China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra coronavírus

Andreas Gebert/Reuters
Andreas Gebert/Reuters

Trabalhadores essenciais e outros grupos de risco receberam a vacina na China

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse à China que apoia e compreende que o país inicie a administração de vacinas contra coronavírus experimentais enquanto os testes clínicos ainda estão em andamento, disse uma autoridade de saúde chinesa hoje (25).

A China fez contato com a OMS no final de junho e lançou seu programa emergencial em julho, segundo Zheng Zhongwei, autoridade da Comissão Nacional de Saúde do país.

LEIA MAIS: Sinovac quer distribuir vacina para Covid-19 na América do Sul em parceria com Butantan, diz executivo

Centenas de milhares de trabalhadores essenciais e outros grupos limitados de pessoas que se considera correrem risco alto de infecção receberam a vacina, embora sua eficácia e segurança ainda não tenham sido plenamente estabelecidas, já que os testes clínicos de estágio avançado estão incompletos.

“No final de junho, o Conselho de Estado da China aprovou o plano de um programa de uso emergencial de vacina contra coronavírus”, disse Zheng em uma coletiva de imprensa.

“Após a aprovação, em 29 de junho, fizemos contato com os representantes relevantes do escritório da OMS na China e obtivemos apoio e compreensão da OMS”, disse.

O representante da OMS na China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A cientista-chefe da agência, Soumya Swaminathan, disse em Genebra neste mês que autoridades reguladoras nacionais podem aprovar o uso de produtos médicos em suas próprias jurisdições na situação atual de emergência, mas descreveu a medida como uma “solução temporária”.

A solução de longo prazo está na conclusão dos testes de estágio avançado, disse a autoridade da OMS.

PRODUÇÃO DE VACINA

A capacidade de produção anual de vacinas contra a Covid-19 da China deve chegar a 610 milhões de doses até o final de 2020, informou a Comissão Nacional de Saúde do país hoje.

A capacidade está prevista para chegar a 1 bilhão de doses por ano até 2021, disse Zheng Zhongwei, diretor-geral do Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da comissão, em uma coletiva de imprensa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).