa voltar a atender pacientes graves de outras especialidades. “O objetivo agora é trabalhar com um ‘novo normal’, onde possamos manter uma área destinada à Covid-19, mas atender também os paciente graves de outras frentes porque ficaram desassistidos nesse processo”. Outro compromisso do HC para o momento é tentar minimizar as perdas enquanto hospital-escola. “Obviamente houve ganho em experiência profissional, mas precisamos trabalhar para recuperar o que foi perdido por conta do prazo de formação dos alunos”, afirma.

    Como ponto positivo em meio à crise, Eloisa destaca o volume de doações recebidas pelo hospital. “Neste período todo, recebemos doações da sociedade em níveis que nunca vimos antes. Esse é um caminho interessante que veio para ficar.”

    Novo normal

    “Eu trabalhava no prédio administrativo e fazia minhas atividades na área da reumatologia. Nunca mais fiz isso. Passei a ficar apenas no instituto, não tem sábado nem domingo. Trabalhamos pelo menos 11 horas por dia e, quando chegamos em casa, precisamos nos isolar”, comenta a doutora. “Somos um hospital sólido com 76 anos, e essa foi a maior guerra que já enfrentamos”.

    A médica também ressalta que um grande aprendizado do momento foi o benefício que traz uma boa comunicação. “Comunicar envolve acolher e entender muitas vezes que a pessoas está irritada com você, mas com a situação. Em tempos de crise, a comunicação assertiva é fundamental porque são muitos problemas para lidar ao mesmo tempo. Quando feita da maneira correta, ela faz você ganhar parceiros e aliados”.

    Reprodução/Forbes
  • Dra. Ester Sabino

    Ester Sabino é imunologista e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

    Papel durante a pandemia de Covid-19: Responsável pelo sequenciamento do genoma do vírus no Brasil em 48h, além de análise de kits de comerciais de diagnóstico e desenvolvimento de tecnologia de monitoramento remoto de pessoas com sintomas.

    Ester Sabino ficou conhecida nacionalmente após sequenciar o genoma do novo coronavírus no Brasil em apenas 48h. Apesar do grande feito, a médica imunologista diz ter ficado surpresa com a repercussão. “Fiquei tentando entender, não estava esperando. O projeto é interessante, mas não é uma grande descoberta científica. Acredito que teve muito impacto pelo tempo levado. Tenho trabalhado em várias áreas. O sequenciamento foi a primeira e tem sido feito esquematicamente –até o final do mês de abril, fizemos quase 500 sequências do vírus.”

    Após o alcance das notícias, a equipe da doutora que foi a primeira a sequenciar o vírus na América Latina e é composta 60% por mulheres, recebeu aporte R$ 200 mil da Alway, para auxiliar as pesquisas que buscam entender a curva de crescimento da Covid-19 no Brasil.

    Entre outras atividades, a professora tem dedicado esforços também na análise de kits comerciais de diagnóstico de Covid-19 e faz parte do time de pesquisadores que, junto à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), desenvolveu uma plataforma para monitoramento remoto de pessoas com sintomas da doença em São Caetano do Sul, lançada em 6 de abril.

    Entre os desafios enfrentados está o alto custo do sequenciamento. “Pelo vírus e pela tecnologia para o estudo serem importados, eles são caros e não chegam no tempo certo. Com a explosão do número de casos pelo mundo, a busca pelo material ficou ainda mais cara”, conta. Outro ponto abordado pela cientista é o de que “existe uma lacuna grande de investimento e os laboratórios brasileiros são carentes no apoio à infraestrutura. Tudo o que precisamos agora é de estrutura para continuar o desenvolvimento das pesquisas”. Ester afirma que ainda assim o momento é de cooperação e que pesquisadores de outras áreas tem trabalhado em prol de estudos voltados para a doença.

    A pesquisadora também tem trabalhado em um projeto de prevalência sanguínea voltado para a Covid-19. O estudo, com apoio do banco Itaú busca definir a prevalência em bancos de sangue em tempo real, com dados analisados de forma rápida. “Isso pode ser interessante para qualquer outra ferramenta que possa surgir”, diz.

    Em 23 de julho, a “Science”, uma das revistas científicas mais importantes do mundo, publicou um artigo sobre as características de disseminação do novo coronavírus no Brasil. O artigo publicado intitulado “Evolution and epidemic spread of SARS-CoV-2 in Brazil” (“Evolução e disseminação epidêmica do SARS-CoV-2 no Brasil”, na tradução livre) foi um estudo coordenado por Ester, de coautoria dos doutores Celso Granato e Carolina Lázari, do grupo Fleury, e em parceria com a Universidade Oxford.

    Novo normal

    “Minha rotina mudou muito. Fiquei praticamente focada na Covid-19. Precisei parar o atendimento de pacientes com chagas e anemia falciforme que realizava antes. No mais, acredito que a pandemia tem uma mensagem de coordenação que ainda não foi assimilada: todo mundo está tentando fazer muito, mas sem pactuação, trabalho em conjunto e um plano de resposta efetivo tudo fica mais difícil”.

    USP/Forbes

Dra. Ludhmila Hajjar

Professora da Universidade de São Paulo, médica cardiologista, porta-voz da Sociedade Brasileira de Cardiologia e chefe de UTI no Hospital da Clínicas de São Paulo

Papel durante a pandemia de Covid-19: Treinamento de médicos para combate à doença e cuidado de pacientes infectados; participação ativa nas reuniões de atualização sobre o avanço do novo coronavírus no país.

Como cardiologista, uma das principais frentes de atuação e estudo de Ludhmila Hajjar, tem sido no impacto da doença no coração e formas de tratamento mais eficazes. Para a doutora, o principal desafio do momento é o treinamento dos profissionais da saúde e estrutura de atendimento. “É preciso capacitar pessoas de todos os locais. Em junho, a doença estava avançando para regiões interioranas e setores periféricos. Então, a preocupação é a capacitação e a estrutura de atendimento”, diz Ludhmila que ressalta: “Esse não é o único desafio da Covid-19. Precisamos ter em mente que outros tratamentos como o de doenças cardíacas, cerebrovasculares e câncer não podem parar, mesmo diante da crise”. Durante a pandemia do novo coronavírus, especialistas médicos de diferentes áreas foram remanejados para assegurar atendimento aos infectados pela doença, o que reduz a força de trabalho disponível para suprir a demanda de outras patologias.

Ludhmila acredita que a chave para combater a pandemia é uma junção de trabalho em conjunto e comunicação. “Precisamos ter linguagem única e trabalhar de forma unificada em todas os extratos. O governo precisa prover sustentação economia aos vulneráveis e o isolamento deve acontecer de forma responsável e monitorada.” A doutora acredita que a doença possa causar novos picos de infecção e que, neste sentido, o papel da ciência é fundamental na orientação, assim como o apoio internacional.

Novo normal

A crise tem transformado a rotina de Ludhmila, antes atuante no tratamento de pacientes com problemas no coração e câncer, hoje, a doutora atua nos cuidados de infectados graves de Covid-19 e treinamento de profissionais 80% do tempo. “Não existe fim de semana e feriado. Me sinto honrada, somos os soldados e precisamos fazer o possível para deixar o exemplo.” Esperançosa, ela não pensa o momento como uma crise: “Vamos utilizar esse momento para implementar mudanças que não ocorreram antes, com foco em tecnologia saúde e educação, para ter uma sociedade mais justa e menos desigual”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).